Inclusão Digital Em Telecentros: A Ótica Dos Monitores

  • Helga Nazario Universidade Estácio de Sá
  • Estrella Bohadana Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Resumo

Neste artigo, indagamos se os usos da Internet em telecentros se constituem em ações de inclusão digital. Os dados apresentados são decorrentes de pesquisa que investigou as relações entre Tecnologias da Informação e Comunicação e jovens de baixa renda usuários da Internet, no Município de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro. Na primeira seção, contextualizamos o acesso à Internet e os projetos que visam sua expansão no cenário brasileiro. Na segunda seção, apresentamos parte da pesquisa e da metodologia escolhida para a análise de dados – a Teoria de Análise Argumentativa de Perelman e Olbrecths-Tyteca. Na terceira seção, propomos as conceituações teóricas de Canclini, Cazeloto, Soares, Sorj e Warschauer, atentando para as articulações entre inclusão digital e exclusão social. Finalmente, na última seção, encerramos o trabalho concluindo que os usos da Internet em telecentros não promovem a inclusão digital no Município. As atividades proporcionadas pelos telecentros não correspondem à inclusão digital no sentido de promover a inclusão social de seus usuários, como pretendem os discursos governamentais. Além disso, esses novos espaços de socialização não reduzem a marginalização já instaurada nesse grupo, evidenciando a precariedade da estratégia.

Biografia do Autor

Helga Nazario, Universidade Estácio de Sá
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, pós-graduação em Orientação Educacional no Instituto La Salle e mestrado em Educação na Universidade Estácio de Sá.
Estrella Bohadana, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Doutorado em Comunicação Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1991). Atualmente é professor Adjunto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e do Programa de Pós-Graduação da Universidade Estácio de Sá. É membro da "Red de Estudios de la Economía Mundia"l (REDEM). Integra o conselho editorial da revista Trieb (Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro) e dos Cadernos de Psicanáliese (Sociedade de Psicanálise da Cidade do Rio de Janeiro). Tem experiência nas áreas de Filosofia e de Educação, esta última com ênfase em Tecnologias de Informação e Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: tecnologias de informação e comunicação, construção do conhecimento e ética.

Referências

AMARAL, M., BOHADANA, E. Conectividade e mobilidade social: pilares da
inclusão digital?”. Revista Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 2-21, 2008.
BRASIL. MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. O que é um Telecentro e
para que serve ?. Disponível em: http://www.idbrasil.gov.br/docs_telecentro/
docs_telecentro/o_que_e Acesso: 22 de outubro de 2008.
BRASIL. GOVERNO FEDERAL – INCLUSÃO DIGITAL. Programas
governamentais para inclusão digital. Disponível em: gov.br/inclusao/outros-programas>. Acesso: 10 de outubro de 2008 e 22 de
outubro de 2008.
IBGE. Uma análise das condições de vida da população brasileira 2008. Disponível
em: indicadoresminimos/sinteseindicsociais2008/indic_sociais2008.pdf>. Acesso:
20 de maio de 2009.
BRASIL. MINISTÉRIO DA FAZENDA, SERPRO. Inclusão digital – o programa.
Disponível em: . Acesso em: 11
de junho de 2010.CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados: mapas da
interculturalidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007.
CASTRO, M.R. de. Retóricas da rua: educador, criança e diálogos. Rio de
Janeiro: Petrobrás-BR: Ministério da Cultura: USU Ed. Universitária: Amais,
1997.
CAZELOTO, E. Inclusão digital: uma visão crítica. São Paulo: Editora Senac
São Paulo, 2008.
CGI. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação
no Brasil: TIC Domicílios e TIC Empresas 2008. Coordenação executiva e
editorial Alexandre F. Barbosa; São Paulo: Comitê Gestor da Internet no
Brasil, 2009.
CGI. Análise dos Resultados da TIC Domicílios 2009. Série história – Total Brasil
e área urbana. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2010.
FREIRE, P. Cartas à Cristina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.
FREIRE, P.; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre
educação e mudança social. Petrópolis: Vozes, 2003.
MATTOS F. A. M., CHAGAS J. G. N. Desafios para inclusão digital no Brasil.
Revista Perspectiva em Ciência da Informação, v. 13, n.1, p. 67-94, jan/abr.
2008.
PERELMAN, C., Olbrecths-Tyteca. Tratado da Argumentação: a nova retórica.
2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
RIZZINI, I. et al. Pesquisando...guia de metodologias de pesquisa para
programas sociais Rio de Janeiro: Santa Úrsula, 1999.
SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira
de Educação. n. 25, p. 05-17, 2004.
SORJ, B., GUEDES L.E. Exclusão digital. Novos Estudos. n. 72, p. 101-117,
julho 2005.
WARSCHAUER, M. Tecnologia e inclusão digital: a exclusão digital em debate.
São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2006.
Publicado
2013-12-30