Trabalho, Educação e Movimentos Sociais: uma Análise a Partir da Luta por uma Educação do Campo no Brasil

  • Alex Verdério Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
  • Lilian Faria Porto Borges Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE.

Resumo

O artigo apresenta uma breve reflexão sobre a relação entre Trabalho, Educação e Movimentos Sociais. Dada a materialidade da luta pela terra e da luta na terra no Brasil contemporâneo, tem-se como referencial a prática educativa desenvolvida no interior dos Movimentos Sociais Populares do Campo. A luta organizada dos povos do campo tem se concretizado como luta pelo direito ao trabalho, que busca a garantia da existência humana em todas as suas dimensões entre elas, a educação. Assim, aponta para tensões e possibilidades que, no contexto de luta contra a exploração produzida pelo sistema capitalista, indica a necessidade de lutar pela formação omnilateral do ser humano.

Biografia do Autor

Alex Verdério, Universidade Estadual do Oeste do Paraná.
Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Brasil, membro do Setor de Educação do MST , mestre em Educação.
Lilian Faria Porto Borges, Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE.
Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, doutora em educação.

Referências

ANTUNES, R. O Caracol e sua Concha: Ensaios sobre a nova morfologia
do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.
ARROYO, M. G.. Trabalho – Educação e teoria Pedagógica. In: FRIGOTTO, G. (org.). Educação e crise no trabalho: Perspectivas de final de século. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 82-98.
CARDALT, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão Popular, 2004.
FERNANDES, B. M. Educação do Campo e Território Camponês no Brasil. In: SANTOS, Clarice Aparecida dos (Org.). Por uma Educação do Campo: Campo – políticas públicas – educação. Brasília: INCRA; MDA, 2008. p. 39-66.
______. Questão agrária, pesquisa e MST. São Paulo: Cortez, 2001.
MARX, K. Contribuição à critica da economia política. São Paulo: Martins
Fontes, 1977.
______. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1964.
MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (1992). Como fazer a Escola que queremos? Caderno de Educação nº 1. São Paulo: MST.
______. Princípios da educação no MST. Caderno de Educação nº 08. – São Paulo: MST, 1996.
QUINDANEIRO, T.; BARBOSA; M. L. de O.; OLIVEIRA, M. G. M. de. Um
Toque de Clássicos: Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte, MG: Editora
UFMG, 2002.
SAVIANI, D. Trabalho e Educação: Fundamentos ontológicos e históricos.
Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-180, 2007.
SOUZA, M. A. de. Educação e Cooperação nos Assentamentos do MST. Ponta Grossa: UEPG, 2006.
VENDRAMINI, C. R. A Educação do campo na perspectiva do materialismo
histórico dialético. In: MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Educação do
campo e pesquisa II: questões para reflexão. Brasília: MDA/MEC, 2010. p. 127- 135.
______. Educação em movimento na luta pela terra. Florianópolis: NUP/CED, 2002.