O Desafio da Educação Social nas Adversidades da Privação de Liberdade

  • Ires Aparecida Falcade UFPR,SEED, CEEBJA Dr Mario Faraco – Brasil.

Resumo

Este artigo discute a Educação Social na privação de liberdade. Avalia os dados apresentados no relatório do INFOPEN (2014) da realidade penitenciária do Brasil bem como traz resultados de pesquisa feita no Sistema Penitenciário. Evidencia a falta de articulação entre os diversos setores de justiça criminal brasileira e a ineficiência das mesmas frente ao agravante quadro de encarceramento. Aponta como resultados a importância da Educação Social e reabilitação para estas pessoas.

Biografia do Autor

Ires Aparecida Falcade, UFPR,SEED, CEEBJA Dr Mario Faraco – Brasil.
Doutoranda e mestra em Educação, Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano pela UFPR. Pós-graduação em Direitos Humanos pela UFPR e Educação Especial pela UNICENTRO. Participação em congressos nacionais e internacionais. Atualmente responde pela direção auxiliar do CEEBJA Dr Mário Faraco. Professora de EJA para Estudantes em privação de liberdade - CEEBJA Dr Mario Faraco desde 2004. Possui graduação em Biologia - Faculdades Reunidas de Adm.,Ciencias Contábeis e Econômicas de Palmas (1989) e graduação em Psicologia pela Universidade Tuiuti do Paraná (1996). Extensão Universitária em Psicopedagogia Universidade Tuiuti e Prevenção ao uso e abuso de drogas pela UNB. Experiência profissional no contexto escolar: professora de classe multisseriada, Educação Especial, Ciências e Biologia, Orientação e Supervisão Escolar, Coordenação da Educação Especial do CAIC, Avaliação Psicopedagógica, Técnica Pedagógica Núcleo Regional de Educação e Departamento de Educação Especial da Secretaria de Estado de Educação do Paraná. Professora fase I em unidade Socioeducativa, EJA Educação de Jovens e Adultos do Sistema Penitenciário. Experiência profissional em Psicologia: Avaliação Psicoeducacional, acompanhamento psicopedagógico de alunos de Educação Especial, Orientação Educacional para alunos e professores em mediação de conflitos, indisciplina e inclusão. Psicoterapia e atendimento psicopedagógico de alunos com dificuldades de aprendizagem e orientação à professores, palestras à pais, alunos e professores. Dissertação publicada em 6 idiomas, pesquisadora e escritora sobre pessoas em privação de liberdade.

Referências

AÑAÑOS, F. T. Mujeres presas y su relación com las drogas. Implicaciones desde la educación social. In: AÑAÑOS, F. T. (coord.). Las mujeres en las prisiones: la educación social en contextos de riesgo y conflicto. Barcelona: Gedisa, 2010.

BRASIL. LEP, Lei de Execuções Penais. 1934.

BRASIL, LDB - LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL –
20/12/96.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 14 jul. 2010, Seção 1, p. 824.

BRASIL. MEC - Doc Base DOCUMENTO FINAL - CONAE, 05/27/2010.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3) / Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - rev. e atual. - Brasília : SDH/PR, 2010.

COYLE, A. Administração penitenciária: uma abordagem de direitos humanos. Manual para servidores penitenciários. Londres, 2002.

CUSTÓDIO, Rafael, CALDERONI, Vivian. Informativo Rede Justiça Criminal. Penase mortes no Sistema Prisional brasileiro, janeiro de 2016. Disponível em: www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/ b948337bc7690673a39cb5cdb10994f8.pdf. Acessado em 18/06/2016.

HAMBURGO. Declaração de Hamburgo. Hamburgo, 1997.
FALCADE-PEREIRA, Ires. Aparecida. Ética do cuidado X ética da justiça: o olhar feminino de estudantes privadas de liberdade. Dissertação de Mestrado. Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná. Curitiba.2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 11ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra:1987.

GARLAND, David. Entrevista. Revista eletrônica de jornalismo científico: SBPC.www.comciencia.br/comciencia/?detalhes.asp cod_artigo=436,10/05/2008 - acesso em 24/01/2012.

GÓMES, J. A. C. Introducción. In: AÑAÑOS, F. T. (coord.). Las mujeres en lasprisiones: la educación social en contextos de riesgo y conflicto. Barcelona:Gedisa, 2010.

INFOPEN, levantamento nacional de informações penitenciárias. DEPEN, Ministério da Justiça. Brasil. Junho de 2014.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. A ressocialização através do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: UERJ, 2009.

LANGEANI, Bruno; RICARDO, Carolina. Informativo Rede Justiça Criminal. Um chamado a razão, janeiro 2016. Disponível em www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/.../b948337bc7690673a39cb5cdb10994f8.pdf Acessadoem 18/06/2016.

LIMA, Raquel da Cruz. FONSECA, Anderson Lobo.BRAGA, Felipe Eduardo. Informativo Rede Justiça Criminal. O silêncio eloquente sobre as mulheres no levantamento Nacional de informações penitenciárias.janeiro de 2016. Disponível em www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/.../b948337bc7690673a39cb5cdb10994f8.pdf Acessado em 18/06/2016.

NUNES, A. A realidade das prisões brasileiras. Recife: Nossa Livraria, 2005.

ONOFRE, E. M. C. Educação escolar entre as grades. São Carlos: Edufscar. 2007.

SANTA RITA, Rosângela Peixoto. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade humana. Dissertação de mestrado, UNB. Ministério da Justiça: Brasília, 2007.

SENTO-SÉ, João Trajano. Laboratório de Análise da Violência, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Disponível em. Laboratório de Análise da Violência - UERJ . www.lav.uerj.br/ acessado em 10/06/2016.

WACQUANT, Loïc J. D. Da América como utopia às avessas. In. BOURDIEU, Pierre. (Org.). A miséria do mundo. 5ª . ed. Petrópolis: Vozes, 2003 p. 167- 175.

WACQUANT, Loïc. J. D. Os condenados da cidade: estudos sobre marginalidade avançada. 2 A . ed. Rio de Janeiro: Revan; Fase, 2005.
Publicado
2017-06-02