A Escola como um Espaço Qualificado: Anotações Preliminares (Curitiba, 1960-1970)

  • Iêda Viana Universidade Tuiuti do Paraná

Resumo

As mudanças teórico-metodológicas na historiografia da educação permitiram a substituição de uma análise macro da política educacional, que ignorava ou obscurecia o que ocorria no intramuros da escola, por uma análise mais detalhada do território escolar como espaço de produção de uma cultura própria e de suas transformações. Esta reorientação resultou na valorização de uma prática social exercida por e entre pessoas e também no plano da materialidade física dos instrumentos e espaços que fundamentam e dão suporte a essa ação. A análise da escola remete a várias leituras, dentre as quais o enquadramento da cultura material da prática educativa, consubstanciada sinteticamente: a) na escola como um espaço qualificado – seu projeto arquitetônico e suas funções; b) nos seus instrumentos qualificadores – tudo o que se constitui em apoio para a realização das práticas de ensino/aprendizagem; c) no tecido das relações interpessoais que sustenta essas práticas. Neste artigo, pretende-se realizar uma exploração inicial sobre o espaço qualificado – a arquitetura escolar e suas relações com o projeto político e pedagógico, na perspectiva da pesquisa históricodocumental, tendo como foco a rede municipal de ensino de Curitiba.

Biografia do Autor

Iêda Viana, Universidade Tuiuti do Paraná
Possui doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2006) e mestrado em História Social pela Universidade Federal do Paraná (1995). Atualmente atua como professor e pesquisador no Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e nos cursos de graduação em História e Pedagogia da Universidade Tuiuti do Paraná. Tem experiência na área de Educação e História, com ênfase em História e historiografia da educação; Fundamentos de prática pedagógica; Memória e gestão documental; Instituições, intelectuais e cultura escolar; Ensino de História; Arquivos e fontes escolares.

Referências

BENCOSTTA, M. L. A. “Arquitetura e espaço escolar: o exemplo dos primeiros
grupos escolares de Curitiba (1903-1928)”. In: BENCOSTTA, M. L. A. C.
(org.). História da Educação, Arquitetura e Espaço Escolar. São Paulo: Cortez,
2005a. pp. 95-140.
______. “Grupos Escolares no Brasil: um novo modelo de escola primária”. In:
STEPHANOU, M. e BASTOS, M.H.C. (orgs.) História e memórias da educação
no Brasil. Vol. III. Petrópolis: Vozes, 2005b.
BOLETIM CASA ROMÁRIO MARTINS. Memória da Rede Municipal de
Ensino de Curitiba. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, v. 30, n. 133,
mar. 2007.
CHÂTELET, A-M. La Naissance de l’ architecture scolaire. Les écoles
éleméntaires parisienses de 1879 à 1914. Paris: Honoré Champion, 1999.
CORREIA, A. P. P. História & Arquitetura Escolar: Os prédios Escolares
Públicos de Curitiba (1943-1953). Dissertação (Mestrado) – Programa de PósGraduação
em Educação da Universidade Federal do Paraná, 2004.
______. Arquitetura escolar: a cidade e a escola rumo ao progresso. In:
BENCOSTTA, M. L. A. C. (org.). História da Educação, Arquitetura e Espaço
Escolar. São Paulo: Cortez, 2005a, pp.220-257.
Colombo, Escola para menores Queiroz Filho: entre escola e prisão (1965-
1992). In: BENCOSTTA, M. L. A. C. (org.). História da Educação, Arquitetura
e Espaço Escolar. São Paulo: Cortez, 2005a, pp. 258-283.
ESCOLANO, A. “La arquitectura como programa. Espacio - escuela y curriculum”.
Historia de la Educación. V. XII-XIII. Madrid, 1993-1994, pp. 97-120______. tiempos y espacios para La escuela. Ensayos históricos. Madrid:
Biblioteca Nueva, 2000.
FARIA FILHO, L. M. de. Dos pardieiros aos palácios. Cultura escolar e urbana em
belo Horizonte na Primeira República. Passo Fundo: Editora da UPF, 2000.
FARIA FILHO, L.M. e VIDAL, D. G. “Os tempos e os espaços escolares no
processo de institucionalização da Escola Primária no Brasil”. Revista Brasileira
de Educação, n. 14, mai./jun./jul./ago. 2000.
FERNANDES, A. Planejamento urbano de Curitiba: a institucionalização de um
processo. In: IPPUC, Memória da Curitiba urbana. 1990, vol. 4, p. 71-74.
______. Cultura de escola: entre as coisas e as memórias. Pro -posições, v.16,
n.1 (46) jan/abril 2005.
INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA –
IPPUC. Memória da Curitiba urbana. Nov. 1989, 37 p. (Depoimentos 1).
______. Memória da Curitiba urbana. Set. 1991, 320 p. (Depoimentos 7).
IWAYA, M. Palácio da Instrução: representações sobre o Instituto de Educação
do Paraná Professor Erasmo Pilotto (1940-1960). Dissertação (Mestrado)
– Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do
Paraná, 2001.
Le couer, M. Os liceus na cidade: o exemplo parisiense (1802-1914). In:
BENCOSTTA, M. L. A. C. (org.). História da Educação, Arquitetura e Espaço
Escolar. São Paulo: Cortez, 2005.p.p. 48-91.
MENEZES, CLAUDINO, L. Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente: a
experiência de Curitiba.São Paulo: Papirus, 1996.
MONARCHA, C. “Arquitetura Escolar Republicana: a Escola Normal da Praça
e a construção de uma imagem de criança”. In: História Social da Infância no
Brasil. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1999.
CURITIBA, Prefeitura Municipal de, Departamento de Bem Estar Social,
Diretoria de Educação. Relatório Anual 1970. Gestão Omar Sabbag. Curitiba,
1970.
POZO ANDRÉS, M. M. Urbanismo y educación. Política educativa y expansión
escolar em Madrid (1900-1931). Alcalá de Henares: Universidad de Alcalá,
1999.
SOUZA, R.F. Templos de civilização. A implantação da Escola primária
Graduada no Estado de São Paulo (1880-1910). São Paulo: Editora da
UNICAMP, 1998.______. Prefácio. In: BENCOSTA, M. L. A. C. (org.). História da Educação,
Arquitetura e Espaço Escolar. São Paulo: Cortez, 2005a, p.p. 7-13.
Viana, I. “Artes de fazer” na reforma escolar: o projeto de estudos sociais a
partir da longa duração em Curitiba (décadas de 1970-1980). Tese (Doutorado
em Educação). Curitiba, 2006. Setor de Educação. UFPR.
VIÑAO, A.”Del espacio escolar y la escuela como lugar”. Historia de La
Educación, n.12-13, pp. 17-74,1993-94a.
______. “Construcciones y edificios escolares durante el sexenio democrático
(1868-1874)”. Historia de La Educación, n.12-13, pp. 493-534,1993-94b.
______. “L’ espace et le temps scolaires comme objet d’ histoire”. Histoire de
l’ education, n.78,mai.1998, pp.89-108.
ZARANKIN, A. Paredes que domesticam: arqueologia da arquitetura escolar
capitalista. O caso de Buenos Aires. Campinas: Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP), 2003.
Publicado
2013-12-30