CHAMADA DE ARTIGOS REVISTA INTERIN vol. 26, n° 2 (jul/dez, 2021)
DOSSIÊ: JORNALISMO AUDIOVISUAL: (IN)FORMAÇÃO EM TELAS

Editoras:
Iluska Coutinho (Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF/BR); Ariane Pereira (Universidade Estadual do Centro-Oeste/ UNICENTRO/BR); Mônica Fort (Universidade Tuiuti do Paraná – UTP/BR)

Informações:
A data limite para o envio do artigo completo (de 30 mil a 40 mil caracteres) é 30 de abril de 2021. Os textos podem ser submetidos em Português, Francês, Inglês ou Espanhol. As diretrizes estão disponíveis em condições para submissão.

Jornalismo audiovisual:
(In)formação em telas Presentes há sete décadas no Brasil, as telas de televisão são, no país, a principal forma de acesso à informação cotidiana, conforme dados da última Pesquisa Brasileira de Mídia (PBM 2016). Por meio das telas, e especialmente nos telejornais, os telespectadores presenciaram a história do seu tempo e também assistiram, muitas vezes sem se dar conta, mudanças nos modos de se construir os relatos sobre o mundo nas narrativas jornalísticas audiovisuais. Alvos de críticas de diferentes campos sociais, incluindo o jornalístico, os noticiários televisivos nos anos recentes têm narrado também o seu lugar como espaço de conhecimento, comprometido com a verdade e com a (in)formação de cidadãos. No país, os tensionamentos entre os diferentes poderes são acompanhados e experimentados também especialmente por meio do jornalismo que é acessado por meio de telas, o telejornalismo. As telas e diferentes dispositivos ocupam papel cada vez mais relevante nos fazeres profissionais do jornalismo, que incluem novos atores, agentes e modos de fazer. Forma de registro e acesso ao real, as telas do jornalismo audiovisual dão a ver e ouvir a (re)constituição da confiança, com elevação da audiência e dos sentidos de credibilidade atribuídos à TV e vídeo como forma de registro, e do próprio jornalismo. O dossiê acolhe, assim, textos que abordem as experiências do telejornalismo na contemporaneidade, e artigos que ofereçam reflexões teóricas, propositivas ou ainda estudos empíricos que abordem as transformações experimentadas no jornalismo audiovisual, com foco no seu presente e nos desafios futuro, incluindo abordagens sobre processos de produção, consumo de notícias, e os sentidos nas telas, e seu valor de verdade.