Gestão Orientada por Resultados no Contexto do Federalismo Brasileiro: Perspectivas e Desafios para a Educação Municipal

  • Jean Mário Araújo Costa Universidade Federal da Bahia
  • Maria Couto Cunha Universidade Federal da Bahia

Resumo

Este artigo toma como referência uma pesquisa de doutoramento em Educação na UFBA, a qual busca analisar a gestão da educação municipal orientada por resultados, enquanto influência da Nova Gestão Pública e suas repercussões no atendimento à demanda educacional, levando em conta as relações intergovernamentais no contexto do federalismo brasileiro. Os resultados preliminares obtidos por meio de revisão bibliográfica e da análise de alguns documentos revelaram que os processos baseados nesta lógica se caracterizam muito mais como práticas desconcentradoras, em que o local é considerado como uma unidade administrativa a quem cabe colocar em ação políticas concebidas no nível do poder central. Nesse sentido, a gestão educacional orientada por resultados tem menos a ver com a disponibilidade de mecanismos para a equalização das condições de oferta educacional e mais com um processo de recentralização e controle das políticas educacionais.

Biografia do Autor

Jean Mário Araújo Costa, Universidade Federal da Bahia
Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestrado em Educação pela UFBA, Graduado em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Especialista em Política do Planejamento Pedagógico: currículo, didática e avaliação pela UNEB. É Pesquisador do Grupo de Pesquisa Política e Gestão da Educação da UFBA e do Grupo de Pesquisa Gestão e Avaliação de Politicas e Projetos Sociais (GAPPS), da Universidade Católica do Salvador (UCSal). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Gestão, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas, Formação de Professores, Atuação do Coordenador Pedagógico, Práticas Pedagógicas, Financiamento da Educação e Organização de Sistemas de Ensino.
Maria Couto Cunha, Universidade Federal da Bahia
Possui graduação em Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1972), graduação em Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1973), mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (1978) e doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2002). É professora no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, com experiência na área de Educação, com ênfase em Política e Gestão da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: política educacional, gestão educacional, educação municipal, educação superior e formação e valorização dos professores da Educação Básica.

Referências

AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou
compafrável: crítica à accountability baseada em testes estandardizados e
rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, n. 13, p. 13-29, 2009.ARELARO, L. R. G. A municipalização do ensino no estado de São Paulo:
antecedentes históricos e tendências. In: OLIVEIRA, C. et al. (org.).
Municipalização do Ensino no Brasil: algumas leituras. Belo Horizonte, MG:
Autêntica, 1999. p. 61-89.
ABRUCIO, F. L. Impacto do modelo gerencial na administração pública: um
breve estudo sobre a experiência internacional recente. Brasília: Enap, 1997.
(Série Cadernos Enap, 10)
ABRUCIO, F. L. A coordenação federativa no Brasil: a experiência do período
FHC e os desafios do governo Lula. Revista de Sociologia e Política, n. 24, p.
41-67, 2005.
ABRUCIO, F. L.; COSTA, V. M. F. Reforma do estado e o contexto federativo brasileiro.
São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 1998. (Série Pesquisas, nº 12)
AZEVEDO, J. M. L. de. Implicações da nova lógica de ação do estado para
a educação municipal. Educ. Soc.. v. 23, n. 80, setembro/2002, p. 49-71 71
Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 03/02/2012.
BALL, S. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação.
Currículo sem fronteiras, v. 1. n. 2, p. 27-43, 2001.
BALL, S. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Educ.
Soc.. v. 25, n. 89, p. 1105-1126, Set./Dez. 2004.
BARRETO, M. I.; VIGEVANI, T. Cenário global e o espaço de intervenção dos
governos locais. In: MARTINS, Â. M.; OLIVEIRA, C. de; BUENO, M. S. S.
(Org.). Descentralização do estado e municipalização do ensino: problemas e
perspectivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.
BARROSO, J. O estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educ.
Soc.. v. 26, n. 92, p. 725-751, Especial - Out. 2005.
BIANCHETE, R. G. O ressurgimento neoliberal. In: BIANCHETE, R. G. Modelo
neoliberal e políticas educacionais. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.
Salvador: Empresa Gráfica da Bahia, 1988.
BRASIL. Ministério da Administração e Reforma do Estado. Plano diretor da
reforma do aparelho do Estado. Brasília, 1995.
BRESSER, L. C. P. Da administração pública burocrática à gerencial. In:
BRESSER, L. C. P.; SPINK, P. Reforma do estado e administração pública
gerencial. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2003.
BOAVENTURA, E. (Org.). Políticas Municipais de Educação. Salvador: EDUFBA,
1996.BORDIGNON, G. Democratização e descentralização da educação: políticas
e práticas. Revista Brasileira de Administração da Educação Brasília, v. 9, n.
1, p.71-86, jan./jun. 1993.
CURY, C. R. J. Federalismo político e educacional. In: FERREIRA, N. S. C.
(Org.). Políticas públicas e gestão da educação. Brasília: Líber Livro, 2006.
FREITAS, D. N. T. de. A gestão educacional na interseção das políticas federal
e municipal. Revista da Faculdade de Educação. v. 24, n. 2, jul./dez/1998.
GOMES, E. G. M. Gestão por resultados e eficiência na administração
pública: uma análise à luz da experiência de Minas Gerais. 2009, 187 f. Tese
(Doutorado). Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Fundação
Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.
GOW, J.; DUFOUR, C. Is the new public management a paradigm? does it
matter? International Review of Administrative Sciences, v. 66. p. 573-597,
2000.
LIJPHART. A. Modelos de Democracia: desempenho e padrões de governo
em 36 países. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
QUIRK, B. Accountable to everyone: postmodern pressures on public managers.
Public Administration, v. 75, Autumn, p. 569-586, 1997.
ROBERTSON, S. L.; DALE, R. Regulação e risco na governação da educação:
gestão dos problemas de legitimação e coesão social em educação nos estados
competitivos. Educação, Sociedade & Cultura, n. 15, p. 117-147, 2001.
ROSAR, M. de F. F. A Municipalização como estratégia de descentralização e
de desconstrução do sistema educacional brasileiro. In: OLIVEIRA, D. A. (org.).
Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. Petrópolis-RJ:
Vozes, 1997. p. 105-140
SHIROMA, E. O; EVANGELISTA, O. Avaliação e responsabilização pelos
resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. Perspectiva,
Florianópolis, v. 29, n. 1, p. 127-160, jan./jun. 2011.
Publicado
2013-12-30