A educação a distância no discurso da “democratização”

  • Raquel Goulart Barreto Doutora em Educação e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Resumo

Este artigo corresponde a uma análise crítica dos modos pelos quais a EAD tem sido inscrita no atual discurso da “democratização”. Para tanto, a primeira seção traz uma abordagem introdutória à análise crítica de discurso, enfatizando seus pressupostos básicos e as escolhas representadas por procedimentos específicos. A segunda seção está concentrada na substância das formulações em questão, destacando os substantivos que as sustentam. Finalmente, a terceira seção trata das principais relações entre os substantivos, de modo a favorecer uma aproximação do determinismo e da substituição tecnológica em jogo.

Biografia do Autor

Raquel Goulart Barreto, Doutora em Educação e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Graduada em Letras (Português-Inglês) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde também cursou Mestrado e Doutorado em Educação e atuou como professora de 1977 a 2002, data da sua aposentadoria. Atualmente é Professor Adjunto e Procientista da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É pesquisadora da área de Educação, subárea de Política Educacional, com ênfase na incorporação das Tecnologias da Informação e da Comunicação à formação e ao trabalho docente, a partir do referencial teórico da Análise Crítica do Discurso. Tem se dedicado à análise dos modos pelos quais as referidas tecnologias têm sido representadas nas formulações acerca dos processos de ensinar-aprender, bem como em práticas pedagógicas concretas, historicamente dimensionadas. Líder do Grupo de Pesquisa Educação e Comunicação, em cuja página (http://www.educacaoecomunicacao.org) são encontradas informações complementares acerca de pesquisas e produções acadêmicas.

Referências

BARRETO, R.G. Tecnologia e educação: trabalho e formação docente.
Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1181-1201, dez. 2004.
BARRETO, R. G. Política de educação a distância: a flexibilização estratégica. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E. (Org.). Políticas de currículo em múltiplos contextos. São Paulo: Cortez, 2006. p.187-204.

BARRETO, R. G.; LEHER, R. Do discurso e das condicionalidades do Banco Mundial, a educação superior “emerge” terciária. Revista Brasileira de Educação, n.39, p.423-436, set/dez 2008.

BARRETO, R. G. As tecnologias na política nacional de formação de professores a distância: entre a expansão e a redução. Educação & Sociedade, vol.29, n.104, p.919-927, out. 2008.

BARRETO, R. G. Discursos, tecnologias, educação. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009.

BARRETO, R.G. A formação de professores a distância como estratégia de expansão do ensino superior. Educação & Sociedade, vol.31, n.113, p.1299- 1318, out/dez 2010.

BOHADANA, E.; VALLE, L. O quem da educação a distância. Revista Brasileira de Educacao, v. 14 n. 42, p.551-564, set./dez. 2009.

BOURDIEU, P.; WACQUANT, L. NewLiberalSpeak: notes on the new planetary vulgate. Radical Philosophy, 105, p.2-5, 2001.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, n.24, p.5-15, set./dez. 2003.

COUTINHO, C. N. Democracia: um conceito em disputa. 2008. Disponível
em: http://www.socialismo.org.br/portal/filosofia/155-artigo/699-democraciaum-conceito-em-disputa.Acesso em: 31 mar. 2011.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília, df: Editora da unb, 2001.

FAIRCLOUGH, N. A dialética do discurso. Trad. Raquel G. Barreto. Teias, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, 2010. Disponível em: http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php?journal=revistateias. Acesso em: 12 set. 2010.

FANTIN, M.; GIRARDELLO, G. Diante do abismo digital: mídia-educação e
mediações culturais. Perspectiva, v. 27, n. 1, p.69-96, jan./jun. 2009.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.
MAGALHÃES, L. K. C. Formação e trabalho docente: os sentidos atribuídos às tecnologias da informação e da comunicação. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

MALANCHEN, J. Política de educação a distância: democratização ou canto da sereia? Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 6, p. 209-216, jun. 2007. Disponível em:http://www.histedbr.fae.unicamp.br/art12_26.pdf. Acesso em:
04 mar. 2011.

MATTELART, A. História da sociedade da informação. São Paulo: Loyola, 2002.

MATTELART, A. Para que “nova ordem mundial da informação”? In: MORAES, D. (Org). Sociedade midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.
MORAES, M. C. “A teoria tem consequências”: indagações sobre o
conhecimento no campo da educação. Educação & Sociedade, vol. 30, n.
107, p. 585-607, maio/ago. 2009.

PAIVA, L.G. Do giz colorido ao data show: uma conex@o desconect@d@.
Juiz de Fora: Editora UFJF, 2010.

VON FOERSTER, H. Visión y conocimiento: disfunciones de segundo orden. In: SCHINITMAN, D. F. (Org). Nuevos paradigmas, cultura y subjetividad. Buenos Aires: Paidós, 1995. p. 91-113.

ZUIN, A.A.S. Educação a distância ou educação distante? O Programa
Universidade Aberta do Brasil, o tutor e o professor virtual. Educação &
Sociedade, Campinas, v. 27, n. 96, p. 935-954, out. 2006.

ZUIN, A.A.S. O Plano Nacional de Educação e as tecnologias da informação e comunicação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 112, p. 961-980, jul.-set. 2010.
Publicado
2011-08-30