Profissionalidade Docente: Conteúdo E Estrutura Das Representações Sociais De Professores Iniciantes No Contexto Das Políticas De Formação Inicial

  • Romilda Teodora Ens Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Sueli Pereira Donato Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

Resumo

Este artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa de mestrado em educação concluída em 2013, que problematiza a profissionalidade do professor iniciante no contexto das políticas de formação inicial face aos desafios contextuais e tensões que envolvem a docência na escola contemporânea, com o objetivo de analisar o conteúdo e a estrutura das representações sociais evocadas por professores iniciantes do Ensino Fundamental sobre “profissionalidade docente”. O estudo toma como aporte teórico a Teoria das Representações Sociais e as políticas educacionais. Essa pesquisa de abordagem qualitativa tem como campo empírico 14 escolas da rede pública Municipal de Curitiba/PR, de 7 dos 9 núcleos Regionais de Educação, envolvendo 42 professores iniciantes dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Os dados foram coletados por meio da técnica de Associação Livre de Palavras, utilizando a expressão indutora “profissionalidade docente” na abordagem estrutural. A análise prototípica foi referência para análise dos dados, os quais foram processados pelo software EVOC (versão 2000) e que gerou um quadro de quatro casas contendo a frequência e a ordem média das evocações (OME). As palavras “compromisso”, “formação continuada”, “pesquisa”, “responsabilidade” e “ética” emergem como situações que garantem a profissionalidade docente nesta etapa inicial da carreira. Da análise das evocações às políticas de formação de professores, infere-se o predomínio de uma aparente limitação na formação inicial quanto a viabilizar uma profissionalidade condizente com as reais necessidades do exercício da profissão no espaço escolar e propiciar o processo de inserção profissional.

Biografia do Autor

Romilda Teodora Ens, Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (1971), graduação em Direito pela Universidade Federal do Paraná (1974), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1981) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Atualmente, é professora titular do Programa de Pós-Graduação em Educação Stricto Sensu da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e pesquisadora associada da Fundação Carlos Chagas (FCC), participando do CIERS-Ed (Centro Internacional de Estudos em Representações Sociais e Subjetividade Educação). Lidera o grupo de pesquisa Políticas, Formação de Professores, Trabalho Docente e Representações Sociais na PUCPR, que integra a Cátedra UNESCO sobre Profissionalização Docente, coordenada pelo CIERS-ed/FCC. Atua e desenvolve pesquisas em políticas educacionais, formação de professores, profissionalização docente e representações sociais na PUCPR e como membro do CIERS-ed, da Fundação Carlos Chagas. Ministra as disciplinas: Políticas docentes e trabalho de professores; Educação e Representações Sociais.
Sueli Pereira Donato, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2014-2017), Bolsista CAPES/PUCPR. Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2013). Bolsista CAPES. Graduada em Pedagogia pela PUCPR (2010). Bolsista do Programa de Iniciação Cientifica - PIBIC/CNPq, em pesquisas desenvolvidas em conjunto ao CIERS-ed/FCC ? PUCPR, 2009 e 2010. Premiada em 2010 na XVIII SEMIC ? Seminário de Iniciação Científica, PUCPR com participação na JNIC da 63° Reunião Anual da SBPC (Goiânia-GO), com o artigo intitulado Políticas de formação de professores e representações do professor formador sobre o trabalho docente. Atualmente é Professora da Escola de Educação e Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR. Membro do Grupo de Pesquisa: Políticas, Formação do Professor e Representações Sociais (POFORS), atuando na linha de pesquisa sobre Políticas de Formação de Professores, Formação Inicial, Profissionalização, Profissionalidade Docente e Representações Sociais.

Referências

ABRIC, J. C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA,
A. S. P.; OLIVEIRA, D. C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação
social. Goiânia: AB, 2000. p. 27-38.
ABRIC, J.-C. Las represetaciones sociales: aspectos teóricos. In: ABRIC, JeanClaude
(Org.). Prácticas sociales y representaciones. Tradução de José Dacosta
Chevrel y Fátima Flores Palacios. México: Ediciones Coyoacán; Ambassade de
France- ccc IFAL, 2001. p. 11-32.
AMBROSETTI, N. B.; ALMEIDA, P. C. A. de. Profissionalidade docente: uma
análise a partir das relações constituintes entre os professores e a escola. RBEP
– Revista Brasileira Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 90, n. 226, p. 592-608,
set./dez. 2009. Disponível em: viewFile/1509/1281>. Acesso em: 10/02/ 2014.
ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações
à educação. Revista Múltiplas Leituras, Brasília, v. 1, p.18-43, jan/jun. 2008.
ALVES-MAZZOTTI, A. J.; MAIA, H. Formação e trabalho docente:
representações de professores de curso normal médio. In: SOUSA, C. P.;
VILLAS BÔAS, L. P. S.; ENS, R. T. (Org.). Representações sociais: políticas educacionais, justiça social e trabalho docente. Curitiba: Champagnat; São
Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2012. p. 67-92.
ANDRÉ, M.; ALMEIDA, P. C. A. de. A profissionalidade do professor formador
sob os impactos das reformas e mudanças do mundo contemporâneo. In:
ENS, R. T.; BEHRENS, M. A. (Org.). Formação do professor: profissionalidade,
pesquisa e cultura escolar. Curitiba: Champagnat, 2010. p. 76-95.
ANDRÉ, M. E. D. A.; HOBOLD, M. de S. Representações sociais de estudantes de
licenciatura sobre profissão e profissionalidade docente. Revista FAEEBA: Educação
e Contemporaneidade, Salvador, v. 18, n. 32, p. 83-93, jul./dez. 2009. Disponível
em: . Acesso em: 02/09/2013.
BRZEZINSKI, I. Políticas contemporâneas de formação de professores para os anos
iniciais do ensino fundamental. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 105, p.
1139-1166, set./dez. 2008. Disponível em: 73302008000400010&script=sci_arttext>. Acesso em: 10/02/2014.
BALL, S. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação.
Currículo Sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-16, dez. 2001.. Disponível em: www.currículosemfronteiras.org.>. Acesso em: 09/02/2013.
BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica.
Resolução n° 4, de 13 de julho de 2010. Define as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação Básica. Diário oficial da República Federativa do
Brasil, Brasília, DF, 14 jul. 2010, Seção 1, p. 824, 2010. Disponível em: < http://
portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2013.
______. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/
CP n.1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para
o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União,
Brasília, DF, 16 maio 2006, Seção 1, p. 11. Disponível em: gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2012.
DONATO, S. P. Políticas de formação inicial e profissionalidade docente: representações
sociais de professores iniciantes. 177f. Curitiba, PR. Dissertação (Mestrado em
Educação). Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC. Curitiba/PR, 2013.
ENS, R. T. Significados da pesquisa segundo alunos e professores de um curso
de Pedagogia. 138f. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação)
– Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2006.
______. Pesquisa na formação e inserção profissional de futuros professores
segundo alunos de graduação e professores formadores. In: BEHRENS, M. A.;
ENS, R. T.; VOSGERAU, D. S. R. (Org.). Discutindo a educação na dimensão
da práxis. Curitiba, Champagnat, 2007. p. 119-134.
ENS, R. T. et al. Políticas educacionais, regulação educativa e trabalho docente:
representações sociais de professores iniciantes. Revista Educação e Cultura
Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 10, n. 21, p. 150-177, nov./dez. 2013.
ENS, R. T.; GISI, M. L. Políticas educacionais no brasil e a formação de
professores. In: ENS, R. T.; BEHRENS, M. A. (Org.). Políticas de formação do
professor: caminhos e perspectivas. Curitiba: Champagnat, 2011. p. 25-49.FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.
Ed. Especial. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998. (Coleção Leitura).
FREITAS, H. C. L. de. A (nova) política de formação de professores: A prioridade
postergada. Educação & Sociedade, Campinas-SP, v. 28, n. 100, p. 1203-
1230, out. 2007.
GATTI, B. A.; BARRETO, E. S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no
Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.
GATTI, B. A. A questão docente: formação, profissionalização, carreira e decisão
política. In: GARCIA, W. E. (Org.). Perfis da educação: textos selecionados de
Bernadete A. Gatti. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 205-220.
GENTILI, P. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma
educacional do neoliberalismo no contexto da globalização. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1998.
GIMENO SACRISTÁN, J. Consciência e acção sobre a prática como libertação
profissional dos professores. In: NÒVOA, A. (Org.). Profissão professor.
Portugal: Porto, 1995. p. 63-92.
HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores e seu
desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores.
Porto, Pt: Porto editora, 1992. p. 31-62.
IMBERNÓN, F. M. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança
e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2002.
______. Formação permanente do professorado: novas tendências. Tradução
de Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2010.
JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET,
D. (Org.). As representações sociais. Tradução de Lilian Ulup. Rio de Janeiro:
Ed. EDUERJ, 2001. p. 17- 44.
LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissionalização e da profissionalidade
docentes. Revista Educação e Sociedade, Campinas-SP, v. 25, n. 89, p. 1159-
1180, set./dez. 2004.
MARCELO GARCIA, C. Formação de Professores: para uma mudança educativa.
Coleção Ciências da Educação: século XXI. Portugal: Porto Editora, 1999.
MORGADO, J. C. Currículo e profissionalidade docente. Porto, PT: Porto
Editora, 2005.
MORGADO, J. C. Identidade e profissionalidade docente: sentidos e (im)
possibilidades. Revista Ensaio: aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, p.
793-812, out./dez. 2011.
MOSCOVICI, S. La psychanalyse, son image, son public. Paris: PUF, 1961.
______. A representação social da psicanálise. Tradução de Álvaro Cabral.
Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.
______. Prefacio. In: JOVCHELOCITCH, S.; GUARESCHI, P. (Org.). Textos em
representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 7-16.NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.
______. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa, Portugal: EDUCA,
2009. p. 49-68.
______. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.
OLIVEIRA, J. F. A função social da educação e da escola pública: tensões,
desafios e perspectivas. In: FERREIRA, E.; OLIVEIRA, D. A. Crise da escola e
políticas educativas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 237-252.
OLIVEIRA, D. C. et al. Análise das evocações livres: uma técnica de análise
estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P. et al. (Org.).
Perspectivas teórico: metodológicas em representações sociais. João Pessoa:
UFPB Editora Universitária, 2005. p. 573-603.
PAPI, S. de O. G.; MARTINS, P. L. O. As pesquisas sobre professores iniciantes:
algumas aproximações. Educação em Revista, Belo Horizonte-MG, v. 26, n.
3, p. 39-56, dez. 2010.
PEREIRA, F. J. C. Análise de dados qualitativos aplicados às representações sociais. In:
MOREIRA, A. S. P. et al. (Org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações
sociais. João Pessoa: UFPB Editora Universitária, 2005. p. 25-60.
PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S.
G.; GHEDIN, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um
conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 17-52.
SÁ, C. P. de. Núcleo central das representações sociais. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1996.
SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do
problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40,
p. 143-155, jan./abr. 2009.
SILVA, M. A. Qualidade social da educação básica: algumas aproximações.
Cad. Cedes, n. 29, v. 78, p. 216-226, 2009.
VAILLANT, D.; MARCELO, C. Ensinando a ensinar: as quatro etapas de uma
aprendizagem. Curitiba, PR: Ed. UTFPR, 2012.
WAGNER, W. Sociogênese e características das representações sociais. In:
MOREIRA, A. S. P.; OLIVEIRA, D. C. de. (Org.). Estudos interdisciplinares de
representação social. 2. ed. Goiânia: AB, 2000. p. 3-25.
WACHELKE, J.; WOLTER, R. Critérios de construção e relato da análise
prototípica para representações sociais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, BrasíliaDF,
v.27, n.4, p. 521-526, out./dez. 2011.
Publicado
2016-11-10