Uma abordagem lúdica e pedagógica no ensino fundamental: Trabalhando com a Educação Ambiental

  • Nelma Baldin Universidade da Região de Joinville

Resumo

A pesquisa que subsidia este artigo, com objetivo de “sensibilizar para conscientizar crianças, alertando-as sobre a importância do meio ambiente e incentivando-as na preservação da natureza por meio de atividades pedagógicas e lúdicas”, foi aplicada numa abordagem qualitativa numa escola pública de Joinville (SC). Fez-se um estudo comparativo com crianças de 1ºs a 4ºs anos do ensino fundamental, quanto ao conteúdo trabalhado. O mesmo “Roteiro de Questões” foi aplicado antes e depois das atividades da pesquisa. Nesse ínterim, praticaram-se “jogos ambientais”, lúdicos e pedagógicos. Os resultados favoráveis demonstraram a importância da prática de metodologias pedagógicas lúdicas aliadas à Educação Ambiental.

Biografia do Autor

Nelma Baldin, Universidade da Região de Joinville
Possui Graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (1974), Mestrado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina - na área de História do Brasil - Relações Internacionais (1979). Concluiu Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - 1985 (sendo que a tese de doutorado enfatizou aspectos do ensino da História, da História, da Política e da Sociedade). Possui Pós-Doutorado na Università Degli Studi di Bologna (Italia - 1989/1990) na área do Ensino da História (Facoltà delle Scienze della Educazione); e na Università Degli Studi di Roma "La Sapienza" (1990-1991) na área das Teorias da Educação e da História (Facoltà Delle Scienze della educazione e delle Scienze Sociale) e, na Universidade de Coimbra (2009), na área das Ciências da Educação, Políticas Sociais e Ambiente (Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação). Professora da UFSC nos Cursos de Graduação em História e do Curso de Mestrado em Educação (1975 - 1991). Atualmente é professora do Curso de Mestrado em Saúde e Meio Ambiente e do Curso de Mestrado em Educação da Universidade da Região de Joinville - Univille, e professora de Metodologia de Pesquisa nos cursos de Graduação da Univille. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de História e em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: didática da história; história da educação e educação. Atualmente, dá ênfase à educação, educação ambiental, história da educação, história ambiental e patrimonial.

Referências

ANGOTTI, M. Educação Infantil: para que, para quem e por quê? Campinas,
SP: Editora Alínea, 2006.
BATESON, G. Mente e natureza – a unidade necessária. Rio de Janeiro:
Francisco Alves, 1986.
BAPTISTA, W. Educação Ambiental através da ludicidade. Disponível em:
WWW.legadoludico.com/artigos/AEA Acesso em: 12 nov. 2011BOMTEMPO, E. A brincadeira do faz-de-conta: lugar do simbolismo, da
representação, do imaginário. In: KISHIMOTO, T. M. (Org). Jogo, brinquedo,
brincadeira e a educação. 10ª. ed. São Paulo: Cortez, 2007.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado
Federal, 1988.
______. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999 - institui a Política Nacional de
Educação Ambiental, e dá outras providências. Brasília, DF: Senado Federal,
1999.
BURSZTYN, M. Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993.
BRÜGGER, P. Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis: Letras
Contemporâneas, 2004.
CAPRA, F. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1996.
CARVALHO, I. C. de M. Educação para sociedades sustentáveis e
ambientalmente justas. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental
da FURG, Rio Grande, v. especial, p. 46 a 55, dez. 2008.
FLORIANI, D.; KNECHTEL, M. do R. Educação Ambiental – Epistemologia e
Metodologias. Curitiba: Vicentina, 2003.
KISHIMOTO, T. M. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 10ª.
ed. São Paulo: Cortez, 2007.
LAYRARGUES, P. P. Conhecendo a educação ambiental brasileira. In:
LAYRARGUES, P. P. (Coord). Identidades da educação ambiental brasileira.
Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.
MINAYO, M. C. de S. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22
ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2003.
MONTIBELLER FILHO, G. O mito do desenvolvimento sustentável.
Florianópolis: Ed. da UFSC, 2001.
PENTEADO, H. D. Jogo e formação de professores: videopsicodrama
pedagógico. In: KISHIMOTO, T. M. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a
educação. 10ª. ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PIAGET, J. A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
SATO, M.; PASSOS, L. A. Biorregionalismo: identidade histórica e caminhos
para a cidadania. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R.
S. (Org). Educação Ambiental – repensando o espaço da cidadania. 5ª Ed.
São Paulo: Cortez, 2011. p. 227 - 259.SCHÜNEMANN, D. da R.; ROSA, M. B. da. Conscientização ambiental na
educação infantil. Revista Eletrônica do PPGEAmb – CCR/UFSM – Monografias
ambientais. Vol.(1), n°1, p. 122 – 132, 2010. Disponível em: http://cascavel.
ufsm.br/revistas. Acesso em: 12 nov. 2011.
SILVEIRA, R. Educação Ecológica. Disponível em:
http://www.greepet.vet.br/ecologica.php. Acesso em: 13 nov. 2011
SORRENTINO, M.; TRAJBER, R,; MENDONÇA, P.; FERRARO JÚNIOR, L.A.
Educação Ambiental como política pública. Revista Educação e Pesquisa, São
Paulo, v. 31, n 2, p. 285 – 299. maio/ago, 2005.
STRANZ, A.; PEREIRA, F. S.; GLIESCH, A. Projeto Universidade Solidária -
Transmitindo Experiências em Educação Ambiental. In: ZAKRZEVSKI, S. B.
B.; VALDUGA, A. T.; DEVILLA, I. A. (Orgs). I SIMPÓSIO SUL BRASILEIRO
DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, II SIMPÓSIO GAÚCHO DE EDUCAÇÃO
AMBIENTAL, XVI SEMANA ALTO URUGUAI DO MEIO AMBIENTE. Anais...
Erechim (RS): EdiFAPES, 2002.
TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade corporativa – estratégias
de negócios focadas na realidade brasileira. 7ª ed., São Paulo: Editora Atlas,
2011.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes,
2000.
Publicado
2017-06-07
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo