Docência Na Educação Inclusiva: Problematizando As Concepções Das Ações Profissionais Na Escolarização De Alunos Com Necessidades Educacionais Especiais

  • Ricardo Nogueira Terra Universidade Federal de Alfenas
  • Claudia Gomes Universidade Federal de Alfenas

Resumo

O presente artigo objetivou caracterizar as concepções docentes frente ao processo de inclusão escolar de alunos com necessidades educacionais especiais (NEE). Para tanto, contou com uma amostra de 60 professores, atuantes em duas escolas públicas de uma cidade da região do Sul de Minas Gerais/MG. Para a coleta de dados foi utilizado como instrumento um questionário, composto por questões fechadas e mistas, que foram analisadas quantitativamente. Como resultados, constatou-se um cenário de incertezas para a efetivação da educação inclusiva nas escolas, ao se constatar que somente 48,3% dos docentes da amostra apontam possuir conhecimento e participação em cursos e palestras alusivas à temática, fato que pode estar embasando a compreensão apontada por 45,5% da amostra de participantes que não considera ser de sua responsabilidade dispensar atenções educacionais aos alunos com NEEs. Quanto às concepções educacionais inclusivas, a compreensão atrelada a inclusão como direito e possibilidade de desenvolvimento educacional aos alunos com NEE é apontada apenas em 5% de respostas, o que demarca claramente que o propósito e objetivo central da proposta educacionais inclusivas não vem sendo efetivamente apontado pelas concepções e posteriores ações docentes. Conclui-se que os participantes apontam desconhecer suas responsabilidades neste processo, assim como indicarem concepções que inviabilizam a efetividade da ação educacional inclusiva a ser oferecida aos alunos em processo de inclusão escolar.

Biografia do Autor

Ricardo Nogueira Terra, Universidade Federal de Alfenas

Possui Graduação em Administração (2009), Ciências Sociais Licenciatura (2016). É especialista em Tecnologias, Formação de Professores e Sociedade (2015), e membro do grupo de estudos e pesquisas em Aprendizagem, Desenvolvimento Humano e Escolarização: Abordagens Críticas. Possui interesse de pesquisa científica na área de Educação, com os temas de Políticas Públicas Educacionais, Educação Inclusiva, Formação de Professores, Sociologia da Infância, Etnografia e hibridismo.

 
Claudia Gomes, Universidade Federal de Alfenas
Professora do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Alfenas na linha de Fundamentos Históricos e Filosóficos da Educação, além de lecionar e pesquisar nos cursos de graduação na área de Educação e Saúde, atuando principalmente na investigação sob os pressupostos da Psicologia Histórico-Cultural das seguintes temáticas: Interface Psicologia, Educação e Saúde; Psicologia do Desenvolvimento Humano e Educação Inclusiva. Possui Pós-doutorado (2014), Doutorado (2010), Mestrado (2005) todos na área de Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2010). Líder do Grupo de Pesquisa Cultura e Humanização: contextos sociais e promoção de saúde (UNIFAL-MG) e pesquisadora do grupo Processos de Constituição do Sujeito em Práticas Educativas da linha de pesquisa Prevenção e Intervenção Psicológica (PUCCAMP).

Referências

ARAUJO, J. P.; SCHMIDT, A. A inclusão de pessoas com necessidades especiais
no trabalho: a visão de empresas e de instituições educacionais especiais na
cidade de Curitiba. Revista Brasileira Educação Especial, São Paulo, v.12, n.2,
p. 241-254, Ago. 2006.
ARROYO, M. G. Experiências de inovação educativa: currículo na prática da
escola. Porto Alegre/RS, 1998. (manuscrito).
BASTOS, M. B. Inclusão escolar: um trabalho com professores a partir
de operadores da psicanálise. Dissertação de Mestrado - não publicada.
Universidade de São Paulo - Instituto de Psicologia. São Paulo, 2003. 133p.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Ministério da Educação e
Cultura. 1996. Disponível em: .
Acesso em: 25 abr. 2010
BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Inclusão.
2008. Ministério da Educação. Disponível em: .
Acesso em: 20 fev. 2011.
CRESPO, T. C. F. Educação especial frente à inclusão de jovens e adultos:
um estudo de caso. Dissertação de mestrado - não publicada. Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo. Psicologia da Educação, 2005. 79p.
GOMES, C.; BARBOSA, A. J. G. Inclusão escolar do portador de paralisia
cerebral: atitudes de profesores de ensino fundamental. Revista Brasileira de
Educação Especial, São Paulo, v.12, n. 1, p. 85-100, 2006.
GOMES, C.; GONZALEZ REY, F. Inclusão escolar: representações
compartilhadas de profissionais da educação acerca da incluso escolar. Revista
Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 27, n. 3, 2007.
LIBANEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. e TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas,
estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003. 408 p. (Coleção Docência
em Formação).
MANTOAN, M. T. E. Ser ou estar: eis a questão: explicando o déficit intelectual.
Rio de Janeiro: WVA, 1997. 137p.
MANTOAN, M. T. E. Toward a school for all. In: International Special Education
Congress. 2000. Manchester, Inglaterra. Recuperado em 15 de novembro de
2002. Disponível em: . Acesso em: 15/11/2001.
MANTOAN, M. T. E. Todas as crianças são bem-vidas à escola. RPD – Revista
Profissão Docente, Uberaba, v.1, n.2, p. 1 -19, maio/ago. 2001.MARTINEZ, A. M. Inclusão Escolar: desafios para o psicólogo. In: MARTINEZ,
A. M. Psicologia escolar e compromisso social. São Paulo: Alínea, 2005. p.
95-114.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS Declaração dos Direitos Humanos.
Disponível em: < www.direitoshumanos.usp.br>. (ONU, 1948). Acesso em:
17 set. 2011
SALOMÃO, S. C. Inclusão escolar: pontos e contrapontos. Linhas Críticas,
Brasília, v. 13, n. 24, p. 151-153, jan./jun. 2007.
SIEGEL, S. Estatística não-paramétrica para as ciências do comportamento.
São Paulo, Mcgrow-Hill do Brasil, 1975.
UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios Políticas e Práticas em
Educação Especial. Salamanca: Disponível em: br.>. (UNESCO, 1994). Acesso em: 17/09/ 2011.
Publicado
2016-11-10