Salas De Apoio Pedagógico E Suas Implicações No Trabalho E Fazer Docente De Professoras Da Sala Regular

  • Aliciene Fusca Machado Cordeiro Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE
  • Mariana Datria Schulze Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Resumo

Este estudo visa a compreender as implicações do encaminhamento de estudantes para salas de apoio pedagógico no trabalho docente dos professores de salas regulares. A pesquisa apresentada contou com 157 professoras dos anos iniciais da rede municipal de ensino de uma cidade do sul do país, as quais responderam a um questionário autoaplicável e composto por 18 perguntas, dentre as quais três serão analisadas neste momento. O referencial teórico utilizado contou com Arroyo (2004, 2007), Contreras (2002), Ferreira (2009), Frigotto e Ciavatta (2010), entre outros. Como resultados, evidenciou-se que o encaminhamento para as salas de apoio pedagógico tem como foco o desempenho e rendimento dos estudantes na sala regular. A sala de apoio pedagógico (SAP) caracteriza-se para as docentes como um espaço de práticas de ensino diferenciadas. Observa-se a diferença entre as condições de trabalho dos docentes da sala regular e da SAP, e as professoras participantes do estudo percebem que há uma diferença no fazer docente atrelada às condições de trabalho, mas não as reivindicam, deflagrando a relativização da autonomia do professor e a alienação do fazer pedagógico no processo de escolarização.

Biografia do Autor

Aliciene Fusca Machado Cordeiro, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE

Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1995), mestrado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). É professora-pesquisadora da Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação inclusiva, educação especial, deficiência, educação, ensino e aprendizagem.

 
Mariana Datria Schulze, Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE
Graduada em Psicologia. Especialista em Interdisciplinaridade. Mestre em Educação. Doutoranda em Educação. Tem experiência profissional como professora universitária e coordenadora pedagógica. Atualmente é professora dos Departamento de Psicologia, Publicidade e Propaganda, e Direito da Universidade da Região de Joinville, bem como nos cursos de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e Fonoaudiologia da Associação Educacional Bom Jesus/Ielusc. Pesquisadora vinculada ao Grupo de Pesquisa Núcleo de Pesquisa Escola, Cultura e Trabalho Docente - NUPEDOC como estudante de doutoramento. Pesquisadora vinculada ao Grupo de Pesquisa Cidade, cultura e diferença - CITY. Tem interesse nas temáticas provenientes e atreladas à Psicologia Escolar e Educacional, incluindo formação de professores, estética e filosofia da arte.

Referências

ARROYO, Miguel. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 7. ed.
Petrópolis: Vozes, 2004, 256 p.
______. Condição docente, trabalho e formação. In: SOUZA, João V. (org.).
Formação de professores para a Educação Básica: 10 anos de LDB. Belo
Horizonte: Autêntica, 2007. cap. 13. pp. 191-209.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria.
Porto Alegre: Artmed, 2000, 96 p.
CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002,
296 p.
ESCABORA, Carina. Sala de apoio pedagógico: os sentidos e significados
construídos no município de Barueri, SP. 2006. 194 f. Dissertação (Mestrado
em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.
FERREIRA, Márcia O. V. “Discutir educação é discutir trabalho
docente”: o trabalho docente segundo dirigentes da Confederación
de Trabajadores de la Educación de la República Argentina (CTERA).
Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 14, n. 41, p. 281-394,
maio/ago., 2009. Disponível em: v14n41/v14n41a07.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2011.
FRANCO, Maria Laura Puglisi B. Análise de conteúdo. 3. ed. Brasília: Líber
Livro Editora, 2009, 78 p.
FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (orgs.). A experiência do trabalho
e a educação básica. Rio de Janeiro: DP&A, 2010, 136 p.
GATTI, Bernadete A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília:
Líber Livro Editora, 2007, 85 p.
MACHADO, Adriana M. Crianças de classe especial: efeitos do encontro da
saúde com a educação. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994, 110 p.
MARCELO, Carlos. A identidade docente: constantes desafios. Revista Brasileira
de Pesquisa sobre Formação docente. Belo Horizonte, v. 01, n. 01, p. 109-131,
ago./dez., 2009. Disponível em: < http://formacaodocente.autenticaeditora.
com.br/artigo/exibir/1/3/1>. Acesso em: 15 dez. 2011.
MOYSÉS, Maria A. A. A institucionalização invisível: crianças que nãoaprendem-na-escola.
Campinas, SP: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp,
2001, 256 p.PATTO, Maria H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e
rebeldia. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999, 464 p.
PERRENOUD, Phillipe. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de
uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2001, 230 p.
REGO, Teresa C. R. Educação, cultura e desenvolvimento: o que pensam os
professores sobre as diferenças individuais. In: AQUINO, Julio G. Diferenças
e preconceitos na escola: alternativas teóricas e práticas. 9. ed. São Paulo:
Summus, 1998. cap. 3, p. 49-72.
ROLDÃO, Maria do Céu. Ensinar e aprender: o saber e o agir distintos do
profissional docente. In: ENS, Romilda T.; BEHRENS, Marilda A. Formação
de professores: profissionalidade, pesquisa e cultura escolar. Curitiba:
Champagnat, 2010. cap. 2, p. 25-44.
SAWAIA, Bader (org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética
da desigualdade social. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2010, 160 p.
Publicado
2017-05-26