Ética e estética: confrontos entre a Teoria Crítica da Sociedade e o pós-moderno

  • Robson Loureiro Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
  • Sandra Soares Della Fonte Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
  • Luciana M. Queiroz Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Resumo

O escopo do artigo é analisar a relação entre ética e estética na proposição pós-moderna. A indagação refere-se ao papel da sensibilidade estética na constituição de um juízo prático atribuído por Lyotard e às consequências de uma estetização do mundo e do conhecimento, nos termos lyotardianos,
para a formação ética e estética. O referencial teórico fundamenta-se nas reflexões de Walter Benjamin, Herbert Marcuse e Theodor W. Adorno. Embora suas análises da vida contemporânea apresentem inúmeros aspectos em comum, tais como a influência do mercado na arte e a superestimulação da vida urbana, diferentemente de Lyotard, a Teoria Crítica argumenta que o ideal de emancipação ainda deve ser mantido. A partir da ideia de que o homem moderno pode ser descrito como formado por uma cultura de massa,
a investigação dos filósofos frankfurtianos demonstra haver a possibilidade de outra forma de ver e intervir na contemporaneidade.


Palavras-chave: Ética. Estética. Pós-moderno. Teoria Crítica da Sociedade.

Biografia do Autor

Robson Loureiro, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
Professor Associado da Universidade Federal do Espírito Santo. Realizou Pós-doutorado em Filosofia - School of Philosophy da University College Dublin (Ireland) sob supervisão do Professor Dr. Brian O´Connor (2013-2014) - Bolsa Capes. Concluiu o Doutorado em Educação, linha de pesquisa Educação, História e Política (PPGE/Ufsc) - Bolsa Capes. Fez estágio de doutoramento (2003-2004) na School of Education e no Department of German da University of Nottingham (Inglaterra, UK) - Bolsa Capes. Mestrado em Filosofia da Educação (PPGE/Unimep/SP); Graduado em Filosofia (CCHN/Ufes) - Bolsa CAPES. Iniciou a formação acadêmica no curso de História/CEG/Ufes(1986-1989). Qualificação em Filosofia, supervisão Dr. Rodrigo Duarte (FAFICH/UFMG). Desde 1997 é Professor Efetivo, Docente (DE) junto ao Centro de Educação (DEPS/Ufes) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/CE/Ufes), onde atua na Linha de pesquisa Educação e Linguagens. Áreas de interesse: Linguagens e Humanidades - cinema, música, literatura, teatro, artes plásticas articuladas aos campos da Filosofia (ética, estética, filosofia da ciência), Psicanálise e Educação em diálogo com a Teoria Crítica da Sociedade . Organizou: "A Teoria Crítica volta ao cinema" (Edufes, 2017, no prelo), "Literatura, Cinema e Sociedade Contemporânea: Adornos em um ato só" (Ed. Prelo, 2017); e "A Teoria Crítica vai ao cinema" (Edufes, 2010). Co-autor de: "Indústria cultural e educação em tempos pós-modernos (Papirus, 2003)". Coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação, Filosofia e Linguagens do Centro de Educação da UFES (Nepefil/CE/Ufes). Tel: (27) 40097766 / 2547 (PPGE/Ufes). Email: robbsonn@uol.com.br. Nepefil na Web:http://nepefil.ufes.br
Sandra Soares Della Fonte, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).
Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2002), e graduação em Educação Física pela mesma universidade (1993). Fez mestrado em Educação (linha Filosofia da Educação) pela Universidade Metodista de Piracicaba (1996) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006), com estágio de doutoramento na School of Education da University of Nottingham (Inglaterra-2003-2004). É professora da Universidade Federal do Espírito Santo desde 1997.

Referências

ADORNO, Theodor W. Teses sobre religião e arte hoje. In: PUCCI, Bruno et al. Teoria estética e educação. Campinas: Autores Associados; Piracicaba: Unimep, 2001a. p. 19-26.

ADORNO, Theodor W. A arte é alegre? In: PUCCI, B. et al. Teoria estética e educação. Campinas/ Piracicaba: Autores Associados/ Unimep, 2001b. p. 11-18.

ADORNO, T. Teoria da semicultura. Educação e Sociedade, n. 56, dez. 1996, p. 388-411.

ADORNO, Theodor W. Teoria estética. Lisboa: Edições 70, 1982.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999. p. 9-10.

BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Tradução de Heindrun Krieger Mendes da Silva, Arlete de Brito e Tânia Jatobá. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.

______. Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. Obras escolhidas III. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CONNOR, Steven. Cultura pós-moderna: introdução às Teorias do Contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola. 1993.

DUARTE, R. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

DUARTE, R. Mimesis e racionalidade. São Paulo: Loyola, 1993.

EAGLETON, Terry. De onde vêm os pós-modernistas? In: WOOD, E. M. & FOSTER, J.B. (Org.). Em defesa da história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999. p. 23-32.

GINZBURG, Carlo. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
KUMAR, K. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LOUREIRO, Robson. Considerações sobre a filosofia de Theodor Adorno e o pós-moderno. Educação e realidade, v. 34, n.1, p.175-190, jan./abr. 2009.

______. Aversão à teoria e indigência da prática: crítica a partir da filosofia de Adorno. Educação & Sociedade. Campinas, vol. 28, n. 99, p. 522-541,
maio/ago. 2007.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

LYOTARD, Jean-François. Answering the question: what is postmodernism?In: DOCHERTY, T. (Org.). Postmodernism: a reader. Harvester Wheatsheaf: Great Britain, 1993a. p. 38-46.

LYOTARD, Jean-François. Moralidades pós-modernas. Campinas: Papirus, 1996.

LYOTARD, Jean-François. Notes on the meaning of “Post-”. In: DOCHERTY, T. (Org.). Postmodernism: a reader. Harvester Wheatsheaf: Great Britain, 1993b. p. 47-50.

MARCUSE, Herbert. A dimensão estética. Lisboa: Edições 70, 1986.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

MARCUSE, Herbert. Eros e civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. 7. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

MARCUSE, Herbert. Razão e revolução: Hegel e o advento da teoria social. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

MARCUSE, Herbert. Sobre o caráter afirmativo da cultura. In: MARCUSE, H. Cultura e Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006. p. 89-137.

NAGEL, Thomas. A última palavra. São Paulo: UNESP, 2001.
PARAÍSO, Marlucy A. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: um esboço de um mapa. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 238-303, maio/ago. 2004.

SEVERINO, A. J. Filosofia da educação no Brasil: esboço de uma trajetória. In: GHIRALDELLI JR., P. (Org.). O que é filosofia da educação? Rio de Janeiro: DP&A, 1999. p. 267-328.

SOKAL, Alan; BRICMONT, Jean. Imposturas intelectuais. Rio de Janeiro: Record, 1999.

WIGGERSHAUS, R. A escola de Frankfurt. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

WOOD, Ellen M. O que é a agenda “pós-moderna”? In: WOOD, E. M. & FOSTER, J.B. (Org.). Em defesa da história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
1999. p. 7-22.
Publicado
2018-03-05