Empatia Pedagógica como Possibilidade Metodológica para o Trabalho com a Temporalidade em Sala de Aula

Anilton Diogo Santos, Marlene Rosa Cainelli

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão inicial sobre o conceito de “empatia pedagógica” proposto por nós como um modelo de explicação sobre a metodologia do ensino de conteúdos históricos durante as aulas de História. Partimos de Cainelli (2008) e de sua concepção de atrativo pedagógico, na qual, ela aponta a existência durante as aulas de História de uma espécie de desconstrução dos conteúdos históricos a fim de facilitar o acesso dos alunos, que estão no presente, a esse conteúdo. Aliamos e relacionamos a proposta de Cainelli ao conceito de empatia proposto por Lee (2003; 2006) e o processo de construção de sentido advogado por Rüsen (2015) para aferir que, muitas vezes, a dinâmica da aprendizagem histórica passa pela utilização por parte do(a) professor(a) do conteúdo histórico como fomentador de um processo empático, transformando o próprio conteúdo em uma possibilidade pedagógica, sendo essa prática metodológica de uso do conteúdo como provocador de um espaço de experiência condicionante para aprendizagem, o que chamamos de “empatia pedagógica”. Para chegar a essa conclusão apresentamos eventos de aulas, obtidos por nós, através do uso do caderno de campo.

Palavras-chave: Empatia Pedagógica. Ensino de História. Educação Histórica.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Ronaldo Cardoso. Aprender história com sentido para a vida: Consciência histórica em estudantes brasileiros e portugueses. São Paulo, SP: 2011.

ANDRADE, Breno et.al. Empatia Histórica em sala de aula: Relato e análise de uma prática complementar de se ensinar/aprender a História. In: História & Ensino, Londrina, v. 2, n. 17, p. 257-282, jul./dez. 2011.

BARCA, Isabel; GAGO, Marília. Aprender a pensar em História: um estudo com alunos do 6º ano de escolaridade. in: Revista portuguesa de educação, vol.14, p. 239-352, Guimarães, PT: Universidade no Minho, 2001.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: Fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2009.

CAINELLI, Marlene Rosa. Os Saberes docentes de futuros professores de História: a especificidade do conceito de tempo. Currículos sem fronteira, v.08, n.2, p. 134-147, 2008.

CAINELLI, Marlene Rosa; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Percursos das pesquisas em educação histórica: Brasil e Portugal. In: CAINELLI; SCHMIDT. Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijuí: Ed. Ijuí, 2011.

COOPER, Hilary. O ensino de história na educação infantil e anos iniciais: um guia de professores. Curitiba: Base Editorial, 2012.

DUARTE, Tereza. A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica). Lisboa, PT: CIES e-Working Papers ISSN 1647-0893, 2009.

ESTRELA, Albano. Teoria e prática de observação de classes: Uma estratégia de formação de professores. Porto: Editora Porto, 1994.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista brasileira de História da educação. Campinas, SP: 2001.

HOBSBAWN, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das letras, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro do passado. Rio de Janeiro, Rj: Contraponto, 2006.

LEE, Peter. Por que aprender História. Educar em Revista. Curitiba, PR: UFPR, 2011.

______. “Nós fabricamos carros e eles tinham que andar a pé.” Compreensão da vida no passado. Actas das segundas Jornadas Internacionais da Educação Histórica. Educação Histórica e Museus. Braga: Universidade do Ninho, 2003.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Projeto História: Trabalhos da Memória. São Paulo: PUC, n. 17, 1989.

MIRANDA, Sonia Regina. Sob o signo da memória. São Paulo: Unesp, 2007.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de história: Entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.

OAKESHOTT, MICHAEL. Sobre a história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks/Liberty Fund. 2003.

ROCHA, Helenice. Aula de história: Que bagagem levar? In: ROCHA; MAGALHÃES; RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2010.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba, PR: Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Concepções de aprendizagem histórica em propostas curriculares brasileiras. In: História Revista, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 203-213, jan. /jun. 2009

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. GARCIA, Tânia Maria Braga. Pesquisas em Educação Histórica: algumas experiências. Revista Educar. Curitiba, PR: UFPR, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 CADERNOS DE PESQUISA: PENSAMENTO EDUCACIONAL