Possíveis Contribuições no ensino Superior em Fisioterapia

  • Fabiola Hermes Chesani Universidade do Vale do Itajaí

Resumo

A formação continuada é a busca de conhecimentos que supram as necessidades da ação docente, que visa à mudança do educador através de um processo crítico e reflexivo, rumo à autonomia profissional. O professor pode ser agente ativo de sua prática pedagógica, produzindo conhecimentos necessários para intervir em sua realidade. Inicialmente, este ensaio reflete sobre as possíveis formas de instigar os docentes para sensibilizá-los para uma prática pedagógica sistematizada e não apenas uma tarefa que se realize amadoramente, promovendo assim um pensamento integral em saúde e progressista na educação, pois sempre são necessárias reflexões sobre o fazer para depois transformar este fazer. Após a sensibilização dos docentes quanto às suas práticas pedagógicas e as suas concepções em saúde apresenta-se uma proposta de trabalho centrada no aluno e numa concepção de saúde integral. Desta maneira, os alunos perceberiam o contexto do estudo com um significado diferente e desenvolveriam a emancipação do ser humano, a humanização.
Palavras-chave: Fisioterapia. Formação continuada. Ensino Superior.

Biografia do Autor

Fabiola Hermes Chesani, Universidade do Vale do Itajaí
Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Federal de Santa Maria (1996). Mestre em Saúde e Gestão do Trabalho na Universidade do Vale do Itajaí. Concluí doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina. Realizou doutorado sanduíche na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Porto. Professora titular da Universidade do Vale do Itajaí. É pesquisadora e líder do grupo GEVAS na Univali.

Referências

ALARCÃO, I. Os questionamentos do cotidiano docente. Revista Pátio, n. 40, p. 16-19, nov/ jan. 2007. BACKES, V.M.S.; MOYÁ, J.L.M; PRADO, M.L. Processo de construção do conhecimento pedagógico do docente universitário de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 19, n.2, mar/abr. 2011. Brasil. L. D. B. 9394/96- Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional do Ministério da Educação, 1996. BERBEL, Neusi. A metodologia da problematização com o Arco de Maguerez: uma reflexão teórico-epistemológica. Londrina: EDUEL, 2012.BUSH, Andrew; SAGLANI, Sejal. Adolescence: the last frontier. J. Pediatr.v.88, n.5, p. 371-374. 2012. DELIZOICOV, N.C. O professor de ciências naturais e o livro didático - no ensino de programas de saúde. Florianópolis. 1995. CED/UFSC, 1995. Dissertação de (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1995. DIAZ BORDENAVE, J.; PEREIRA, A.M.P. Estratégias de ensino-aprendizagem. 32.ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2012. FALSARELLA, A. M.. Formação continua e prática de sala de aula: os efeitos da formação da formação continuada na atuação do professor. Campinas: Autores Associados, 2004. FREIRE, P.. Pedagogia do oprimido. 42. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005. GADOTTI, M. Convite a leitura de Paulo Freire. 2. ed. São Paulo: Scipione, 1991. 175p. HELIN, G.; KONRADSEN, J.;, BUSH, A.. An update on paediatric asthma. Eur Respir Rev. v.1, n.125, p.175-85, sep. 2012. IMBERNÓN, F. Formação Docente e Profissional: Forma-se para a mudança e a incerteza.6.ed.São Paulo: Cortez, 2006. LIBÂNEO, J.C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 16 ed. São Paulo: Cortez, 1999. MATTOS, R. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In. PINHEIRO, R. & MATTOS, R.(org) Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado em saúde. 4.ed. Rio de Janeiro: Cepesc/IMS/Uerj/Abrasco, 2005. MORIN, E. Toffler e Morin debatem sociedade pós-industrial. World ‘Media. Suplemento do Jornal Folha de São Paulo, 12/12 1993. NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa- Portugal: Dom Quixote, 1992. PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artmed, 2000. PIMENTA, S. G.. Saberes pedagógicos e atividades docente. 7.ed.São Paulo: Cortez, 2009. SACRISTÁN, J.G. Tendências investigativas na formação de professores. In: Professor reflexivo no Brasil: a gênese e crítica de um conceito. PIMENTA, S.G.; GHEDIN, E. (org.). São Paulo: Cortez, 2002, p. 81-87. SILVA, B.W; DELIZOICOV, D. Problemas e problematizações: implicações para o ensino dos profissionais da saúde. Saúde e Ambiente, v.1, n.2, p 1428, dez.2008. ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre, ARTMED, 2004
Publicado
2017-10-26