A Arte, a Afetividade e o Sistema Educacional: O Desenvolvimento Humano em Questão

  • René Simonato Sant’Ana-Loos Universidade Federal do Paraná
  • Helga Loos-Sant’Ana Universidade Federal do Paraná
  • Márcia Cristina Cebulski UNICENTRO

Resumo

Partindo-se da hipótese de que a condução da educação não tem levado o verdadeiro desenvolvimento humano aos educandos, objetiva-se, no presente ensaio, discutir a importância da Arte para este desenvolvimento e, consequentemente, o papel imprescindível da Arte na Educação. Se bem entendida sua relevância, pode contribuir para a concretização de uma educação integral, ou seja, aquela que compreende todos os aspectos que constituem o indivíduo humano, incluindo a afetividade. A afetividade aqui é redimensionada, apresentada de maneira ampliada, buscando-se dirimir os preconceitos relativos à dicotomia entre razão e emoção, como também enfatizando sua participação ativa na aquisição de conhecimentos. Nesse sentido, propõe-se ainda uma releitura de um processo psicológico dos mais significativos que caracterizam a Arte: a catarse. Tendo em vista o real desenvolvimento humano e não a simples purgação das dificuldades existenciais, a catarse pode se tornar um instrumento semeador de ideias e sentimentos, com o compromisso de contribuir para a construção do melhor que há em nós: ética, afetividade e inteligência. Finalizase com considerações acerca do teatro na escola, como exemplo do papel da Arte na Educação.

Biografia do Autor

René Simonato Sant’Ana-Loos, Universidade Federal do Paraná
Possui Licenciatura em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (2004), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2006) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (linha de pesquisa: Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano). Tem experiência em ensino médio e superior nas área de Filosofia, Valores Humanos e Psicologia da Educação. Como pesquisador atua principalmente nos seguintes temas: educação; psicologia do desenvolvimento humano; filosofia; pensamento-crítico; ensino-aprendizagem; relações entre cognição e afetividade.
Helga Loos-Sant’Ana, Universidade Federal do Paraná

Cursou Magistério (1982) - com habilitação em Educação Pré-Escolar (1983) no Instituto de Educação do Paraná, possuindo experiência em ensino pré-escolar e fundamental. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1994), mestre em Psicologia (Psicologia Cognitiva) pela Universidade Federal de Pernambuco (1998), doutora em Educação (Psicologia, Desenvolvimento Humano e Educação) pela Universidade Estadual de Campinas (2003) - com permanência de 18 meses (doutorado em modalidade sandwich) no Instituto de Psicologia da Philipps Universität Marburg - Alemanha (2001-2002). Atualmente é professora Associada I na Universidade Federal do Paraná, atuando na Graduação e na Pós-Graduação, na área de Psicologia da Educação e do Desenvolvimento. As atividades de ensino e pesquisa concentram-se nos seguintes temas: relações estruturais e funcionais entre cognição e afetividade; aspectos afetivos da aprendizagem; aspectos afetivos da aprendizagem da matemática; desenvolvimento da identidade e do self humanos; crenças autorreferenciadas (autoconceito, autoestima e crenças de controle); autorregulação; coping e resiliência; aspectos atípicos do desenvolvimento e suas relações com a aprendizagem; suporte familiar no desenvolvimento; mediação de conflitos; desenvolvimento moral; psicologia da arte; metodologia de pesquisa.

 
Márcia Cristina Cebulski, UNICENTRO
Possui graduação em Educação Artística pela Faculdade de Artes do Paraná (1996), graduação em Direito pela Universidade Federal do Paraná (1989), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2007) e doutorado em Educação (2014) também pela UFPR. Atualmente é professora de teatro no Departamento de Artes da UNICENTRO, PR. Tem experiência na área de Arte (Teatro) e Educação; Linha de pesquisa em Pesquisa em Artes/Arte e Ensino. Atua principalmente nas seguintes sub-áreas: Teatro; Contação de Histórias; Ensino-Aprendizagem; Cognição, Afetividade, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano; Fundamentos da Arte e da Educação; Psicologia e História da Arte; Cultura e Arte Africana e Indígena e Cultura Polonesa.

Referências

ABBAGNANO. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BARBOSA, A.M. Teoria e prática da educação artística. São Paulo: Cultrix,
1995.
CEBULSKI, M.C. O Teatro, com Arte, na Escola: possibilidades educativas
da tragédia grega Antígone. Dissertação de Mestrado, Pós-Graduação em
Educação, Universidade Federal do Paraná, 2007.
DEBRAY, R. Vida e Morte da Imagem: uma história do olhar no ocidente.
Petrópolis: Vozes, 1993.
JAPIASSU, R. Metodologia do ensino do teatro. São Paulo: Papirus, 2003.
LEME, M.I.S. Cognição e Afetividade na Perspectiva da Psicologia Cultural. In:
ARANTES, V. A. (Org.). Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas.
São Paulo: Summus, 2003.
OLIVEIRA, M. E. Teatro na escola e caminhos de desenvolvimento humano:
processos afetivo-cognitivos de adolescentes. Dissertação de Mestrado, PósGraduação
em Educação, Universidade Federal do Paraná, 2010.
PEIXOTO, M. I. Relações arte, artista e grande público: a prática estéticoeducativa
numa obra aberta. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de
Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2001.
SANT’ANA, R.S.; LOOS, H.; CEBULSKI, M.C. Afetividade, Cognição e
Educação: ensaio acerca da demarcação de fronteiras entre os conceitos
e a dificuldade de ser do homem. In: LOOS, H.; SANT’ANA, R.S. (Orgs.).
Dossiê: cognição, afetividade e educação. Educar em Revista, nº. 36, jan.-
abr. 2010.
SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. São Paulo:
Cortez, 1992.
VIEIRA, C.E. Historicismo, cultura e formação humana no pensamento de
Antônio Gramsci. Tese (Doutorado em Educação), Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, 1999.
VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
______. Psicologia da arte. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
Publicado
2013-12-30