Pensando Relações entre Educação Popular e Vulnerabilidade Educacional

Walace Rodrigues

Resumo


Este escrito busca pensar sobre a educação popular freireana enquanto possibilidade para uma vida mais digna e com mais oportunidades. Neste sentido, podemos notar que há pelo Brasil afora (nas grandes metrópoles e no interior) bolsões de vulnerabilidades, entre eles a vulnerabilidade educacional. Os resultados deste texto nos mostram que há uma necessidade educação popular participativa e democrática nestas áreas vulneráveis, além de oferta educacional condizente com o número de estudantes, principalmente na educação infantil.

Palavras-chave: Ensino. Educação Popular. Vulnerabilidade Educacional.


Texto completo:

PDF

Referências


BESSA, Valéria da Hora. Teorias da Aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil, 2008.

BRASIL. Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros. COSTA, Marco Aurélio; MARGUTI, Bárbara Oliveira (editores).Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília: IPEA, 2015.

CABRAL, Antônio; SILVA, Claudia Luciene de Melo; SILVA, Lamara Fabia

Lucena. Teoria do capital humano, educação, desenvolvimento econômico e suas implicações na formação de professores. In: Revista Principia. IFPB, João Pessoa, Dezembro, p. 35-41, 2016.

CENPEC. Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação

Comunitária. Educação em territórios de alta vulnerabilidade social na

metrópole. São Paulo, 2011.

ÉRNICA, Maurício; BATISTA, Antônio Augusto Gomes. A escola, a metrópole e a vizinhança vulnerável. In: Cadernos de Pesquisa. V.42, n.146, p.640-666, maio/ago. 2012.

FREIRE, Paulo. Educación y participación cumintária. In: Nuevas perspectivas críticas en educación. Paidós, Barcelona, 1994.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que fazer. Teoria e prática em educação popular. 4a ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

FREIRE, Paulo. Papel da educação na humanização. In: Revista da FAEEBA. Faculdade de Educação do Estado da Bahia. Ano 6 N. 7, Edição de Homenagem a Paulo Freire. Salvador-BA, ISSN 0104-7043 – UNEB – p. 9-32, Jan/Jun 1997.

LOCATELLI, Cleomar. Política de formação docente no Brasil: o direito à

educação de qualidade em contextos culturalmente diversos. In: Revista

Entreletras. Araguaína/TO, v. 7, n. 2, ISSN 2179-3948 – online, p. 232-254, jul./dez. 2016.

RÁDIO VATICANA. Brasil ainda tem 13 milhões de analfabetos. Reportagem de 08/09/2016. Acesso em 18/02/2017. Disponível em < http://br.radiovaticana.va/news/2016/09/08/dia_mundial_da_alfabetiza%C3%A7%C3%A3o_analfabetismo_no_brasil_10/1256376#>RODRIGUES, Walace. Reflexões sobre o III Fórum de Licenciaturas da UFT: o currículo como campo de batalhas ideológicas. In: Revista Entreletras. Araguaína/TO, v. 7, n. 2, ISSN 2179-3948 – online, p. 221-231, jul./dez. 2016.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. In: Revista Brasileira de Educação. Vol. 14, nr. 40, p. 143-155,2 jan./abr. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL