Empatia Pedagógica como Possibilidade Metodológica para o Trabalho com a Temporalidade em Sala de Aula

  • Anilton Diogo Santos Professor da rede Estadual de ensino de Mato Grosso do Sul
  • Marlene Rosa Cainelli Professora Doutora, do curso de História, do Mestrado em História e do Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão inicial sobre o conceito de “empatia pedagógica” proposto por nós como um modelo de explicação sobre a metodologia do ensino de conteúdos históricos durante as aulas de História. Partimos de Cainelli (2008) e de sua concepção de atrativo pedagógico, na qual, ela aponta a existência durante as aulas de História de uma espécie de desconstrução dos conteúdos históricos a fim de facilitar o acesso dos alunos, que estão no presente, a esse conteúdo. Aliamos e relacionamos a proposta de Cainelli ao conceito de empatia proposto por Lee (2003; 2006) e o processo de construção de sentido advogado por Rüsen (2015) para aferir que, muitas vezes, a dinâmica da aprendizagem histórica passa pela utilização por parte do(a) professor(a) do conteúdo histórico como fomentador de um processo empático, transformando o próprio conteúdo em uma possibilidade pedagógica, sendo essa prática metodológica de uso do conteúdo como provocador de um espaço de experiência condicionante para aprendizagem, o que chamamos de “empatia pedagógica”. Para chegar a essa conclusão apresentamos eventos de aulas, obtidos por nós, através do uso do caderno de campo.

Palavras-chave: Empatia Pedagógica. Ensino de História. Educação Histórica.

Biografia do Autor

Anilton Diogo Santos, Professor da rede Estadual de ensino de Mato Grosso do Sul

Mestre pela Universidade
Estadual de Londrina (UEL)

Marlene Rosa Cainelli, Professora Doutora, do curso de História, do Mestrado em História e do Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).
Possui graduação em Licenciatura em História pela Universidade Estadual de Londrina (1987), mestrado em História pela Universidade Federal do Paraná (1994) e doutorado em História Social pela Universidade Federal do Paraná (2003). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de História e educação, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de história, formação de professores, educação histórica, saberes escolares e saberes docentes. Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e do Mestrado em História. Atualmente desenvolve o Projeto de Pesquisa: Ensinar História: Um estudo sobre as práticas de ensino e a produção de narrativas históricas por professores de História da Educação Básica. (Paraná- São Paulo - 1998 - 2014) com financiamento do Cnpq(2015-2017).Líder do grupo de pesquisa História e Ensino desde 1994. Pós-doutora em Educação na Universidade Federal do Paraná((2009) e Pós doutora em Educação Histórica pela Universidade do Minho em Portugal (2013).Coordenadora do PIBID/História da Universidade Estadual de Londrina 2014/2017.Coordenadora do PDE/ História/UEL 2014/2017

Referências

ALVES, Ronaldo Cardoso. Aprender história com sentido para a vida: Consciência histórica em estudantes brasileiros e portugueses. São Paulo, SP: 2011.

ANDRADE, Breno et.al. Empatia Histórica em sala de aula: Relato e análise de uma prática complementar de se ensinar/aprender a História. In: História & Ensino, Londrina, v. 2, n. 17, p. 257-282, jul./dez. 2011.

BARCA, Isabel; GAGO, Marília. Aprender a pensar em História: um estudo com alunos do 6º ano de escolaridade. in: Revista portuguesa de educação, vol.14, p. 239-352, Guimarães, PT: Universidade no Minho, 2001.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: Fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2009.

CAINELLI, Marlene Rosa. Os Saberes docentes de futuros professores de História: a especificidade do conceito de tempo. Currículos sem fronteira, v.08, n.2, p. 134-147, 2008.

CAINELLI, Marlene Rosa; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Percursos das pesquisas em educação histórica: Brasil e Portugal. In: CAINELLI; SCHMIDT. Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijuí: Ed. Ijuí, 2011.

COOPER, Hilary. O ensino de história na educação infantil e anos iniciais: um guia de professores. Curitiba: Base Editorial, 2012.

DUARTE, Tereza. A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica). Lisboa, PT: CIES e-Working Papers ISSN 1647-0893, 2009.

ESTRELA, Albano. Teoria e prática de observação de classes: Uma estratégia de formação de professores. Porto: Editora Porto, 1994.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista brasileira de História da educação. Campinas, SP: 2001.

HOBSBAWN, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro do passado. Rio de Janeiro, Rj: Contraponto, 2006.

LEE, Peter. Por que aprender História. Educar em Revista. Curitiba, PR: UFPR, 2011.

______. “Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé.” Compreensão da vida no passado. Actas das segundas Jornadas Internacionais da Educação Histórica. Educação Histórica e Museus. Braga: Universidade do Ninho, 2003.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Projeto História: Trabalhos da Memória. São Paulo: PUC, n. 17, 1989.

MIRANDA, Sonia Regina. Sob o signo da memória. São Paulo: Unesp, 2007.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de história: Entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

OAKESHOTT, MICHAEL. Sobre a história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks/Liberty Fund. 2003.

ROCHA, Helenice. Aula de história: Que bagagem levar? In: ROCHA; MAGALHÃES; RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2010.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba, PR: Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Concepções de aprendizagem histórica em propostas curriculares brasileiras. In: História Revista, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 203-213, jan. /jun. 2009

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. GARCIA, Tânia Maria Braga. Pesquisas em Educação Histórica: algumas experiências. Revista Educar. Curitiba, PR: UFPR, 2006.
Publicado
2018-04-16