Formação humana: uma pesquisa sobre preconceito, identidade e respeito

  • Naura Syria Carapeto Ferreira Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná
  • Fausto dos Santos Amaral Filho Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná
  • Ieda Viana Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná

Resumo

Este trabalho objetiva expor questões relativas à formação humana e à superação dos preconceitos e da exclusão. Nesse sentido, discute como a relação entre formação moral e identidade tem gerado um intenso debate que perpassa diferentes áreas do saber, tais como a filosofia, a psicologia,
a pedagogia, a sociologia, antropologia e a ciência política. A investigação do tema, numa abordagem multirreferencial, reconhece a complexidade da formação humana e multiplica as perspectivas de sua investigação. Do ponto de vista epistemológico, constitui-se em um grande desafio, pois a
construção discursiva das fronteiras entre os saberes embaralha também as linhas que separam os campos do saber. Discutem-se alguns conceitos que se situam nas fronteiras discursivas com o objetivo de mostrar alguns
enfoques da relação entre a formação moral e identidade, tendo como contrapontos: autonomia e heteronomia, o eu e o outro; autoafirmação e reconhecimento; identidade e diferença; subjetividade, objetividade e intersubjetividade; razão e cultura; bom e justo. O eixo analítico da discussão
é o da teoria da justiça. Discute, ainda, como ressignificar e transformar a formação da infância e dos educadores, a partir da reflexão sobre a violência do mundo hodierno que destrói mentes e corações de toda a humanidade. Tal exigência requer o compromisso de educadores, pais, políticos e da
gestão da educação, que abrange a gestão da vida humana. Refletir sobre os conteúdos científicos, técnicos, éticos e políticos que são trabalhados na formação humana, no sentido de superar, políticas educacionais que se alicerçam em preconceitos, estereótipos e comportamentos espontaneistas, assistencialistas ou adultocêntricos. Visa garantir a formação de cidadãos cônscios e respeitáveis, mas ajustados emocionalmente com um forte caráter e, principalmente, o direito inalienável de cada criança ser feliz.
Discute uma educação que respeite seus direitos, considere suas vozes, suas formas de expressão, os espaços do brincar, valorizando sua curiosidade sobre o mundo. Tem como objetivos: a) identificar novas modalidades de preconceito e/ou discriminação face às mudanças da realidade; b) estimular o debate junto à comunidade acadêmica do caráter preconceituoso de nossas relações, negadas ou disfarçadas pelo discurso; c) discutir possíveis reações da comunidade universitária contra os alunos, voltadas para a produção de conhecimento novo socialmente referenciado; d) enriquecer o material didático sobre preconceito.

Palavras-chave: Identidade; Preconceito; Gestão da educação; Respeito;
Formação humana.

Biografia do Autor

Naura Syria Carapeto Ferreira, Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Pelotas/RS (1967), mestrado em Educação - Área de Concentração Currículo pela Universidade Federal do Paraná (1980) e doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1992). Atualmente é professor (aposentada) da Universidade Federal do Paraná, professor titular da Universidade Tuiuti do Paraná, sócia da Associação Nacional de Política e Administração da Educação - ANPAE, sócia fundadora da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Educação - ANPED, sócia fundadora da Sociedade Brasileira de História da Educação - SBHE, sócia fundadora do Centro de Estudos Educação e Sociedade, sócia da ANPAE ? Associação Nacional de Política e Administração da Educação, sócia da Associação de Professores da Universidade Federal do Paraná/SIND-ANDES, sócia da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação ? SPCE, sócia da AFIRSE - Portugal ? Association Francophone Internationale de Recherche Scientifique en. Education. Fundadora da Seção Estadual da ANPAE/ Paraná da qual foi diretora por 4 anos. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas públicas e gestão da educação atuando principalmente nos seguintes temas: gestão democrática da educação, políticas de formação de profissionais da educação, cidadania, formação humana, políticas públicas e administração da educação.
Fausto dos Santos Amaral Filho, Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná
Possui graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1996), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999) e doutorado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é professor-pesquisador do PPGEd da Universidade Tuiuti do Paraná, atuando principalmente nos seguintes temas: Hermenêutica e Educação; crítica da modernidade e Educação; Epistemologia da Educação.
Ieda Viana, Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação/Universidade Tuiuti do Paraná

Possui doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2006) e mestrado em História Social pela Universidade Federal do Paraná (1995). Atualmente atua como professor e pesquisador no Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e nos cursos de graduação em História e Pedagogia da Universidade Tuiuti do Paraná. Tem experiência na área de Educação e História, com ênfase em História e historiografia da educação; Fundamentos de prática pedagógica; Memória e gestão documental; Instituições, intelectuais e cultura escolar; Ensino de História; Arquivos e fontes escolares.

 

Referências

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo II – Imperialismo , a expansão do poder. Rio de Janeiro, Documentário, 1976.

ARENDT, Hannah. As origens do totalitarismo III – Totalitarismo, o paroxismo do poder, Rio de Janeiro, documentário, 1979.

ARENDT, Hannah. Um relato sobre a banalidade do mal - Eichman em Jerusalém. São Paulo: Diagrama &Texto, 1983.
ARENDT, Hannah. O que é Política: fragmentos das obras póstumas compilados por Úrsula Ludz. Rio de Janeiro: Bertrand , 1999.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol I. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1994.
HELLER, Agnes. Além da justiça. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

RORTY, Richard. Contingency, irony and solidarity. Cambridge; Cambridge University Press, 1989.

WEBER, Max. La Sociologia de la Religión. Madrid: Paidóz, 1993.
Publicado
2011-11-15