Teoria E Prática Docente: Aproximações Ou Distanciamentos?

  • Letícia Savaris Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Márcia Salete Bomm Lazzarin Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Maria Teresa Ceron Trevisol Universidade do Oeste de Santa Catarina

Resumo

Devido à importância da correspondência entre teoria e prática educativa, além da compreensão das epistemologias que embasam a prática docente, o estudo realizado pretendeu identificar os modelos pedagógicos e epistemológicos utilizados por algumas professoras no cotidiano escolar. Para isso, se investigou como tais professoras compreendem a aprendizagem, o papel do professor e o papel do aluno nesse processo. Percebeu-se a diversidade de teorias que circundam o meio escolar, evidenciando a escassez de conhecimento e, em contrapartida, a necessidade da crítica epistemológica por parte de algumas professoras, para assim proporcionar um ato reflexivo em suas ações docentes.

Biografia do Autor

Letícia Savaris, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Graduada em Pedagogia pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2012). Bolsista do Projeto Observatório da Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) denominado "Estratégias e ações multidisciplinares nas áreas de conhecimentos das ciências humanas, ciências da natureza e linguagens, na mesorregião do oeste catarinense: implicações na qualidade da educação básica". Mestranda em Educação pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2013). Inserida na linha de pesquisa de Processos Educativos, no grupo de pesquisa Formação Docente e Práticas de Ensino. Atuando especialmente nos seguintes temas: INICIATIVAS ESCOLARES EM BUSCA DE APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS: O DESAFIO DE ROMPER COM A FRAGMENTAÇÃO DO CONHECIMENTO. Possui experiência na área educação, sendo Especialista em Educação - Orientação Escolar, na Rede Municipal de Concórdia, Santa Catarina.
Márcia Salete Bomm Lazzarin, Universidade do Oeste de Santa Catarina
Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina(UNOESC) na linha de pesquisa em Processos Educativos. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Contestado (2003) e Especialização- Ação Interdisciplinar no Processo Ensino-Aprendizagem em Educação Infantil e Séries Iniciais no Ensino Fundamental. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino e Aprendizagem atuando principalmente nos seguintes temas: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade, processos do ensino e da aprendizagem e Ensino Fundamental. Membro do Conselho Municipal de Educação de Concórdia.
Maria Teresa Ceron Trevisol, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Possui graduação em PEDAGOGIA - ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (1988), mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1996) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo - USP/ Instituto de Psicologia - IP (2002). Atualmente é professora universitária da Universidade do Oeste de Santa Catarina e atua como professora e pesquisadora no Curso de Mestrado em Educação desta instituição. Tem experiência na área da Educação e da Psicologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Processos de ensino e de aprendizagem. Construção do conhecimento escolar. Conflitos interpessoais na escola. Desenvolvimento humano em diferentes contextos e facetas. Formação do professor.

 

Referências

ABRAMOVICH, L. Literatura infantil: Gostosuras e bobices. São Paulo, 1997.
AUSUBEL, D. P. et al. Psicologia Educacional. 2. Ed. Rio de Janeiro:
Interamericana, 1980.
BARROS, A. C.. A Música. CEA – Cia. Editora Americana, 1973.
BECKER, F. A Epistemologia do Professor: o cotidiano da escola. Rio de
Janeiro: Vozes, 1993.
______. Modelos Pedagógicos e Modelos Epistemológicos. In: _______. Educação
e Construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001. P. 15-32.
______. Educação e Construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001.
COLL, C. et al. O construtivismo na sala de aula. 6. Ed. São Paulo: Editora
Ática, 2001.
FARIA, M. A. Como usar o jornal na sala de aula. 8.ed. São Paulo: Contexto,
2003.
FURTADO, J. C. Entender como se aprende para aprender como se ensina.
In: Wajnsztejn, A. C. et al (Org.) Desenvolvimento cognitivo e a aprendizagem
escolar: o que o professor deve dominar para ensinar bem?. Curitiba: Ed.
Melo, 2010. P. 47-52.
LARANJEIRA, M. I. Quem ensina, como aprende. In: ________. Da arte de
aprender ao ofício de ensinar: relato, em reflexão, de uma trajetória. São
Paulo: EDUSC, 2000, p. 103-114.MIZUKAMI, M. G. N. Abordagem comportamentalista. In: Mizukami, M. da
G. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. P. 19-36.
ONRUBIA, J. Ensinar: criar zonas de desenvolvimento proximal e nelas intervir.
In: Coll et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Editora Ática,
2001. P. 123-150.
PIAGET, J. O tempo e o desenvolvimento intelectual da criança. In: Piaget, J.
A Epistemologia Genética / Sabedoria e Ilusões da Filosofia / Problemas de
Psicologia Genética. 2. Ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983. P. 211-225.
POZO, J. I. A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação
em conhecimento. Revista Pátio. Porto Alegre: Artmed, ano VIII, n. 13, ago./
out.2004. p. 8-11.
______. Aprendizes e Mestres: a nova cultura da aprendizagem. Trad. Ernani
Rosa. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.
RAMOZZI-CHIAROTTINO, Z. O conhecimento como resultado da interação
entre o organismo e o meio. Psicologia e Epistemologia Genética de J. Piaget.
São Paulo: EPU, 1988.
REGO, TERESA CRISTINA. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da
educação. 10.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1995. (Educação e Conhecimento).
REZENDE, F. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva
construtivista. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. Vol 2. N. 1. Mar.
2002. Disponível em: article/viewFile/13/45>. Acesso em: 03 dez. 2014.
RONCA, A. C. C. O modelo de ensino de David Ausubel. In: Ronca, A. C. C.
Psicologia e Ensino. São Paulo: Papelivros, 1980, p. 59-83.
SILVA, E. T. Livro didático: do ritual de passagem à ultrapassagem. In. Em
Aberto – O livro didático e qualidade de ensino. Brasília: INEP, nº 69, ano
16,jan./fev., 1996.
TUNES, E.; Tacca, M. C. V. R.; Marínez, A. M. Uma crítica às teorias clássicas
da aprendizagem e à sua expressão no campo educativo. Linhas Críticas.
Brasília, v. 12, n. 22, p. 109-130, jan./jun. 2006.
VALENTE, J. A. Criando oportunidades de aprendizagem continuada ao
longo da vida. N. 15. Revista Pátio. Porto Alegre: Artmed, ano 4, nov. 2000/
jan.2001, p. 8-12.
VASCONCELLOS, C. S. O que é necessário para que o aluno aprenda? Revista
Pátio. Porto Alegre: Artmed, ano XIII, n. 49, fev./abr.2009. p. 44-47.
VYGOTSKY, L. S. Internalização das funções psicológicas superiores. A Formação
Social da Mente. 4. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. P. 59-65.
______. A formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos
psicológicos superiores. 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
Publicado
2016-12-19