A Mobilização das Operações Mentais da Consciência Histórica de Jovens Estudantes a Partir de Nomes Próprios nas Narrativas Históricas Gráficas

  • Marcelo Fronza Universidade Federal do Mato Grosso

Resumo

Neste artigo investigou-se como jovens estudantes do segundo ano do ensino médio de quatro cidades brasileiras mobilizaram as operações mentais da consciência histórica por meio de nomes próprios presentes em narrativas históricas gráficas. A finalidade foi entender como os conceitos substantivos relacionam-se com as categorias mobilizadas por estes jovens estudantes para expressar os conceitos de intersubjetividade e verdade ligados a sua identidade histórica. Para isso, os nomes prórios foram interpretados como semióforos, pois são portadores de sentido para a construção de narrativas históricas. Com isso, pretendeu-se analisar as respostas dos estudantes a uma questão referente ao reconhecimento da existência de situações históricas por meio de duas histórias em quadrinhos com interpretações diversas sobre uma mesma experiência do passado. Esses resultados dialogam com as considerações teóricas ligadas à teoria da consciência histórica e foram organizados por meio de categorias ligadas às três operações mentais da consciência histórica: a experiência, a interpretação e a orientação. Como resultado verificou-se, que operações mentais ligadas à identidade histórica desses jovens dão sentido aos nomes próprios e aos conceitos substantivos por eles mobilizados.

Biografia do Autor

Marcelo Fronza, Universidade Federal do Mato Grosso

É professor adjunto III em Prática do Ensino de História do quadro permanente do Departamento de História da Universidade Federal do Mato Grosso, campus Cuiabá. Atua nas disciplinas de Estágio Supervisionado de Ensino de História e Didática Para o Ensino de História. É professor permanente do Mestrado Profissional em Ensino de História/PROFHISTÓRIA/UFMT e do Programa de Pós-Graduação em História da mesma instituição na Linha de Pesquisa Ensino de História, Patrimônio e Subjetividades. Foi Professor de História da rede pública paranaense desde 1998. Foi técnico-pedagógico - Secretaria de Estado da Educação do Paraná até fevereiro de 2013. Graduado em Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal do Paraná em 2000. Possui mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2007). Desde fevereiro de 2012 tem Doutorado em Educação na Universidade Federal do Paraná. Tanto no mestrado como no doutorado foi orientado pela Prfª Drª Maria Auxiliadora Moreira dos Santos Schmidt. Foi bolsista CAPES/PDEE, Proc. nº 0379/11-5 no Kulturwissenschaftliches Institut Essen (Institute for Advanced Study in Humanities) University Alliance Metropolis Ruhr de maio a agosto de 2011, sob a orientação do Prof. Dr. Jörn Rüsen. Possuiu uma bolsa REUNI para realizar o Doutorado em Educação na UFPR até fevereiro de 2012. Tem experiência na área de História, com ênfase em no campo de pesquisa Educação Histórica, atuando principalmente nos seguintes temas: educação histórica, teoria e filosofia da história, formação continuada de professores de História, conceitos historiográficos, histórias em quadrinhos, narrativas visuais, aprendizagem histórica e conceitos históricos dos alunos. É investigador do Laboratório de Pesquisa em Educação Histórica (LAPEDUH-UFPR) ligado à linha de pesquisa Cultura, Escola e Ensino do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná; o LAPEDUH pertence ao Grupo de pesquisa Cultura, Saberes e Práticas escolares e Educação Histórica; também, é pesquisador do Grupo de pesquisa ETRÚRIA: Laboratórios de estudos de Memória, Patrimônio e Ensino de História; é coordenador do Grupo Pesquisador Educação Histórica: Consciência histórica e narrativas visuais (GPEDUH/UFMT). Estes três grupos estão vinculados ao CNPq. É coordenador do subprojeto História do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES) da UFMT. Ele é consultor internacional da Revista Íber (Espanha), membro internacional do Comitê Científico da Revista Educatio Siglo XXI, membro do Conselho Editorial da Revista de Educação Histórica (REDUH) e do Conselho Editorial da Revista Territórios & Fronteiras (T&F), e é membro pesquisador da Associação Ibero-americana de Pesquisadores em Educação Histórica (AIPEDH).

 

Referências

BARCA, I. O pensamento histórico dos jovens: idéias dos adolescentes acerca da
provisoriedade da explicação histórica. Braga: Universidade do Minho, 2000.
DINIZ, A.; EDER, A. A Independência do Brasil. São Paulo: Escala Editorial,
2008, p. 41-45.
FIGUEIREDO e MELLO, Pedro Américo de (1886-1888). Independência ou
Morte. Óleo sobre lienzo. São Paulo: Museu Paulista. Disponível em: http://
historiandonanet07.wordpress.com/2011/01/16/%E2%80%9Cindependenci
a-ou-morte%E2%80%9D-de-pedro-americo/ [consulta: 21 feb. 2014].
FRONZA, M. O significado das histórias em quadrinhos na Educação Histórica
dos jovens que estudam no Ensino Médio. Curitiba, 17 mai. 2007 (Dissertação
de Mestrado em Educação – UFPR).
FRONZA, M. A intersubjetividade e a verdade na aprendizagem histórica de
jovens estudantes a partir das histórias em quadrinhos. Curitiba: 2012 (Tese
de Doutorado em Educação – UFPR).
LEE, P. Understanding History. In: SEIXAS, Peter (ed.). Task se 1 to 3. Theorizing
historical consciousness. Toronto/Buffalo/London: University of Toronto Press,
2006.
MCCLOUD, S. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: Makron Books,
2005.
MCCULLAGH, C. B. Justifying historical descriptions. Cambridge: Cambridge
University Press, 1984.
PAIVA, M.l; SCHWARCZ, L. M. Da colônia ao império: um Brasil para inglês
ver e latifundiário nenhum botar defeito. 10 ed. São Paulo: Brasiliense, 1995,
p. 5-9.
RÜSEN, J. A razão histórica: Teoria da história: os fundamentos da ciência
histórica. Brasília: UnB, 2001.
RÜSEN, J. História viva: Teoria da História III: formas e funções do conhecimento
histórico. Brasília: UnB, 2007.RÜSEN, J. ¿Qué es la cultura histórica?: Reflexiones sobre una nueva manera
de abordar la historia. [Unpublished Spanish version of the German original text
in K. Füssmann, H.T. Grütter and J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination.
Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar and Wenen: Böhlau, pp. 3-26], 2009.
Acesso em 27 mai. 2011, disponível em: http://www. culturahistorica.es/ruesen/
cultura_historica.pdf
SALIBA, Elias Tomé. As imagens canônicas e o Ensino de História. In: SCHMIDT,
Maria auxiliadora; CAINELLI, Marlene Rosa. III Encontro Perspectivas do Ensino
de História. Curitiba: Aos Quatro Ventos, 1999.
SHUTER, P.; CHILD, J. Skills in History: Book 1: Changes. Londres: Heinemann
Educational Books, 1990.
SOBANSKI, A. de Q. et al. Ensinar e aprender História: histórias em quadrinhos
e canções. Curitiba: Editora Base, 2010.
WALSH, W. H. Introdução à filosofia da história. Rio de Janeiro: Zahar,
1978.
Publicado
2016-11-10