Do conceito de formação humana: tensões entre natureza e cultura

  • Lúcia Schneider Hardt Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
  • Marlene de Souza Dozol Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
  • Rosana Silva de Moura Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Resumo

O artigo apresenta a filosofia da educação a partir de três pesquisas que articulam o conceito de formação humana mediante a tensão entre natureza e cultura. Metodologicamente, procuramos discutir o conceito tendo em vista esta tensão, considerando as perspectivas filosóficas de Friedrich Nietzsche e Jean-Jacques Rousseau, hermeneutas da cultura, da natureza e da formação humana. Inspiradas nestes horizontes estético-filosóficos, propomos uma filosofia da educação como uma experiência estético-cognitiva a partir da qual o humano possa fabricar-se.
Palavras-chave: Formação humana. Nietzsche. Rousseau. Hermenêutica.

Biografia do Autor

Lúcia Schneider Hardt, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Possui Graduação em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1982), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professora associada da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente na área de filosofia e teorias da educação. Desenvolve pesquisas especialmente a partir de Nietzsche. Neste contorno teórico a pesquisa tem priorizado: a) discutir o conceito de formação considerando a dimensão trágica da vida; b) operar com o conceito ?espírito livre? ; c) desenvolver estudos que promovam a interface entre Educação/Literatura e Filosofia. Participa do Grupo de pesquisa GRAFIA no qual coordena um sub: grupo: Bio-Grafia/Nietzsche. ?Nietzsche parece ser um caminho, um desvio talvez, que, por meio de um trabalho subterrâneo, escavou desde os gregos outras ideias de formação que não receberam toda a luz e ar, quase sucumbiram, mas ainda são capazes de anunciar novas auroras?. Integra ainda como colaboradora o Grupo de Pesquisa Nietzsche e a Teoria Política (GENTP).

 
Marlene de Souza Dozol, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina (1985), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (1993), Doutorado em Educação, pela Linha de Pesquisa História e Filosofia da Educação, pela Universidade de São Paulo (2001) e Pós-doutorado pelo departamento de Filosofia da FFLCH/USP. É Professora Associada da Universidade Federal de Santa Catarina. Na Graduação em Pedagogia é responsável pela disciplina Filosofia da Educação I; nas licenciaturas pela disciplina de Teorias da Educação e na Pós-Graduação em Educação pelas disciplinas de Filosofia da Educação,Teorias da Educação e Seminários de Pesquisa e Especiais oferecidos pela Linha de Pesquisa Filosofia da Educação. É líder do Grupo de Pesquisa GRAFIA - Grupo de Estudos em Filosofia da Educação e Arte/CNPQ. Dedica-se aos temas da formação humana, das relações entre filosofia , literatura e educação, das relações entre natureza e cultura, das relações entre educação e imagens plásticas, da perspectiva filosófico-educacional de Jean-Jacques Rousseau. Entre as principais publicações, destacam-se os livros "Da figura do mestre", uma co-edição das editoras da USP e Autores Associados e "Rousseau - Educação: a máscara e o rosto", pela Editora Vozes, além de artigos em periódicos de circulação internacional e nacional. Pertence ao GT de Filosofia da Educação da ANPED. É vinculada ao Grupo Interdisciplinar de Pesquisa Jean-Jacques Rousseau (UNICAMP). Recentemente esteve no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, na condição de professora visitante..Atualmente pertence à Linha de Pesquisa Filosofia da Educação, ligada ao Programa de Pós-graduação em Educação, na instituição de origem.
Rosana Silva de Moura, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Professora Adjunta (UFSC). Professora permanente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Atua na Área de Filosofia da Educação em disciplinas de graduação do Departamento de Estudos Especializados em Educação. Doutora e Mestre em Educação (UFRGS), com estágio doutoral (SWE/CAPES) no Departamento de Humanidades/Filosofia, da UC3Madrid (2005-2006). Graduação em História pela UFRGS (Bacharelado e Licenciatura). Tem experiência em Ensino de História/Ensino Fundamental, em escolas públicas (RS). É autora dos livros Filosofia da educação: mediações possíveis entre tempo e reconhecimento social e Sutis violências e o espelho midiático: uma abordagem crítica da cultura contemporânea. Desenvolve estudos e pesquisas em formação humana a partir da relação da filosofia da educação com a hermenêutica filosófica, cujos interesses transitam entre temas como: finitude, habitar poético, alethéia, a questão da técnica, mundo, vivência, experiência. Coordena pesquisas em Hermenêuticas da cultura, mundo e educação/CED/UFSC (http://hermeneuticas.paginas.ufsc.br/).

Referências

ABBAGNANO, Nicola; VISALBERGHI, Aldo. La ilustración en Inglaterra y Francia. In: Historia de la pedagogia. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

AZEREDO, Vânia Dutra. Filosofia dos valores e Educação em Nietzsche. ETD. Educação Temática Digital, Campinas, v.12, n.1, pg25-45, jul/dez 2010.

BURGELIN, Pierre. Émile ou d’éducation- introductions. In: Ouvres completes. Émile. Paris: Plêiade, 1969.

ELIAS, Norbert. Sociogênese da diferença entre Kultur e Zivilisation no emprego alemão. In: ______. O processo civilizador. Volume 1: uma história dos costumes. Tradução Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. p. 23-28.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 2a. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

GADAMER, Hans-Georg. Elogio da teoria. Tradução João Tiago Proença. Lisboa: Edições 70, 2001.

______. La educación es educarse. Barcelona: Paidós, 2000.
GRONDIN, Jean. Hermenêutica. Tradução Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

HARDT, Lúcia Schneider. Entre as Manobras da Mão e do Espírito: o assombro da formação humana. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 3, p. 769-788, jul./set. 2013. (Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade).

HAUSER, Arnold. Rococó, classicismo, romantismo. In: História social da arte e da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

HEIDEGGER, Martim. Ser e tempo (I). Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis/RJ: Vozes, 1995.

MOURA, Rosana S. Licenciatura em História: lugar hermenêutico para pensar sentidos de uma aula. In: Carla Beatriz Meinerz, Dóris Maria Luzzardi Fiss & Sônia Mara Moreira Ogiba (editoras associadas) Arquivos Analíticos de Políticas Educativas. Dossiê Formação de professores e práticas culturais: descobertas,
enlaces, experimentações, 21(24), 2013. (Disponível em http://epaa.asu.edu/ ojs/article/view/1141).

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce homo: como alguém se torna o que é.Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza.São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. O Crepúsculo dos ídolos, ou como se filosofa como martelo. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. SãoPaulo:Companhia das Letras, 2006.

______. A genealogia da moral. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

______ Gaia ciência. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

_____. Humano, demasiado humano. Tradução de Paulo César Souza. São Paulo: Brasiliense, 2000.

_____. Aurora. Tradução de Mário D. Ferreira Santos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Júlia ou A Nova Heloísa. São Paulo: Hucitec, Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

______. Emílio ou Da Educação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

______. Os devaneios do caminhante solitário. Brasília: UNB, 1995.

STEIN, Ernildo. Antropologia filosófica: questões epistemológicas. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

VIESENTEINER, J. L. O homem como uma somatória unitária de Erlebnisse (vivências) em Nietzsche. Filosofia e educação. Dossiê Nietzsche e a educação. Volume 6, número 1, fevereiro de 2014.

ULMANN, Jacques. La nature et l’education. Paris: Éditions Kincksieck, 1987.
Publicado
2018-03-05