O Ensino De Filosofia No Contexto Curricular Catarinense

  • Celso João Carminati Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Letícia Meinert Lindner Universidade do Estado de Santa Catarina

Resumo

O presente artigo discute o lugar da disciplina filosofia no ensino médio no contexto da proposta curricular catarinense e das políticas e diretrizes nacionais voltadas ao seu ensino. Partimos da premissa histórica do debate sobre ensinar filosofia ou a filosofar, levando em conta as discussões elaboradas por consagrados filósofos alemães, como Immanuel Kant e Georg Wilhelm Friedrich Hegel, para compreender e discutir o sentido que eles atribuem ao ensino da filosofia e suas consequentes ressonâncias nos debates atuais. Apresentaremos os dados gerais da pesquisa sobre a presença dessa disciplina em escolas públicas no ensino médio catarinense, disponibilizados pela Secretaria Estadual de Educação, e discutiremos alguns aspectos relacionados à sua presença/ausência no currículo, a seus objetivos e metodologias do ensino, presentes nas Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e na Proposta Curricular do Estado de Santa Catarina.

Biografia do Autor

Celso João Carminati, Universidade do Estado de Santa Catarina
Licenciado em Filosofia pela Fundação Educacional do Sul de Santa Catarina (1988), Mestre em Educação (1997) e Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2003), com estágio Sandwich na Università degli Studi di Milano - Itália (2000-2001). Pós-Doutor pela Università degli Studi di Bergamo - Itália (2015), sob supervisão do Prof. Dr. Fulvio Cesare Manara e pela Universidade de Lisboa - Portugal (2016), sob supervisão do Prof. Dr. Pedro Calafate. Foi bolsista de Estágio Sênior no Exterior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES (Processo BEX 7115/14-8). É professor concursado (Associado VII) no Departamento de Pedagogia do Centro de Ciências Humanas e da Educação - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Leciona no curso de Graduação em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação/Mestrado e Doutorado. Orienta dissertações e teses. Membro do Grupo de Pesquisa "Observatório de Práticas Escolares" - FAED/UDESC. Coordena e participa de projetos de pesquisa e tem experiência e publicações na área de Educação, com ênfase em ensino de filosofia, ensino médio, instituições e ensino superior, filosofia e historiografia da educação, organização e gestão da educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, ensino de filosofia, ensino médio, educação superior e formação de professores, gestão e políticas de educação. Membro pesquisador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa - Portugal. Desde 04/02/2017, atua como Diretor de Ensino de Graduação do Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED/UDESC.
Letícia Meinert Lindner, Universidade do Estado de Santa Catarina

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010) e Pedagogia- Habilitação em Orientação Educacional pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2011). Concluiu o mestrado em 2013, no programa de pós-graduação em educação (PPGE-UFSC), linha de pesquisa Educação e Infância, orientada pela professora doutora Maria Isabel Batista Serrão. Possui especializacao em Gestalt Terapia pela Comunidade Gestaltica e pos graduacao em Psicopedagogia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina-UNOESC. Atualmente atua como Psicologa Escolar em uma escola Montessoriana;

 

Referências

ALVES, Dalton. A filosofia no ensino médio. São Paulo: Autores Associados,
2002.
ARANHA, M. L. A. Filosofia no ensino médio: relato de uma experiência. In:
GALLO, S.; KOHAN, W. O. (Orgs.). A filosofia no ensino médio. Petrópolis,
RJ: Vozes, 2000.
BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio (OCEM). Ciências
humanas e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. Brasília:
Ministério da Educação - Secretaria de Educação Básica, 2006. 133 p.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9.394, de 20
de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Brasília, DF, 1996.
CARBONARA, V. O diálogo na formação filosófica: uma discussão sobre
metodologia do ensino de Filosofia. In: RIBAS, M. A. C. et al. (Orgs.). Filosofia
e ensino: a filosofia na escola. Ijuí: Unijuí, 2005.
CARMINATI, C. A ditadura militar no Brasil e o afastamento da filosofia do
ensino médio. In: DALLABRIDA, N.; VALLE, I. R. (Orgs.). Ensino médio em
Santa Catarina: histórias, políticas, tendências. Florianópolis: Cidade Futura,
2006.
CARMINATI, C. O estatuto da filosofia no ensino secundário no Brasil durante
a ditadura militar. In: Philosophica: o som e a cor. Departamento de Filosofia:
Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.
GHEDIN, E. Ensino de filosofia no ensino médio. São Paulo: Cortez, 2009.GINZO, A. Hegel y el problema de la educación. México: Fondo de Cultura
Econômica, 1991.
HORN, G. B. Ensinar filosofia: Pressupostos teóricos e metodológicos. Ijuí,
Ed. Unijuí, 2009.
HORN, G. B. A presença da filosofia no currículo do ensino médio brasileiro:
uma perspectiva histórica. In: GALLO, S.; KOHAN, W. O. (Orgs.). A filosofia
no ensino médio. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
OBIOLS, G. Uma introdução ao ensino da filosofia. Ijuí: Unijuí, 2002.
SANTA CATARINA. Secretaria Estadual de Educação. Proposta Curricular do
Estado de Santa Catarina. Filosofia e Filosofia da Educação. Florianópolis,
1998.
TOMAZETTI, E. M. Algumas reflexões acerca do ensino de filosofia nas
condições contemporâneas. In: RIBAS, M. A. C. et al. (Orgs.). Filosofia e
ensino: a filosofia na escola. Ijuí: Unijuí, 2005.
Publicado
2016-11-10