Os Conflitos Sociais no Campo e a Educação: a Questão Agrária no Brasil

  • Anita Helena Helena Schlesener Universidade Tuiuti do Paraná
  • Donizete Aparecido Fernandes Faculdades Integradas Espírita

Resumo

O presente artigo apresenta algumas reflexões sobre os conflitos agrários no Brasil, a partir das características históricas de um país que desenvolveu políticas conservadoras que garantiram legalmente a distribuição desigual da terra de modo a atender a expansão da propriedade privada e a produção de alimentos para exportação. As tensões sociais em torno da questão agrária geraram a organização do MST (Movimento dos Sem-Terra). Esse movimento se redefine no curso das lutas pela terra e com a ascensão do Partido dos Trabalhadores ao poder. A organização do movimento se encaminha para o campo educacional, com propostas inovadoras de educação do campo. A partir de 2005 é criada a Escola Latino-Americana de Agroecologia (ELAA), que nasceu de um protocolo firmado durante o V Fórum Social Mundial, para a formação dos trabalhadores do campo.

Biografia do Autor

Anita Helena Helena Schlesener, Universidade Tuiuti do Paraná
Possui graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (1975), mestrado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1983) e doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (2001), com um ano de pesquisa na Università degli Studi di Milano e Fondazione Feltrinelli. Desde a década de 80 dedica-se ao estudo dos escritos de Antonio Gramsci. Paralelamente tem pesquisado, desde 1992, a filosofia de Walter Benjamin. Recebeu o Prêmio Jabuti em 2001. Docente de Filosofia da UFPR de 1976 a 2005, nas disciplinas de Filosofia Política e Estética. Atualmente é professora da Universidade Tuiuti do Paraná, atuando junto ao Mestrado e Doutorado em Educação. Membro do NESEF - Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre o Ensino da Filosofia - UFPR. Membro do Conselho Nacional da International Gramsci Society - IGS-Brasil. Membro dos Conselhos Editoriais das Revistas: Critica Marxista e Germinal.Membro do Conselho Editorial da Editora Mercado de Letras. Tem experiência na área de Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, filosofia, filosofia política, Gramsci e Walter Benjamin. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação da UTP (Gestão 2017-2019)
Donizete Aparecido Fernandes, Faculdades Integradas Espírita
Possui graduação em Filosofia pelo Instituto Vicentino de Filosofia (1991), graduação em Filosofia pela Universidade São Francisco - Itatiba (1998). Especialização em Ciência Política, IBPEX (1999), Mestrado em Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná (2004), Doutorado em Educação pela Universidade Tuiuti do Paraná (2016). Professor titular - Secretaria Estadual de Educação e Professor de História da América nas Faculdades Integradas Espírita. Tem experiência na área do Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: mundialização; educação e trabalho; marxismo; políticas sociais; políticas públicas; luta de classes; movimentos sociais; formação política.

Referências

ARROYO, Miguel; CALDART, Roseli S; MOLINA, Mônica C. Por uma Educação
do Campo. São Paulo: Vozes, 2004.BADALONI, Nicola. Liberdade individual e homem coletivo em Gramsci. In:
Instituto Gramsci, Política e história em Gramsci. Rio de Janeiro, Civilização
Brasileira, 1978, p. 09-69.
______. Gramsci: a filosofia da práxis como previsão. In: HOBSBAWM, Eric
(org.). História do marxismo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991, v. X, 1991.
BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 4.024 de 20 de
dezembro de 1961.
CALDART, Roseli S. Pedagogia do Movimento Sem Terra. São Paulo: Expressão
Popular, 2005.
DIAS, Edmundo Fernandes. Compreender o real, demonstrar sua
inteligibilidade. In: SCHLESENER, A. H. E PANSARDI, M. V. (Orgs.). Políticas
Públicas e Gestão da Educação. Curitiba: Ed. UTP, 2007.
FONTES, Virgínia. A incorporação subalterna brasileira ao capital-imperialismo.
In: Crítica Marxista, n. 36, 2013, pp. 103-113.
FRANCO, Tania Mara. Educação e ação: o novo no velho agrário. Expressão
Popular, 2005.
GOHN, Maria da Glória. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos
e contemporâneos. São Paulo, Loyola, 2000.
GRAMSCI, Antonio. Quaderni del Carcere. Torino: Einaudi, 1978.
HOBSBAWM, Eric. Rebeldes Primitivos. Rio de Janeiro, Zahar, 1970.
LIBERATO, Ana Paula Gularte. Reforma Agrária: Direito Humano fundamental.
Curitiba: Juruá, 2004.
LOURDES, Helena S. Educação do Campo e Pedagogia da Alternância.
Revista de Ciências da Educação, 2007. Disponível em: http://sisifo.fpce.
ul.pt/?r=15&p=112. Acesso em: 18 nov. 2012.
MARX, Karl. Para a Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural,
1974.
MARX, Karl. Miséria da Filosofia. São Paulo: Grijalbo, 1976.
PANSARDI, M. V., Revolução passiva e educação: uma leitura política sobre a
atuação do Banco Mundial no Brasil. In: SCHLESENER, A. H. (Org.). Política
e educação: perspectivas e desafios. Curitiba: UTP, 207, p. 149-164.
SCHERER-WARREN, Ilse. Movimentos Sociais: um ensaio de interpretação
sociológica. Florianópolis, Editora UFSC, 1987.
SOUZA, Maria A. Educação do Campo: Políticas, Práticas Pedagógicas e Produção Científica, 2007. Disponível em: .
Acesso em: 07 fev. 2010.
SOUZA, Maria A. Educaçao do Campo-propostas e praticas pedagogicas do
MST. Petrópolis: Vozes, 2006.
TARDIN, J. M; HADICH, C. L. A; MAIER, S. M; VALADÃO, A. C; MOREIRA, S.
S; KENFIELD, I. ELLA – Uma Escola Camponesa para a Emancipação Humana.
Escola Latino Americana de Agroecologia. Lapa, p. 04-12, 2009.
VIANNA, L. W. Liberalismo e sindicalismo no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1978.
Publicado
2017-06-07