Construção de um Projeto Político Pedagógico Inclusivo: Passos em Direção a uma Educação Pública Inclusiva

  • Ângela Harumi Yamaguchi Universidade Ibirapuera
  • Rosane Michelli de Castro Unesp/Marília
  • Claudia Regina Mosca Giroto FFC/UNESP

Resumo

Dentre as entraves que tem sido apontada na literatura para a efetivação da educação inclusiva, assume relevância a elaboração e sistematização do Projeto Político Pedagógico – PPP, a ser construído coletivamente pela equipe escolar e comunidade. Dessa forma, há a necessidade e, ao mesmo tempo, a dificuldade de os profissionais da educação pública valorizarem a formulação desse documento e o concretizarem por meio das metas e práticas pedagógicas nele contempladas. Para tal, além de subsídios teóricometodológicos, torna-se necessário que o PPP também seja fundamentado pela legislação em vigência, considerando-se, obviamente, o contexto sócio-histórico que perpassa e determina as políticas educacionais que o subsidiam nos âmbitos municipal, estadual e federal. Com base em tais ideias, o objetivo desse estudo foi o de identificar os principais documentos utilizados no âmbito da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo/ SP – SME/SP que sustentam as orientações direcionadas à elaboração do PPP, em conformidade com as políticas educacionais atuais, no que se refere ao público alvo da Educação Especial, matriculado no sistema regular de ensino do referido município. Foi realizada pesquisa documental, mediante análise de documentos disponibilizados no site da SME/SP - últimos 10 anos. A análise dos dados compreendeu a elaboração das categorias temáticas, ordenadas sob o critério da temporalidade. Os resultados demonstraram que o município em questão, no que se refere à legislação, tem avançado em direção à constituição de uma política educacional municipal inclusiva, com importantes subsídios para a construção do PPP da escola, embora ainda haja muito a se fazer para a garantia da participação coletiva em tal construção.

Biografia do Autor

Ângela Harumi Yamaguchi, Universidade Ibirapuera
possui gradua??o em Pedagogia pela Universidade Ibirapuera (2008) .
Rosane Michelli de Castro, Unesp/Marília
Atua como professora assistente na Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e como professora permanente junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da FFC - Unesp/Marília. Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995), Graduação em Educação Física pela Universidade de Marília (1988), Mestrado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005) e Pós-Doutorado pela Fundação Carlos Chagas (2010). Integrou o Programa Interinstitucional MINTER UNESP/UTFPR, entre 2013 e 2015. É membro do Conselho Editorial Acadêmico da Ed. Oficina Universitária - FFC-Unesp/Marília, consultora ad hoc da Revista de Estudos Pedagógicos (Rbep) e integra o quadro de assessores científicos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Coordenou o projeto integrado de pesquisa A história da Didática em instituições de formação de professores no Brasil (1827-2011) ? fase I: fontes para a pesquisa, com financiamento FAPESP (Processo n. 2012/10609-0) e coordena, atualmente, o projeto integrado A história da Didática em instituições de formação de professores no Brasil (1827-2011) ? fase II: periódicos educacionais brasileiros na conformação das disciplinas ou corpos de saberes de Didática. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Didática e História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino fundamental, ensino superior, pesquisa educacional. É membro integrante, na qualidade de pesquisadora - linha de pesquisa: Historia das ideias pedagógicas articuladas à divulgação de práticas e saberes - do Grupo de Pesquisa Estudos e Pesquisas sobre Cultura e Instituições Educacionais - GEPCIE. Também, é membro integrante na qualidade de pesquisadora - linhas de pesquisa: Didática, Currículo e Fundamentos da Educação, A pesquisa e a formação do educador, História da formação de professores no Brasil, e foi Líder do Grupo de Pesquisa GP FORME - Formação do Educador cadastrado no CNPq, entre 2009 e 2015. Atualmente, é líder do grupo de pesquisa também cadastrado no CNPq, desde abril de 2016, HiDEA-Brasil História das disciplinas escolares e acadêmicas no Brasil.
Claudia Regina Mosca Giroto, FFC/UNESP
Possui graduação em Fonoaudiologia, pela Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC/Campus de Marília, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1993), mestrado (1998) e doutorado (2006) em Educação, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC)/UNESP/Campus de Marília/SP. Docente do Departamento de Educação Especial/Curso de Pedagogia, do curso de especialização em Formação de Professores em Educação Especial: apoio à escola inclusiva, do Programa de Pós-Graduação em Educação da FFC/UNESP/Campus de Marília/SP e do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da Faculdade de Ciências e Letras (FCLAr)/UNESP/Campus de Araraquara/SP. Possui experiência na áreas de Educação Saúde e Educação (Fonoaudiologia e Educação Inclusiva e Educação Especial). Atua, principalmente, com os seguintes temas: fonoaudiologia educacional; linguagem escrita; interdisciplinaridade saúde-educação; surdez; educação inclusiva; educação especial; inclusão e desmedicalização da educação. Coordenadora do Laboratório Interdisciplinar de Inclusão e Desmedicalização da Educação (LIDE), vinculado ao Departamento de Educação Especial da FFC/UNESP/Campus de Marília/SP. Vice-líder do "Grupo de Estudos e Pesquisas em Atividade e Desenvolvimento Infantil - GEPADI" (FFC/UNESP/CNPq). Colaboradora do grupo de pesquisa interinstitucional "Linguagem, cognição e audição: implicações para saúde e educação (UFSC - Linguística/CNPq). Pesquisadora colaboradora do Projeto em Rede OBEDUC/CAPES/MEC/FFC/UNESP "Acessibilidade no ensino superior" (2012-2016).Coordenadora dos 3º e 4º Anexos ao Acordo de Cooperação Internacional entre a UNESP e a Universidade de Alcalá/Espanha (2013-2015). Supervisora fundadora do Centro de Formação, Extensão e Pesquisa em Inclusão (CEFEPI) da FFC/UNESP/Campus de Marília/SP.Possui experiência como Professora Pesquisadora em Formação Continuada para professores na modalidade de ensino de Educação a Distância (Convênio SEESP/MEC/FFC/UNESP). Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Alfabetização - ABAlf Tesoureira (2013/2014). Membro do Conselho Fiscal da ABAlf (2014/2015).

Referências

ARANHA. M. S. F. Paradigmas da relação entre sociedade e as pessoas com
deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho. Ano XI, nº 21. Brasília,
2001, p. 160-171.
BRASIL, Constituição da República Federativa, 05 de outubro de 1988, Brasilia,
2010, 47p. Disponivel em: http://www.senado.gov.br/legislacao/const/con1988/
CON1988_05.10.1988/CON1988.pdf. Acesso em: 22/02/2013.
______. Lei 9394/96, 20 dez. 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Biblioteca digital da câmara dos deputados. 5º edição, Brasília,
2010. Disponível em: http://bd.camara.gov.br. Acesso em: 13/12/2012.
______. 2001a. Parecer CNE/CEB nº 17. 3 de jul. 2001. Disponível em: http://
portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB017_2001.pdf Acesso em: 13/12/2012.
______. 2001b. Resolução CNE/CEB 2/2001, de 11 de fev. de 2001. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res2_b.pdf Acesso em: 03/02/2013.
______. Ministério da Educação e Cultura/Secretaria da Educação do Estado
de São Paulo. A escola. Brasília, 2004, 26p.
______. Política Nacional de Educação especial na perspectiva da educação
Inclusiva. 2008. Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_
nacional_educacao_especial.pdf Acesso em: 11/05/12.
______. Resolução CNE/CBE nº 04/2009. Diário oficial da União, Brasília, 5
de outubro de 2009, seção 1, p.17. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/
dmdocuments/rceb004_09.pdf Acesso em: 02/02/2013.
______. 2010a. Resolução CNE/CEB 4/2010. Diário Oficial da União, Brasília,
14 jul. 2010, seção 1, p. 824.______. 2010b. A Escola Comum Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP/UFC, 2010.
______. Decreto nº 7.611, de 17 nov. 2011. Disponível em: http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso
em: 22/02/2013.
DE CARLO, M.M.R.P. Se essa casa fosse nossa... instituições e processos de
imaginação na educação especial. São Paulo: Plexus, 2001, p.65-81.
MEIRA, M.E.M. Psicologia Histórico-cultural: fundamentos, pressupostos e
articulações com a Psicologia da Educação. In: MEIRA, M.E.M; FACCI, M.G.D.
(Org.). Psicologia Histórico-Cultural: contribuições para o encontro entre a
subjetividade e a educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007, p. 27-62.
MENDES. E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil.
Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-559, set./dez. 2006.
OLIVEIRA, A. A. S. Formas de organização escolar: desafios na construção de
uma escola inclusiva. In: OMOTE, S. Inclusão: intenção e realidade. Marília:
Fundepe, 2004, p. 77-112.
OMOTE, S. Diversidade, Educação e Sociedade Inclusiva. In: OLIVEIRA,
A.A.S. OMOTE, S. GIROTO, C. R. M. (organizadores). Inclusão Escolar: as
contribuições da educação especial. São Paulo: Cultura Acadêmica editora,
Marília: Fundepe editora, 2008, p. 15-32.
SÃO PAULO (Município). Secretaria Municipal de educação. Diretoria de
Orientação Técnica. Decreto nº 45.415. Secretaria Municipal de Educação –
São Paulo: SME/ DOT, 2004a.
______. 2004b. Decreto nº 45.652, de 23 dez. 2004. Disponível em:
http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Documentos/BibliPed/TextosLegais/
LegislacaoEducacional/DecretoMunicipal_45652.pdf Acesso em: 03/02/2013.
______. 2004c. Secretaria Municipal de educação. Diretoria de Orientação Técnica.
Portaria nº 5.718. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo: SME/ DOT, 2004.
Disponível em: http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Projetos/supervisao/Anonimo/
DOC%202011/P5594ProgRedeInclui.htm Acesso em: 03/02/2013.
______. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica.
Portaria nº 1.566. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo: SME/
DOT, 2008. Disponível em: http://portalsme.prefeitura.sp.gov.br/Documentos/
BibliPed/TextosLegais/Portarias_SME_2009.pdf Acesso em: 03/02/2013.
______. Secretaria Municipal de educação. Diretoria de Orientação Técnica. Decreto
nº 51.778. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo: SME/ DOT, 2010.
______. 2011a. Secretaria Municipal de educação. Diretoria de Orientação
Técnica. Portaria nº 5.551. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo:
SME/ DOT, 20011.______. 2011b. Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação
Técnica. Portaria nº 5.594. Secretaria Municipal de Educação – São Paulo:
SME/ DOT, 2011.
STAINBACK, S; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1999.
UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das
necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990, 8p.
VEIGA, I. P. Projeto Político-Pedagógico: uma relação regulatória ou
emancipatória. Cad. CEDES, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dez, 2003.
Publicado
2017-06-07
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo