O não dito sobre os requisitos de seleção de pessoal e as empresas de telefonia móvel: flexibilização e intermediação de empregos

  • Marcia Carvalho Psicóloga com atuação na área de Recursos Humanos.
  • Silva Straliotto Psicóloga com atuação na área de Recursos Humanos.
  • Jorge Alberto Rosa Ribeiro Professor Associado da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Resumo

Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo exploratório que teve como objetivo geral analisar o não dito sobre os requisitos de seleção de pessoal das empresas de telefonia móvel, através de vagas encaminhadas para empresas intermediadoras de emprego. A questão que norteou o estudo está centrada no não dito sobre os requisitos de seleção de pessoal utilizados pelas empresas de telefonia móvel em tempos de flexibilidade e competências para expansão capitalista. O estudo constata que as vagas encaminhadas para as empresas intermediadoras são predominantemente operacionais e temporárias e que os processos seletivos ocorrem mediante pressão por
cumprimento de prazos e metas impostas pelas operadoras. A pesquisa revela que os requisitos de seleção de pessoal vão além dos descritos e anunciados socialmente, identificando 12 elementos que não constam no perfil formal das empresas, mas que são considerados na seleção. Com
isso, questiona a negação da subjetividade e discurso de imparcialidade e neutralidade nos processos seletivos sustentados por correntes tradicionais da Administração e da Psicologia.


Palavras-chave: Flexibilidade; Intermediação de Empregos; Competências;
Requisitos de seleção; Seleção de pessoal.

Biografia do Autor

Marcia Carvalho, Psicóloga com atuação na área de Recursos Humanos.

Psicóloga com atuação na área de Recursos Humanos. Mestre em Educação pela Ufrgs e MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela FGV. Ufrgs. 

Silva Straliotto, Psicóloga com atuação na área de Recursos Humanos.

Mestre em Educação pela Ufrgs e
MBA em Gestão Estratégica de Pessoas pela FGV. Ufrgs.

Jorge Alberto Rosa Ribeiro, Professor Associado da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Historiador e Sociólogo, Doutor em Sociologia da Educação, Pesquisador na Linha de Pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação – TRAMSE – do Programa de Pós- Graduação em Educação.

Referências

ALALUF, M. Le temps du labeur: Formation, emploi et qualification en sociologie du travail. Institute de Sociologie, sociologie du travail et des organisations. Editions de Luniversité de Bruxelles, 1986 – tradução livre de Alvaro Fernandes Ribeiro Neto (1994).

ALMEIDA, M. L. Comércio, perfil, reestruturação e tendências. Educação e Sociedade, Campinas, v. 18, n. 61, p. 139-158, dez. 1997.

ALMEIDA, M. L.; LIEDKE, E. R. Inovação tecnológica, mercado de trabalho e qualificação. In: LEITE, M. P.; NEVES, M. A. (Org.). Trabalho, qualificação e formação profissional. São Paulo; Rio de Janeiro: Alast, 1998.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.
BARDIN, L. Analise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2008.

BERTRAND, O. Educação e trabalho. In: DELORS, J. A educação para o século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2005.

BOHLANDER, G.; SNELL, S.; SHERMANN, A. Administração de recursos humanos. São Paulo: Pioneira, 2005.

CÂMARA, S.G. Empregabilidade do jovem portoalegrense: Um levantamento do perfil psicossocial esperado pelas empresas da indústria, comércio e serviços. 189 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) Instituto de Psicologia. Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

DUBAR, C. A sociologia do trabalho frente a qualificação e a competência. Educação e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 64, p. 87-103, set. 1998.

ENGUITA, M. Educar em tempos incertos. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004.

FREYSSENET, M. Es posible una definición única de la cualificación. Sociología del Trabajo, n. 2, oct.-enero, p. 53-64, 1980

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. 3 ed. São Paulo: Cortez, 1989.

GUIMARÃES, N. A. À procura de trabalho: instituições do mercado e redes. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009.

_____. Caminhos cruzados: estratégias de empresas e trajetórias de trabalhadores. São Paulo: USP, Curso de Pós-Graduação em Sociologia: Ed. 34, 2004.

_____. Empresariando o trabalho: os agentes econômicos da intermediação de empregos, esses ilustres desconhecidos. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 51, n. 2, p. 275-311, 2008.

GUIMARÃES, S. As telecomunicações no Brasil após a privatização. In: PICCININI, V. C. et al. (Org.). O mosaico do trabalho na sociedade contemporânea: persistências e inovações. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

_____. S. Telecomunicações: mudanças nas mudanças subcontratação e sindicatos. V Congresso Latinoamericano de Sociología del Trabajo. Montevideo, 2007.

INSTITUTO FECOMÉRCIO DE PESQUISA. Contratação de temporários: último trimestre de 2008. Relatório de Pesquisa, Porto Alegre, out. 2008.

LARANJEIRA, S.M.G. Reestruturação em bancos e telecomunicações no Brasil: excluídos e beneficiados. Capitulo Trabajo, genero y ciudadanía en los países del Cono Sur. AGUIARRE, R; BATTHYANY (Coor). Montevideu Uruguai. 2001.

_____. A reestruturação das telecomunicações e os sindicatos. Revista Brasileirade Ciências Sociais, v. 18, n. 52, pg. 81-106, jun.2003.

MARRE, J. L. História de vida e método biográfico. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 89-141, jan./jul. 1991.

MOCELIN, D. G. Qualidade do emprego em mudança de contexto tecnológica: o caso das operadoras de telefonia móvel celular. 211 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Instituto de
Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

PILLA, B. S.; NAKAYAMA, M. K. A relação escolaridade-empregabilidade e o seu impacto na desestabilização dos estáveis. Análise, Porto Alegre, v. 15, n.1, p. 7-26, 1º semestre 2004.

POCHMANN, M. A década dos mitos. São Paulo: Contexto, 2001.

SCHOSSLER, T; GRASSI, V.; JACQUES, M.G.C. Experiências e vivências de psicólogas organizacionais e do trabalho em seleção de pessoal. Revista psicologia: organizações e trabalho, Florianópolis, v.5, n.2, p.141-166, jan./jun.2005.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.
Publicado
2011-11-15