Uma análise crítica sobre as políticas para a formação de professores a distância no Brasil

  • Julia Malanchen Professora Assistente no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) Campus de Cornélio Procópio

Resumo

Este trabalho discute as políticas educacionais no Brasil, relacionadas à Educação a Distância e a formação inicial de professores. Delinea-se um breve quadro político e econômico das reformas realizadas no Brasil nos últimos anos e busca-se expôr, realizando as devidas articulações do objeto, os elementos que expandiram a operacionalização dessa política nacionalmente a partir do ano de 1995 até o ano de 2007 e as razões desse significativo crescimento em cursos para formação desses profissionais, sobretudo da Educação Básica. Na sequência, examina-se a produção existente em torno da implantação da EAD em nosso país, e, para isso, foram selecionados autores conhecidos nacionalmente com pesquisas e opiniões distintas nesta área. Nesse caso, nossa intenção foi a de esboçar uma maior compreensão dos argumentos utilizados por aqueles que concordam com as políticas do governo e, simultaneamente, levantar as críticas a elas feitas por autores que são contra esse tipo de formação. Com base na análise realizada, chega-se às seguintes conclusões: primeiro, que por meio da EAD, o governo oferta uma formação rápida e com custos menores a grande número de professores no país que trabalham sem a habilitação exigida pela LDBEN 9394/96 (BRASIL, 1996). E em segundo, que pela EAD o governo alcança outro objetivo, o de ajustar o professor e seu processo formativo às demandas do atual estágio de reestruturação do capital, enfraquecendo a dimensão social e política de sua formação.

Biografia do Autor

Julia Malanchen, Professora Assistente no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) Campus de Cornélio Procópio
Mestre em educação pela UFSC/2007 e doutoranda em Educação Escolar/UNESP Campus de Araraquara. Professora Assistente no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) Campus de Cornélio Procópio

Referências

AGUIAR, Márcia; SCHEIBE, Leda. Formação de profissionais da educação no Brasil: o curso de pedagogia em questão. Revista Educação & Sociedade, ano XX, nº 68, Dezembro, 1999.

BANCO MUNDIAL. La Enseñanza Superior: las lecciones derivadas de la
experiencia. Banco Mundial. Primeira Edição em Espanhol, junho de 1995. Washington-DC.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. São Paulo: Autores Associados, 1999.

______. Ensaio sobre a educação à distância no Brasil. Educação & Sociedade, ano XXIII, n. 78, abril de 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1996.

_______. Presidência da República. Decreto nº 5.622 de 20 de dezembro de 2005a. Disponível . Acesso: 15 de janeiro de 2006.

MEC. SEB. Situação atual do programa Pró-Licenciatura.2006a. disponível em< www.mec.seb.gov.br> Acesso em 15 de dezembro de 2006.

MEC. Secretaria de Educação a Distância. MEC aprova recursos para dois
cursos a distância na UEM. Brasília, 2005a. Disponível . Acesso: 22 de janeiro de 2006.

CASTRO. Ramón Peña. Crítica da globalização como ideologia economicista do capitalismo total. In: Revista Teoria Crítica, Ética e Educação. Piracicaba/Campinas e UNIMEP/AA, 2001, p.29-44.

DOURADO, Luiz Fernandes. Reforma do Estado e as políticas para a educação superior no Brasil nos anos 90. Educ. Soc. [online] vol. 23, n. 80 p. 234-252, Set. 2002.

FREITAS, H. C. L. A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação e Sociedade, Campinas, 1999, ano XX, nº 68, p. 17-44.

KUENZER, Acácia Zeneida. A educação profissional nos anos 2000: a
dimensão subordinada das políticas de inclusão. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 96 - Especial, p. 877-910, out. 2006.

LEHER, Roberto. Entrevista a Revista ADVIR Nº 14 setembro de 2001, Ensino a Distância - ASDUERJ – Publicação da Associação de docentes da UERJ – p.06 a 09.

LIMA, Kátia R. S. Reforma universitária do governo Lula e educação a distância: democratização ou subordinação das universidades públicas à ordem do capital? Trabalho apresentado no seminário local preparatório do 5º CONED. Eixo 1: organização da educação nacional. Mesa 1:educação à distância. ADUFU. 02/05/2004a.

______. Reforma universitária do governo Lula e educação a distância:
democratização ou subordinação das universidades públicas à ordem do
capital? Revista ADVIR Nº 14 setembro de 2001 - ASDUERJ – Publicação da Associação de docentes da UERJ – p.57 a 65.

______. Reforma da educação superior nos anos de contra-revolução neoliberal: de Fernando Henrique Cardoso a Luis Inácio Lula da Silva. Tese de doutoramento 316 p. Defendida em 2005 no Programa de educação da UFF.

______. Reforma Universitária do governo Lula: o relançamento do conceito
de público não-estatal. SP, 2004b. In: Neves, L. M.W. Reforma universitária do governo Lula. Reflexões para o debate. SP: Xamã, 2004.
LOBO NETO; F. J. da S.. Educação a Distância – Referências & Trajetórias. Editora Plano, Rio de Janeiro, 2001.

MARQUES, Camila. País teve mais de 1,1 milhão de alunos no ensino a
distância em 2004. Folha Online, SP, 18 de abril de 2005. Disponível em
. Acesso em 25 de abril de 2005.

______. Maioria dos cursos a distância no Brasil forma professores. Folha Online, SP, 29 de abril de 2004. Disponível em < www.folha.com.br > . Acesso em 25 de abril de 2005.

MARTINS, Luiz Roberto Rodrigues. Educação a distância no Brasil. Uma
construção consorciada e em rede. Liinc em Revista, v. 2, n. 1 marco 2006, p. 86 a 102. disponível em www.liinc.ufrj.br/revista/index-revista.htm acesso em 22 de janeiro de 2007.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Incertezas nas práticas de formação e no conhecimento docente.Texto para a mesa-redonda “Políticas de Formação de Professores”, III Congresso Luso-Brasileiro de Estudos Curriculares, Rio de Janeiro, 17 a 20 de agosto de 2004. (mimeo).

______. Proposições acerca da produção de conhecimento e políticas de
formação docente. In.: EVANGELISTA, O.; MORAES, M. C. M.; SHIROMA, E. O. Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente, Rio de Janeiro: DP&A, 2003a.

______. Recuo na Teoria. In.: EVANGELISTA, O.; MORAES, M. C. M.;
SHIROMA, E. O. Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas de formação docente, Rio de Janeiro: DP&A, 2003b.

MOTA, Ronaldo. Discurso sobre as possibilidades de democratização da
EAD. Disponível em Acesso em 15 de abril
de 2005.

NEVES, Lucia Maria W.; e FERNANDES, Romildo Raposo. Política Neoliberal e Educação Superior. In Neves, L. M.W. O empresariamento da educação. Novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. SP: Xamã, 2002.

NOGUEIRA, Elizabeth Saramela. Políticas de formação de professores: a
formação cindida (1995 – 2002). Tese de doutorado. Defendida no Programa de Pós-Graduação em educação na UFRJ, 2003, 198 p. (mimeo).

OLIVEIRA. Dalila Andrade. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas conseqüências para os trabalhadores docentes. Educ. Soc.,Campinas, vol. 26, n. 92, p. 753-775, Especial - Out. 2005.

OLIVEIRA, A. Marx e a exclusão. Pelotas: Seiva, 2004.
PIRES, Hindenburgo. Universidade, políticas públicas e novas tecnologias
aplicadas a educação a distância. Revista ADVIR Nº 14 setembro de 2001 -ASDUERJ – Publicação da Associação de docentes da UERJ – p. 22 a 29.

PRETI, O. Educação a distância: uma prática educativa mediadora e
mediatizada. In: PRETI, O. (org) Educação a distância: início e indícios de um percurso.Cuiabá: UFMT, 1996. p. 15-35.

______. Licenciatura Plena em Educação Básica: 1ª a 4ª séries do 1º grau, através da modalidade de Educação a Distância: uma alternativa social pedagógica. Cuiabá, NEAD - UFMT, 1995. Disponível em < www.nead.ufmt.br/documentos/Artigo04.doc >Acesso em 25 de maio de 2005.

PRETTO, Nelson de Luca. Desafios para a educação na era da informação: o presencial, a distância, as mesmas políticas e o de sempre. In. Barreto, R. G. (org.) Tecnologias educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. RJ: Quartet, 2003. p. 29-53.

______. Políticas públicas educacionais no mundo contemporâneo. Liinc em Revista, v.2, n.1, março 2006, p.10 – 27. Disponível http://www.liinc.ufrj.br/revista/index-revista.htm>. Acesso: 21 de abril de 2006.

RAMOS, Marise Nogueira. A Educação profissional pela pedagogia das
competências: para além da superfície dos documentos oficiais. Educação & Sociedade: Revista de Ciência da Educação, v. 23, n. 80, p. 405-427, set. 2002.

SCHEIBE, Leda. Formação inicial a distância: Novas propostas de formação ou velhas políticas de (des)qualificação dos professores para as séries iniciais? Texto escrito a partir da apresentação da autora na Sessão Especial sobre “As políticas de formação do professor em Educação a Distância – implicações teóricopráticas”,
ocorrida na 25ª Reunião Anual da ANPED 2002. (mimeo).

SILVA JR., João do Reis. Reformas do Estado e da educação e as políticas públicas para a formação de professores a distância: implicações e teóricas. Revista Brasileira de Educação. Set /Out /Nov /Dez. 2003 N. 24.

SHIROMA, E. O. Política de profissionalização: aprimoramento ou
desintelectualização do professor? . Intermeio, Campo Grande, v. 9, n. 17, p. 64-83, 2003.

TOMMASI, Livia De ; WARDE, Mirian Jorge ; HADDAD, Sérgio (Orgs.). 2. ed. O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo, Cortez, 1998.

VALENTE, José Armando. Educação a distância no ensino superior: soluções e flexibilizações. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v. 7, n. 12, p. 139-48, fev.2003.disponível em Acesso
em 15 de abril de 2006.
Publicado
2011-08-30