Paulo Freire: Corpos Interditados e Negados na Prática Pedagógica

  • Furlan Brighente Doutoranda em Educação – PUCPR

Resumo

Este artigo contém dados parciais de uma pesquisa de mestrado em Educação que foi concluída no ano de 2011, na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). O objetivo fundamental foi verificar quais seriam as implicações da docilização e da interdição do corpo sobre a construção de uma pedagogia libertadora e sobre a educação do educador. Para alcançar esse objetivo, realizamos uma pesquisa bibliográfica e utilizamos como metodologia de pesquisa a hermenêutica. A análise interpretativa dos dados em questão se baseia nos argumentos teóricos de Paulo Freire, que aborda o fenômeno da violência da interdição do corpo na sociedade brasileira. Para tanto, colocamos em relevo a categoria de interdição do corpo, do autor, ao contemplar os conceitos de mutismo, domesticação, educação bancária, educação opressora, na medida em que o indivíduo deixa de ser homem-sujeito para ser homem-objeto. Portanto, essa pesquisa conduz à conclusão que a interdição dos corpos que começou com os jesuítas, deixou uma herança que repercute até os dias de hoje no interior das escolas.

Biografia do Autor

Furlan Brighente, Doutoranda em Educação – PUCPR
Graduada em Psicologia – UNESC; Mestre e Doutoranda em Educação – PUCPR; Curitiba – PR

Referências

ALMEIDA, Danilo Di Manno de. Corpo e pedagogia em Paulo Freire: uma
conversa inicial com Moacir Gadotti. Revista educação e linguagem, São Paulo, v. 11, n. 17, p. 105-116, jan./jun. 2008.
Dowbor, Fátima Freire. Quem educa marca o corpo do outro. Organizadoras: Sonia Lúcia de Carválho, Deise Aparecida Luppi. São Paulo: Cortez, 2008.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Rio de Janeiro:
Vozes, 2009.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2010.
FREIRE, Ana Maria A. Analfabetismo no Brasil: da ideologia da interdição do corpo à ideologia nacionalista, ou de como deixar sem ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu), Filipas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e Grácias até os Severinos. São Paulo: Cortez, 2001.
FREIRE, Paulo. Memória: Entrevista Paulo Freire. Entrevista concedida a
Mario Sérgio Cortella e Paulo de Tarso Venceslau. Teoria e debate, Fundação Perseu Abramo, n. 17. jan./fev./mar. 1992. Disponível em: < http://www2.fpa.org.br/o-que-fazemos/editora/teoria-e-debate/edicoes-anteriores/memoriaentrevista-paulo-freire>. Acesso em: 28 ago. 2010.
FREIRE, Paulo. Reencontrar o corpo. In: NOGUEIRA, Adriano (org.).
Reencontrar o corpo: ciência, arte, educação e sociedade. Taubaté: Cabral
Geic, 1996.
FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olha d’água, 2001.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
FREIRE, Paulo. Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 2003.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.
GADOTTI, Moacir. In: ALMEIDA, Danilo Di Manno de. Corpo e pedagogia
em Paulo Freire: uma conversa inicial com Moacir Gadotti. Revista educação e linguagem, São Paulo, v. 11, n. 17, p. 105-116, jan./jun. 2008.
MESQUIDA, Peri. Esse é meu corpo: corpo, violência e educação à luz do
pensamento de Paulo Freire. In: VIII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - EDUCERE. III Congresso Ibero-Americano sobre violência nas escolas. 2008,
Curitiba, PR. Anais... Curitiba: Champagnat, 2008. Disponível em: < http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/941_848.pdf>. Acesso em: 29 ago. 2010.
MESQUIDA, Peri. Soldados de Cristo, companheiros de índios, educadores
de colonos: formação de professores e ação pedagógica dos jesuítas no
Brasil, de 1549 a 1759, à luz do Ratio Estudiorum. In: IX CONGRESSO
NACIONAL DE EDUCAÇÃO - EDUCERE. III ENCONTRO SUL BRASILEIRO
DE PSICOPEDAGOGIA. 2009, Curitiba, PR. Anais... Curitiba: Champagnat,
2009. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2010.