O Instituto Universal Brasileiro e a gênese da educação a distância no Brasil

  • Adriano A. Faria Participa da Linha de Pesquisa Prática Pedagógica: elementos articuladores. Graduado em Filosofia, Teologia, Marketing e Pedagogia, possui Especialização em Educação a Distância, Metodologia do Ensino na Educação Superior, Formação de Docentes e de Orientadores Acadêmicos em EAD e também MBA em Gestão e Planejamento Estratégico. Atualmente é Diretor do Instituto de Educação EduSol
  • Ariclê Vechia Professora do PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná.

Resumo

O estudo investiga a trajetória do Instituto Universal Brasileiro e sua contribuição para a educação a distância no Brasil. Trata-se de um estudo de natureza histórica baseado em análise documental e dados colhidos por meio de entrevistas. O IUB surgiu no cenário nacional, num contexto marcado pelo regime Ditatorial de Vargas, com estímulo ao desenvolvimento industrial na tentativa de superar os efeitos econômicos e de substituição das importações gerados pela Segunda Guerra Mundial. Neste contexto, a criação do Instituto Universal Brasileiro veio ao encontro das necessidades sociais, buscando suprir a carência de profissionais técnicos qualificados para impulsionar o desenvolvimento industrial. O IUB iniciou suas atividade em 1941, oferecendo cursos técnicos, logo a seguir passou a ofertar também cursos Supletivos de Madureza Ginasial e Colegial. Na década de 90 passou a ofertar. Supletivo de Ensino Fundamental e Médio a distância para pessoas maiores de 15 anos. O estudo aponta para o Instituto Universal Brasileiro como uma das principais instituições de ensino a distância no País, por um período mais de meio século.

Biografia do Autor

Adriano A. Faria, Participa da Linha de Pesquisa Prática Pedagógica: elementos articuladores. Graduado em Filosofia, Teologia, Marketing e Pedagogia, possui Especialização em Educação a Distância, Metodologia do Ensino na Educação Superior, Formação de Docentes e de Orientadores Acadêmicos em EAD e também MBA em Gestão e Planejamento Estratégico. Atualmente é Diretor do Instituto de Educação EduSol
Mestre e Doutorando em Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná. Participa da Linha de Pesquisa Prática Pedagógica: elementos articuladores. Graduado em Filosofia, Teologia, Marketing e Pedagogia, possui Especialização em Educação a Distância, Metodologia do Ensino na Educação Superior, Formação de Docentes e de Orientadores Acadêmicos em EAD e também MBA em Gestão e Planejamento Estratégico. Atualmente é Diretor do Instituto de Educação EduSol
Ariclê Vechia, Professora do PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná.
Mestre em Educação pela UFPR, com Doutorado em Historia Social pela USP e pós - Doutorado em História Comparada da Educação pela Universidade de Coimbra. Foi professora da Universidade Federal do Paraná, atualmente é professora do PPGED da Universidade Tuiuti do Paraná.

Referências

ALVES, G. M. Tecnologias e suas implicações na prática pedagógica do
supervisor escolar. In: 15º CIAED, 2009, Fortaleza, CE. Anais... SP: ABED, 2009.

ALVES, J. R. M. A educação a distância no Brasil: síntese histórica e perspectivas. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas em Educação, 1994.

ARY, E. A breve história da EAD no Brasil: do Instituto Universal Brasileiro à Universidade Aberta do Brasil. Disponível em: , 4 jun. 2007. Acesso em: 12 set. 2010.

BELLONI, M. l. Educação a distância. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

BRASIL. Decreto nº 5.622 de 19 de dezembro de 2005. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no
9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.073 de 30 de janeiro de 1942. Rio de Janeiro:
Presidência da República, 1942. Lei orgânica do ensino industrial.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

CHICO, P. Monitor e Instituto Universal Brasileiro abraçam tecnologias. In: Folha Dirigida. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2010.

DILKIN, A. D.; TORRESCASANA, M. A. S. Radioescola Tancredo Neves – uma proposta de Mídia Cidadã. Pato Branco, Paraná: IV Conferência Brasileira de Mídia Cidadã – I Conferência Sulamericana de Mídia Cidadã, 05 a 07 ago. 2010. p.453-465.

DOHTTA, M. O Instituto Universal Brasileiro. Disponível em: carissimascatrevagens.blogspot.com/search?q=iub>, 31 ago 2010. Acesso em: 21 out. 2010

FOLHA DIRIGIDA. Tudo começou há 70 anos. Disponível em: , jul. 2009. Acesso em: 02 set.2010.

GATTI JUNIOR, D. Apontamentos sobre a pesquisa histórico-educacional no campo das instituições escolares. Cadernos de História da Educação, v.1, n.1, p.29-31, jan./dez. 2002.

GAZETA MERCANTIL. A expansão do ensino a distância. Disponível em:
, 01 jul. 2003. Acesso em: 02 set. 2010.

GUAREZI, R. C. M; MATOS, M. M. Educação a Distância sem segredos.
Curitiba: Ibpex, 2009.

IARALHAM, L. C. Contribuição da tecnologia da informação na educação a distância no instituto universal brasileiro: um estudo de caso. Revista Científica da Faculdade das Américas, Ano III, n.1, 1º sem. 2009.

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. Apostila de Divulgação de
Cursos, [1980].

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. Código Civil Brasileiro. São Paulo:Livraria Teixeira, 1948.

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. Encarte publicitário. [1980].

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. Encarte publicitário. 1985.

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. História. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2010.

INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO – IUB. Materiais de divulgação. S.d.

JORNAL DO IUB - INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO. O ensino a distância. 2010.

KEEGAN, D. Foundations of distance education. 3. ed. Routledge, London,
2003.

MAIA, M. C. Adoção e disseminação de tecnologias educacionais em cursos presenciais. In: 15º CIAED, 2009, Fortaleza, CE. Anais... SP: ABED, 2009.

MOORE, M. G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo:
Cengage Learning, 2008.

REVISTA DO INSTITUTO UNIVERSAL BRASILEIRO RÁDIO-TV-ELETRÔNICA. Editorial. Ano IV, n. 48, s.d.

RISNIK, D. M. Microcomputador. In: Revista do Instituto Universal Brasileiro Rádio-TV-Eletrônica, Ano I, n.4, set. 1984.p.28-33.

SANTOS, L. C. L. dos. Educação a distância na formação de professores. In: MERCADO, L. P. L.; KULLO, M. B. G. (Orgs.) Formação de professores: políticae profissionalização. Alagoas: Edufal, 2004.p.35-65.
SANTOS, S. S. contribuições dos recursos disponíveis em ambientes virtuais de ensino para a prática avaliativa. In: 15º CIAED, 2009, Fortaleza, CE. Anais... SP: ABED, 2009.

SARAIVA, T. Educação a distância no Brasil: lições de história. Em Aberto, ano 16, n.70, p.17-27, abr./jun.1996.

SENAC RIO. História: EAD presente no Brasil há 70 anos. Matéria da Folha Dirigida - Caderno Especial - 05/08/2008. Disponível em: Acesso em: 22 set. 2010.

SPERANDIO, A. Caligrafia: curso completo. 6. ed. São Paulo: Livraria Teixeira, 1951.

TORRES, P. L.; FIALHO, F. A. P. Educação a distância: passado, presente e futuro. In: LITTO, F. M.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education, 2008. p. 456-461.

UNIVERSIDADE DE BRASILIA. Portal da Cátedra UNESCO de educação a
distância. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2010.
Publicado
2011-08-30