Linguagem Escrita Na Educação Infantil: Quando Se Deve Iniciar Esse Processo

  • Josiane Peres Gonçalves Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Josiani Alves Barbosa Ferreira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

Qual é o melhor momento para se começar a ensinar a linguagem escrita para a criança? Esta é uma dúvida que perpassa o fazer pedagógico de quem atua na educação infantil, por não haver um consenso entre os pesquisadores da área. Para melhor compreender essa problemática, o presente estudo tem por finalidade investigar sobre quando se deve iniciar o processo de ensino da linguagem escrita na escola, tendo como abordagem norteadora, a teoria de Vygostsky e do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI). Por meio de estudos bibliográficos constatamos que a linguagem escrita deve ser trabalhada na escola, considerando o nível de desenvolvimento e aprendizagem em que as crianças se encontram. Diferentemente do que acontece em âmbito escolar, não é a idade cronológica das crianças que deve determinar se já é o momento de começar a ensinar a linguagem escrita, e sim o nível de desenvolvimento proximal dessas crianças.

Biografia do Autor

Josiane Peres Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Josiane Peres Gonçalves é Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, 2009); Mestre em Psicologia Social e da Personalidade pela mesma instituição (2002); graduada em Pedagogia pela Universidade Paranaense (1998). É professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campus do Pantanal (UFMS/CPAN) e professora dos cursos de licenciatura em Ciências Sociais e Pedagogia do Campus de Naviraí (UFMS/CPNV). Tem experiência como diretora de campus, coordenadora do curso de Pedagogia, docente de diversos cursos de licenciaturas e especialização, e ainda como professora da Educação Básica. Atua na área de Educação, com ênfase em Psicologia Educacional. É líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Desenvolvimento, Gênero e Educação (GEPDGE). Coordena a pesquisa "Representações Sociais de Famílias, Gestores e Docentes do Gênero Masculino do Estado de Mato Grosso do Sul Sobre a Atuação de Homens Professores Com Crianças", financiada pelo CNPq. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-7005-849X
Josiani Alves Barbosa Ferreira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Graduada em Pedagogia pela UFMS/CPNV. Professora da Rede Municipal de Ensino de Naviraí. E-mail: josiani.yuri@gmail.com

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial
curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/ SEF, 2002.
CARVALHO, D. C. A relação psicologia e alfabetização sob a óptica dos
professores. Disponível em: PDF> Acesso em 20 nov. 2014.
CONTINI, J. A concepção do sistema alfabético por crianças em idade pré-
escolar. In.: KATO, M. A. (org.). A concepção da escrita pela criança. Campinas:
Pontes, 1988.GOMES, B. M.G.M. Reflexão Teoria Sobre a Linguagem Escrita em Vygotsky.
São Paulo: mar 2012. Disponível em: reflexao-teorica-sobre-a-linguagem-escrita-em-vygotsky/85375> Acesso em
17 ago. 2014.
LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: LÚRIA, A
R.; LEONTIEV, A N.; VYGOTSKY, L. S. Linguagem, desenvolvimento e
aprendizagem. 3. ed. São Paulo: Ícone, 1988.
OSTETTO, L. E. Educação infantil: Saberes e fazeres da formação de
professores: Campinas, São Paulo: Papirus, 2008.
REGO. T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórica cultural da educação.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
SIMOES, V. L. B. Histórias infantis e aquisição de escrita. São Paulo em
Perspectiva. São Paulo, v. 14, n. 1, mar., 2000, p. 22-28.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos
psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna
Barreto, Solange Castro Afeche. 6ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
______. Pensamento e Linguagem. Tradução de Jéferson Luiz Camargo. 1ª.
ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
ZANELLA, A. V. Zona de desenvolvimento proximal: análise teórica de um
conceito em algumas situações variadas. Temas em Psicologia. Ribeirão Preto,
v. 2, n. 2, ago. 1994, p. 97-110.
Publicado
2017-05-26