A Inter e a Transdisciplinaridade e suas Contribuições para um Curso de Formação em Magistério Indígena no Estado do Tocantins

  • Simara de Sousa Muniz UFT - Araguaina
  • Francisco Edviges Albuquerque UFT - Araguaina

Resumo

Esse trabalho está vinculado ao Projeto de Pesquisa “Educação Escolar Indígena no Estado do Tocantins: Uma Proposta para o Curso de Formação do Magistério Indígena”. O objetivo da pesquisa é fazer um diagnóstico da Educação para os povos indígenas que vivem nessa Unidade da Federação, para, a partir daí, apresentar uma proposta de pesquisa sobre o Curso de Formação em Magistério Indígena. Nesse artigo o objetivo é identificar e apresentar as contribuições da Inter e da Transdisciplinaridade para o Curso de Magistério Indígena, considerando os aspectos socioculturais e a complexidade de cada etnia. Para que possamos atingir nossos objetivos, realizamos uma pesquisa qualitativa a partir dos procedimentos das pesquisas bibliográfica e documental. A fundamentação teórica inclui as categorias: Interdisciplinaridade (Ivani Fazenda, Edgar Morin); Transdisciplinaridade: B. Nicolescu (2008, 2009), Ubiratan D`Ambrósio (2009), Solange M. O. Magalhães (2010); Educação Indígena (Francisco Edviges Albuquerque (2007, 2010, 2012, 2013), Terezinha M. Maher (2006), Wilmar D´Angelis (2000), Severina Alves de Almeida, 2011); Magistério Indígena (Francisco Edviges Albuquerque ); Formação de Professores Indígenas (Francisco Edviges Albuquerque (2007, 2011), Luiz D. B. Grupioi (2006), Terezinha M. Maher (2006), Aracy Lopes da Silva(2000), dentre outros. Os documentos  norteadores abrangem a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB (9394/96); a Constituição Federal do Brasil (1988); o Referencial Curricular para a Educação Indígena RCNEI (1998), dentre outros. Os resultados nos permitem afirmar que a escolarização para os povos indígenas se insere num novo paradigma educacional, e que a Interdisciplinaridade e a Transdisciplinaridade têm uma importante contribuição a dar ao Magistério Indígena e, por conseguinte, à Formação de Professores Indígenas.

Palavras-chave: Educação Indígena. Inter-Transdisciplinaridade. Formação de Professores Indígenas.

Biografia do Autor

Simara de Sousa Muniz, UFT - Araguaina
Mestranda em Ensino de Língua e Literatura pelo Programa de Pós-graduação em Letras – PPGL da Universidade Federal do Tocantins, campus de Araguaina. Graduada em Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa.
Francisco Edviges Albuquerque, UFT - Araguaina
Professor Associado I da UFT - Campus de Araguaína. Possui mestrado em Letras e Lingüística pela Universidade Federal de Goiás (1999) e Doutorado em Letras pela Universidade Federal Fluminense (2007). Realizou o Estágio Pós-doutoral sobre Os Aspectos Morfossintáticos Apinayé(Jê), na Universidade de BrasÍlia-UNB, sob Orientação da Professora Ana Suelly Arruda Câmara Cabral e do Professor Aryon DallIna Rodrigues. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Sociolingüística e Dialetologia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, língua Apinayé e Krahô, Sociolingística, língua indígena e português intercultural. Foi Membro do Conselho Estadual de Educação Indígena do Estado do Tocantins Criador e Coordenador do Laboratório de Línguas Indígenas da UFT, Campus de Araguaína. Coordenador do GT Indígena e do PIMI, Programa de Monitoria Indígena, Campus de Araguaína e Coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas com Povos Indígenas -NEPPI. Coordenou O Programa do Observatório da Educação Indígena, Projeto 014/Edital 01/2009/CAPES/INEP/UFT. Coordenou também o Programa do Observatório da Educação/CAPES/INEP, Edital 049/2012, Projeto 11395. Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras/PPGL, da Universidade Federal do Tocantins, atuando nos cursos de Doutorado e Mestrado. Professor do Curso de Mestrado Profissional em Letras -PROFLETRAS/UFT- Campus de Araguaína e do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura e Território / PPGCult, Atualmente exerce a função de vice-coordenador do PPGL - Programa de Pós-Graduação em Letras Ensino de Línguas e Literatura, UFT - Campus de Araguaína.Membro do Conselho de Ética da FACIT / CEP-FACIT - Faculdade de Ciências do Tocantins FACIT. Professor Pesquisador da Universidade Federal do Tocantins, tendo sido indicado e aprovado pela Diretora Geral conforme Portaria Nº 51 de 08 de junho de 2017, para compor o quadro dos membros do CEP-FACIT.

Referências

ABREU, Marta Virginia de Araújo Batista. Situação Sociolinguística dos Krahô de Manoel Alves e Pedra Branca: Uma Contribuição para Educação Escolar. Dissertação de Mestrado (2013). Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

ALBUQUERQUE, Francisco Edviges. Contato dos Apinayé de Riachinho e Bonito Com o Português: Aspectos Da Situação Sociolinguística. Dissertação de Mestrado. UFG - Universidade Federal de Goiás. Goiânia: 1999.

______. Contribuição da Fonologia ao Processo de Educação Indígena Apinayé. Tese de Doutorado. UFF – Universidade Federal Fluminense. Niterói: 2007.

______. A Educação Escolar Apinayé na Perspectiva Bilíngue e Intercultural. Projeto de Pesquisa do Observatório da Educação Indígena. CAPES/UFT. 2010.

______. A Aquisição da Escrita pelas Crianças Apinayé de São José. In: A Educação escolar Apinaye na perspectiva bilingue e intercultural / Francisco Edviges Alburquerque, (org). – Goiânia: Ed. da PUC. Goiás, 2011. 240 p. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

______. Relatório das Atividades do Programa do Observatório da Educacão Escolar Indígena UFT/CAPES/Edital 01/2009 – Projeto 014. In: Educação escolar indígena e diversidade cultural / Francisco Edviges Albuquerque, Severina Alves de Almeida, (Org.). – Goiânia: Ed. América, 2012. 369 p. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 11-jan-2016.

______. ALBUQUERQUE, Francisco Edviges; PINHO, Maria José de. Transdisciplinaridade e Educação Intercultural: A Formação do Professor Indígena Apinayé Em Perspectiva (2013). Disponível: https://www.academia. edu. Acesso: 11-jan-2016. p. 825-846.

ALMEIDA, Severina Alves de. A Educação Escolar Apinayé na Perspectiva Bilíngue e Intercultural: Um Estudo Sociolinguístico das Aldeias São José e Mariazinha / Severina Alves de Almeida. -- Araguaína: [s.n], 2011. 197f. Disponível: http://www.uft.edu.br/lali. Acesso: 12-jan-2016.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Indígena RCNEI. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BEHRENS, M. A. O paradigma da complexidade: metodologia de projetos, contratos didáticos e portifólios. Petrópolis: Vozes, 2006

______. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Versão on-line. Disponível: www.planalto.gov.br/ccivil.../ Acesso: 12-jan-2016.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96. São Paulo: SINPRO, 1996.

______. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível: www.ibge.gov.br/cidadesat/. 13-jan-2016.

CELANI, Maria Antonieta Alba. Transdisciplinaridade na Linguística Aplicada no Brasil. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.). Linguística Aplicada e Transdisciplinariedade. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1998. p. 129- 142.

D’ AMBRÓSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 2009.

D´ANGELIS, Wilmar R. Alfabetizando em comunidade indígena. Estudo e debate de professores Kaingang do Rio Grande do Sul. Formação continuada. 2000. 185p. Disponível: http://www.portalkaingang.org/alfabetizando.pdf. Acesso: 13-jan-2016.

DURAND, Rosamaria. Apresentação da 1ªedição do livro: Educação na Diversidade: experiências e desafios na educação intercultural bilíngue / organização, Ignácio Hernaiz; tradução, Maria Antonieta Pereira... [et al]. – 2. ed. -Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Unesco, 2007. 356 p. : il. – (Coleção Educação para todos; 28)

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. (Org.). Interdisciplinaridade na formação de professores: da teoria à prática. Canoas: ULBRA, 2006. V. 01. 190 p.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 13.ed. São Paulo: Papirus, 2008.

GRUPIONI, L. D. B. Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, L. D. B. (Org). Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: MEC, 2006. p.39-68. Disponível:
http://www.dominiopublico.gov.br. Acesso: 15-jan-2016.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas.7.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2006. Disponível: https://leandromarshall.files.wordpress.com. Acesso: 13-jan-2016.

LEONARDO, António José. Breve História das Academias Científicas. Disponível: http://dererummundi.blogspot.com.br/2007. Acesso: 18-jan-2016.

LIMA, Waner Gonçalves. Política pública: discussão de conceitos. Interface (Porto Nacional), Edição número 05, Outubro de 2012. Disponível: http://www.ceap.br. Acesso: 18-jan-2016.

LOPES DA SILVA, Aracy. GRUPIONI, Luis Donizeti Benzi. A Temática Indígena na Escola Novos Subsídios para Professores de 1º. E 2º. Graus. MEC/MARI; UNESCO, 3, ed., 2000.

MAGALHÃES, S. M. O. Transdisciplinaridade e seus reflexos na formação de professores. In: GUIMARÃES, V. S. (Org.). Formação e Profissionalização Docente. Goiânia: PUC Goiás, 2009. p.61-97.

______. Crise paradigmática e a transformação da sala de aula universitária. Travessias. 2010. Disponível: e-revista.unioeste.br. Acesso: 18-jan-2016.

MAHER, Terezinha Machado. Formação de Professores Indígenas: uma discussão introdutória. In: Formação de professores indígenas: repensando trajetórias / Organização Luís Donisete Benzi Grupioni. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2006. 230 p.

MONTEIRO, Hélio Simplicio Rodrigues. Magistério indígena: contribuições da etnomatemática para a formação dos professores indígenas do Estado do Tocantins / Hélio Simplício Rodrigues Monteiro, orientador Prof. Dr. Erasmo Borges de Souza Filho. 2011. Disponível: www.etnomatematica.org. Acesso: 18-jan-2016.

MORAES, M. C. O Paradigma Educacional Emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas. Em Aberto, Brasília, ano 16. n.70, abr./jun. 1996. Disponível: www.dominiopublico.gov.br. Acesso: 18-jan-2016.

______. O paradigma educacional emergente. 10.ed. São Paulo: Papirus, 2004.

MORIN, Edgar; ALMEIDA, Mª da Conceição; CARVALHO, Edgar de Assis. Educação complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2007.

______.Desafios da transdisciplinaridade e da complexidade In: Inovação e interdisciplinaridade na universidade. Porto Alegre, EDIPURS, 2001.

______. Introdução ao pensamento complexo. 5.ed. Rio de Janeiro: Instituto Piaget, 2002.

NICOLESCU, B. Educação e Transdiciplinaridade. Brasília: UNESCO, 2009.

______. O Manifesto da Transdiciplinaridade. São Paulo: Triom, 2008.

NÓVOA, A. (Org). Os professores e a sua formação: Instituto de Inovação Educacional, Lisboa: Porto Editora, 1992.

SANTOS, Souza Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, out., 2003. P.237-280 T 43. Disponível: http://www.ces.uc.pt. Acesso: 23-jan-2016.

TOCANTINS. Governo do Estado. Projeto de Educação Escolar Indígena do Estado do Tocantins. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC), em parceria com a UFG – Universidade Federal de Goiás. Palmas: 1998.

______. Governo do Estado. Curso de Formação Continuada para Professores das Escolas Indígenas. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC), em parceria com a UFG – Universidade Federal de Goiás. Palmas: 2007.

______. Governo do Estado. Curso de Formação Continuada para Professores das Escolas Indígenas. Secretaria da Educação e Cultura (SEDUC). Palmas: 2015. Disponível: http://portal.to.gov.br/povos-indigenas. Acesso: 23-jan-2016.

URQUIZA, A. H. Aguilara; NASCIMENTO, Adair C. 2010. Currículo, Diferenças e Identidades: tendências da escola indígena Guarani e Kaiowá. Currículo sem Fronteiras, v.10, n.1, pp.113-132, Jan/Jun 2010. Disponível: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso: 23-jan-2016.
Publicado
2017-12-15