O Peso do Passado: a História das Ditaduras nos Currículos de São Paulo e Buenos Aires

  • Juliana Pirola da Conceição Balestra Professora Adjunta do Curso de História – Grau Licencitura da Universidade Federal da Integração Latino-americana.

Resumo

O artigo apresenta os resultados de uma extensa investigação em documentos oficiais, programas curriculares e materiais didáticos que normatizam o ensino de história e o processo de escolarização nas cidades de São Paulo, no Brasil, e Buenos Aires, na Argentina, desde o fim dos últimos regimes ditatoriais até a atualidade. O objetivo é oferecer indícios que ajudem perceber o peso da história das Ditaduras nas políticas públicas de construção de memórias na região, via ensino de história, que terminam por estabelecer o que deve ser lembrado e o que pode ser esquecido no processo de construção de memórias sobre o período. Para a análise dos documentos, fez-se uso dos apontamentos de IvorGoodson e GimenoSacristán sobre os currículos oficiais, enquanto prescrições, que envolvem místicas importantes sobre o papel do Estado, da escolarização e da sociedade no processo de aprendizagem. O modo como se representa o passado nessas prescrições, por sua vez, foi interpretado a partir das contribuições dos estudos de Serge Moscovici e Denise Jodeletsobre as representações sociais, relacionadas ao processo pelo qual o conhecimento é gerado, transformado e projetado no mundo social.

Palavras-chave: Ensino de história. América Latina. Ditaduras.

Referências

BALESTRA, J. P. C. História e Ensino de História das Ditaduras no Brasil e na Argentina. RevistaAntíteses, v. 9, n. 18, p. 249-274, jul./dez. 2016.
______. O peso do passado: currículos e narrativas no ensino de história das Ditaduras de Segurança Nacional em São Paulo e Buenos. 2015. 226f. Tese (Doutorado em Educação). Campinas, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2015.
BAUER, C. S. Um estudo comparativo das práticas de desaparecimento nas ditaduras civil-militares argentina e brasileira e a elaboração de políticas de memória em ambos os países. Tese (Doutorado em História). 2011. 446f. Porto Alegre-Barcelona, Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Departamentd’HistòriaContemporània da Universitat de Barcelona, 2011.
CARNOVALE, V.; LARRAMENDY, A. Enseñar la historia reciente en la escuela: problemas y aportes para su abordaje. In: SIEDE, I. (coord.) Ciencias sociales en la escuela. Buenos Aires: Aique, 2010.
CONCEIÇÃO, J. P.; ZAMBONI, E. A educação pública e o ensino de História da América Latina no Brasil e na Argentina. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 8, p. 419-441, 2013.
DEVOTO, F; FAUSTO, B. Argentina - Brasil: 1850-2000. Buenos Aires:
Sudamericana, 2008.
GIMENO SACRISTÁN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto
Alegre: Artmed, 1998.
GOODSON, I. F. A Construção Social do Currículo. Portugal: Educa, 1997.
______. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 35, p. 241-252, maio/ago. 2007.
GRIMSON, A. (org.). Pasiones nacionales: política y cultura en Brasil y
Argentina. Buenos Aires: Edhasa, 2007.
JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.
MARTINS, M. C. Currículo, cultura e ideologia na ditadura militar brasileira: demarcação do espaço de atuação do professor. In: CERRI, L. F. (org.). O ensino de história e a ditadura militar. 2. ed. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 2003.
MENDES, R. A. S. Ditaduras civil-militares no Cone Sul e a Doutrina de
Segurança Nacional - algumas considerações sobre a Historiografia. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 5, n.10, p. 6-38, jul./dez. 2013.
MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.
O´DONNELL, G. Contrapuntos:Ensayosescogidos sobre autoritarismo y
democratización. Buenos Aires: Paidós, 1997, p. 180.
REIS, D. A. Ditadura no Brasil entre memória e história. In: MOTTA, R. P.
Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2015.
Publicado
2018-04-16