As Revoluções Proletárias e a Organização da Escola Publica Moderna

Resumo

Este artigo analisa o processo de estruturação da escola pública na França e suas funções, no decorrer do século XIX. Com base no referencial do materialismo histórico, a pesquisa é qualitativa e de caráter bibliográfico, envolvendo a análise da materialidade histórica que marcou a organização da educação moderna. Retomam-se os principais acontecimentos franceses deste século, com destaque para as revoluções proletárias que definiram os primeiros conflitos de classe típicos da sociabilidade do capital. Ao se evidenciarem as condições desiguais características da relação capitalista, o proletariado lutou contra a burguesia, levando à Revolução de 1848 e à Comuna de Paris, em 1871. A criação da escola pública foi analisada no interior destes eventos, a fim de entender as influências dos movimentos revolucionários para a mesma. Constatou-se que a classe burguesa reagiu perante a ameaça operária e considerou o potencial da escola como instrumento de contenção social. Foi o desenrolar destes atritos que levou à criação de uma escola a cargo do Estado, nos moldes que se mantém até a atualidade, evidenciando que seus princípios gerais estiveram vinculados à manutenção de uma determinada ideologia e relação social.

Biografia do Autor

Karla Cristina Prudente Pereira, Universidade Estadual do Paraná - Câmpus de Paranavaí
Discente do Curso de Pedagogia da Unespar - Câmpus de Paranavaí.
Neide de Almeida Lança Galvão Favaro, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR - Câmpus de Paranavaí
Docente do Colegiado de Pedagogia da Unespar, Câmpus de Paranavaí. Doutora em Educação (UFSC).
Publicado
2019-07-03