Trabalho Alienado E Sofrimento Na Formação Profissional Do Técnico De Enfermagem

  • Amailson Sandro de Barros Universidade Federal de Mato Grosso

Resumo

Este artigo discute a relação entre trabalho alienado e sofrimento na formação profissional do técnico de enfermagem, a partir da realização do estágio curricular supervisionado. Para tanto, apresenta-se o conceito de trabalho alienado, segundo o referencial teórico de Marx e autores marxistas, e sua influência para o processo de sofrimento vivenciados pelos estagiários durante e após realização dos estágios curriculares no ambiente hospitalar. Participaram da pesquisa 15 estagiários, regularmente matriculados em um curso Técnico de Enfermagem, ofertado pela rede pública de ensino do Estado do Paraná. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas e analisados a partir da Análise de Conteúdo, proposta por Bardin (1977). Os resultados evidenciam, na concepção dos entrevistados, a importância do estágio para a formação profissional e demonstram que esse momento é de sofrimento. Para os participantes desta pesquisa, esse sofrimento é considerado como um fenômeno necessário à formação profissional na área de enfermagem.

Biografia do Autor

Amailson Sandro de Barros, Universidade Federal de Mato Grosso
Possui Graduação em Psicologia e Letras pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), é Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente é coordenador e professor do curso de Psicologia da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Cuiabá, Tutor do PET Conexões de Saberes - "Inclusão, Diversidade e Protagonismo na UFMT", Coordenador do Núcleo de Estudos de Psicologia Social Comunitária (NUPSCO) da UFMT, projeto de extensão que visa o estudo e as práticas da psicologia social comunitária. É integrante do Núcleo de Psicologia Comunitária, Educação e Saúde (NUPCES)/PPGE- UFPR. Atuou como psicólogo do Centro de Referência Especializado de Assistência Social do Município de Irati/PR e de Guarapuava/PR, foi professor do Curso de Psicologia da Faculdade Campo Real em Guarapuava/PR.Seus projetos de investigação e intervenção priorizam os seguintes temas: psicologia social comunitária, violência doméstica e intrafamiliar, práticas e estratégias de intervenção psicossocial, trabalho em rede e formação profissional.

Referências

ANTUNES, R. (org.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São
Paulo: Expressão Popular, 2004.
AVELLAR, L. Z.; IGLESIAS, A.; VALVERDE, P. F. Sofrimento psíquico
em trabalhadores de enfermagem de uma unidade de oncologia.
Psicologia em Estudo, Maringá, v. 12, n.3,475-481, 2007. Disponível
em: http//www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
73722007000300004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 02/03/2012.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BARROS, A. S.; MARTINS, C.R.M. A percepção do Técnico de Enfermagem
sobre sua formação em tanatologia. Revista de Psicologia da UNESP, v. 8, n.
1, p. 110-121, 2009. Disponível em: http://www.assis.unesp.br/perfilvertentes/
index.php/revista/issue/view/11. Acesso em: 10/03/2012.
BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio
de estudantes, altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do
Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943,
e a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996; revoga as Leis nº 6.494, de 7
de dezembro de 1977, e 8.859, de 23 de março de 1994, o parágrafo único doart. 82 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e o artigo 6º da Medida
Provisória nº 2.164-41, de 24 de agosto de 2001.Brasília, 2008.
BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho
no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.
CASETE, J. C.; CORRÊA, A. K. Vivências de alunos de enfermagem em estágio
hospitalar: subsídios para refletir sobre a humanização em saúde. Rev. Escola
de Enfermagem da USP, v. 40, n. 3, p. 321-328, 2006. Disponível em: http://
www.ee.usp.br/reeusp. Acesso em 20/03/2012.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.
ITO, E. E. O estágio curricular segundo a percepção dos enfermeiros assistenciais
de um hospital de ensino. Dissertação de Mestrado em Enfermagem,
Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2005.
KOVÁCS, M. J. Educação para a morte: desafios na formação de profissionais
de saúde e educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
KUENZER, A. Z. Sob a reestruturação produtiva, enfermeiros, professores e
montadores de automóveis se encontram no sofrimento do trabalho. Revista
Trabalho, Educação e Saúde. v. 02, n. 01, p. 239-265, 2004.
MARX, K. Capítulo VI inédito de o capital. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2004.
______. O Capital: crítica da economia política. 27 ed. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2010.
MORAES, R. J. S. de; SILVA, G. L. R. da; ROSSLER, J. H.). A alienação e
o sofrimento da classe trabalhadora: contribuições da psicologia históricocultural.
Rev. Eletrônica Arma da Crítica, 2, número especial, 72-97, 2010.
Disponível em: www.armadacritica.ufc.br/phocadownload/artigo_5_especial.
pdf. Acesso em 23/03/2012.
NETTO, J.P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. 7. ed. São
Paulo: Cortez, 2007.
PATTON, M.Q. Qualitative evaluation and research methods. 2. ed. Newbury
Park, CA: Sage, 1990.
PEREIRA, I. B.; RAMOS, M.N. Educação profissional em saúde. Rio de Janeiro:
Editora Fiocruz, 2006.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. S. Paulo: Atlas, 1999.
STUTZ, B. L.; JANSEN, A.C.). Ensino técnico na área da saúde: os desafios do
processo de aprendizagem. Rev. Psicologia Escolar e Educacional. Campinas, v.
10. n. 02, 2006. Disponível em: http//www.scielo.br/pdf/pee/v10n2/v10n2a05.
pdf Acesso em: 18/05/2012.
Publicado
2013-12-30