Licenciatura em Educação do Campo: das lutas dos movimentos sociais à constituição do processo formativo

  • Valdirene Manduca de Moraes Professora colaboradora da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná/UNICENTRO.
  • Maria Antônia de Souza Professora da Universidade Estadual de Ponta Grossa (1996 ...) e da Universidade Tuiuti do Paraná (2002 ...).

Resumo

Este trabalho objetiva caracterizar a pauta do Movimento Nacional de Educação do Campo por formação de educadores, com ênfase na origem e nos desafios da Licenciatura em Educação do Campo - LEdoC. É fruto de pesquisa documental realizada no período de 1997 a 2017. Foram analisados documentos dos encontros nacionais e estaduais de Educação do Campo, editais do PROCAMPO, relatórios do Fórum Nacional da Educação do Campo, da Comissão Nacional de Educação do Campo e sínteses de seminários nacionais e estaduais da LEdoC. A perspectiva teórica vincula-se ao debate sobre movimentos sociais, formação de educadores e Educação do Campo. Coloca em evidência as categorias contradição, mediação e totalidade. Dentre os resultados destacam-se: a) ampliação das possibilidades de formação de professores em perspectiva crítica no que tange ao olhar sobre campo, sociedade, educação e projeto societário. b) existência de uma força social conservadora, presente na sociedade, nos governos e, também, na universidade, contrária aos processos formativos da classe trabalhadora. c) uma força social oriunda de coletivos de trabalhadores que lutam para manter processos formativos em perspectiva de emancipação humana. d) um movimento contraditório que propicia a origem de programas governamentais com vínculos com a classe trabalhadora e que, posteriormente, dificulta a continuidade da formação e da práxis.

Publicado
2018-08-31