O Discurso da Educação Escolar no Currículo das HQs do Chico Bento

  • Daniela Amaral Silva Freitas Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Marlucy Alves Paraíso Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Este trabalho traz resultados de uma investigação que analisou quais, e de que forma, sentidos sobre a escola e seus elementos (tempo-espaço e currículo) são produzidos nas histórias em quadrinhos (HQs) do Chico Bento. A investigação foi realizada utilizando conceitos retirados dos Estudos Culturais, em sua perspectiva pós-estruturalista, e dos estudos de Michel Foucault. O argumento aqui desenvolvido é que o discurso da educação escolar veiculado nas HQs do Chico Bento divulga uma escola disciplinar, com tempos e espaços compartimentados e cheios de regras e com um currículo que ensina mais procedimentos considerados adequados do que conhecimentos relacionados às disciplinas escolares. Este artigo mostra que os sujeitos pedagógicos divulgados nas HQs do Chico Bento possuem muitas marcas já amplamente divulgadas e aceitas em nossa sociedade, mas que seus efeitos constitutivos não estão completamente garantidos. Isto se dá porque há, no discurso investigado, conflitos, brechas para seu questionamento e resistências ao que é ensinado pelo currículo das HQs do Chico Bento.

Biografia do Autor

Daniela Amaral Silva Freitas, Universidade do Estado de Minas Gerais
Doutora em Educação, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação na FaE/UFMG. Possui mestrado pela mesma instituição (2008), especialização em Educação Infantil pela UEMG (2006) e graduação em Letras Licenciatura e Bacharelado pela UNICAMP (2004). É professora da Faculdade de Educação da Universidade do Estado de Minas Gerais. Participa do GECC (Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Currículos e Culturas) da FaE/ UFMG e do NEPEL (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Linguagem), da FaE/ UEMG. Trabalhos de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Linguagem (Literatura Infantil e Juvenil; Leitura e Escrita; Alfabetização e Letramento), de Currículo e de Diversidade (relações étnico-raciais).
Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais
É professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, onde atua desde 1995 e do Programa de Pós-graduação em Educação da mesma universidade desde 2003. É pesquisadora 1C do CNPq. É Coordenadora do GECC: Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Currículos e Culturas da FAE/UFMG, que fundou em 2002 e coordenou nos seguintes períodos: 2002 a 2004, 2006 a 2008 e 2013 até a atualidade. É coordenadora da linha "Currículos, Culturas e Diferença" do Programa de Pós-Graduação em Educação da FAE/UFMG desde março de 2015 (quando a linha foi criada). Foi Coordenadora da Comissão de Acompanhamento e Auto Avaliação do Programa de Pós-Graduação em Educação da FAE/UFMG de fevereiro de 2015 a fevereiro de 2017. Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da FAE/UFMG no período de maio de 2010 a outubro de 2012. Foi membro da Comissão Editorial de Educação em Revista (FAE/UFMG) durante 4 anos (de 2006 a 2010). Foi parecerista do GT currículo da ANPEd no período de 2002 a 2008. Foi Professora Colaboradora do Mestrado em Currículo da Universidade Salesiana de Quito (Equador) de 2005 a 2008. Concluiu em janeiro de 2015 um Estágio Sênior na Universidade de Barcelona - Espanha (realizado de fevereiro de 2014 a janeiro de 2015), com Bolsa CAPES. Possui Pós-Doutorado (PHD) em Educação pela Faculdad de Filosofia y Ciências de la Educación de la Uiversidad de Valência Espanha (2009) com bolsa CAPES; Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002); Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995) e Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa (1992). Todos os seus trabalhos de ensino, pesquisa, extensão e orientação têm como foco os currículos escolares e não escolares. Investiga e orienta teses de doutorado e dissertações de mestrado principalmente nos seguintes temas: currículo e diferença, currículo e culturas, currículo e gênero, políticas de currículos, currículos e outros artefatos tecnoculturais, currículo e mídia.

Referências

CARVALHO, M. P. Mau aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam
meninas e meninos. Revista Estudos Feminostas. Florianópolis, v. 9, n. 2,
2001.
CORAZZA, S. Currículo como modo de subjetivação do infantil. In: CORAZZA,
S. O que quer um currículo: pesquisas pós-críticas em educação. Petrópolis:
Vozes, 2001.
DAL’IGNA, M. C. Desempenho escolar de meninos e meninas: há diferença?.
Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 46, 2007.
DELEUZE, G. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: 34, 1992.
EIZIRIK, M. F.; COMERLATO, D. A escola (in)visível: jogos de poder, saber e
verdade. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2004.
ESCOLANO, A. Arquitetura como programa. Espaço-Escola e currículo. In:
FRAGO, A. V.; ESCOLANO, A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura
como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
FABRIS, E. T. H. Representações de espaço e tempo no olhar de Hollywood
sobre a escola. 1999. 182f. Dissertação – Curso de Mestrado em Educação,
Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto
Alegre.
FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1981.
FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
2005.
FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 2006.
GIROUX, H. A disneyzação da cultura infantil. In: SILVA, T. T. Territórios
contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis:
Vozes, 1995.
GOERGEN, P. Espaço e tempo na escola: constatações e expectativas. 2005.
Disponível em: Texto%20PEDRO.doc>. Acesso em: 20 jun. 2007.
GREEN, B.; BIGUN, C. Praticando Estudos Culturais nas Faculdades de
Educação. In: SILVA, T. T. (org). Alienígenas na sala de aula: uma introdução
aos assuntos culturais em Educação. Petrópolis: Vozes, 1995.
LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes, 1997.LOURO, G. L. Gênero e Sexualidade (Entrevista). Revista Presença Pedagógica,
n. 72. Belo Horizonte: Dimensão, nov./dez. 2006.
MEYER, D. Gênero e Educação: teoria e política. In: LOURO, G. FELIPE, J.
GOELLNER, S. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo em
educação. Petrópolis: Vozes, 2005.
NARODOWSKY, M. Infância e Poder: conformação da pedagogia moderna.
Bragança Paulista: Ed. da Universidade São Francisco, 2001.
PARAÍSO, M. A. Currículo e aprendizagem: relações de gênero e raça na
escola. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 7, 2006,
Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC-UDESC, 2006. v. 1.
PARAÍSO, M. A. Currículo e mídia educativa brasileira. Chapecó: Argos Editora
Universitária, 2007.
PARAÍSO, M. A. Composições curriculares: culturas e imagens que fazemos
e que nos fazem. Revista ETD: UNICAMP, 2008.
PERROT, M. As mulheres e os silêncios da história. Bauru: EDUSC, 2005.
ROCHA, C. O espaço escolar em revista. In: COSTA, M. V. Estudos Culturais
em educação. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2000.
SANTOS. L. L. & PARAÍSO, M. Dicionário Crítico da Educação: Currículo.
Presença Pedagógica. Belo Horizonte. V. 2, n. 7, jan/fev. 1996.
SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e
Realidade. v. 20, n. 2, jul./dez., 1995.
SILVA, C. A. D. et al. Meninas bem-comportadas, boas alunas; meninos
inteligentes, indisciplinados. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 107, p.
207-225, jul. 1999.
SILVA, T. T. Currículo e identidade social: territórios contestados. In: SILVA,
T.T. Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos Estudos Culturais em
Educação. Petrópolis: Vozes, 1995.
VARELA, J.; ALVAREZ-URIA, F. A maquinaria escolar. Teoria e Educação,
Porto Alegre, n. 6, 1992.
Publicado
2013-12-30