Relações sociais e escola no Brasil

  • Enio Rodrigues da Rosa Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste
  • Roberto Antonio Deitos Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Angela Mara de Barros Lara Universidade Federal de Santa Catarina

Resumo

Este artigo sustenta que uma parte considerável dos problemas existentes dentro das escolas estatais é decorrente das relações sociais individualistas e competitivas que se manifestam e que atingem, indistintamente, os trabalhadores da educação, os pais/as mães e os alunos. Uma tentativa de inverter essa lógica dominante seria iniciar um processo de reflexão coletiva que tivesse como eixo estruturador o fortalecimento das relações sociais alicerçadas nas práticas cooperativas entre todos os agentes coletivos e individuais que fazem as escolas concretas.

Biografia do Autor

Enio Rodrigues da Rosa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste
Graduado em Pedagogia, Especialista em Fundamentos da Educação e Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste. Como professor pedagogo da rede Estadual de ensino, está sedido e exerce, num período, a função de Coordenador Pedagógico do Centro de Atendimento Educacional Especializado, Professor Osny Macedo Saldanha, mantido pelo Instituto Paranaense de Cegos (IPC). Também no IPC, em período diferente, exerce a função de Administrador Judicial Provisório, uma vez que esta instituição encontra-se sob intervenção judicial. Como pesquisador, dedica-se ao estudo sobre a inclusão social das pessoas com deficiência (políticas inclusivas), particularmente ao tema da educação escolar, do trabalho formal e da organização social das pessoas cegas e de baixa visão. É militante da Associação Cascavelense de Pessoas com Deficiência Visual (ACADEVI) e Vice-presidente do Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas com Deficiência (COEDE), representando a área da deficiência visual.
Roberto Antonio Deitos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (1992), Mestrado (2000) e Doutorado (2005) em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, na área de história, filosofia e educação. Pós-Doutorado em Educação (2012) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM - Paraná. Professor Associado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel, Centro de Educação, Comunicação e Artes, Colegiado do Curso de Pedagogia. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação (2008-2011). Pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional e Social - GEPPES. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas sociais, política educacional brasileira, organismos internacionais, ensino médio e educação profissional e estado.
Angela Mara de Barros Lara, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (1986), mestrado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (1992), doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000) e pós-doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Professora Associada. Aposentada da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Pré-Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, Estado, educação, políticas públicas e políticas educacionais.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação Construindo o sistema nacional articulado de
educação: o Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação.
Documento-referência da Conferência Nacional de Educação. Brasília, DF,
Brasil: Presidência da República, Ministério da Educação, 2008.
BIANCHETTI, Lucídio. Aspectos históricos da apreensão e da educação dos
considerados deficientes. In: BIANCHETI, L.; FREIRA, I. M. (Orgs.). Um olhar
sobre a diferença: interação, trabalho e cidadania. Campinas, SP, Brasil:
Papirus, 1998, p. 21-51.
BIANCHETTI, Lucídio. Aspectos históricos da educação especial. In: Revista
Brasileira de Educação Especial. Piracicaba, SP, Associação Brasileira de
Pesquisadores em Educação Especial; UNIMEP, UFSCar, v. 2, n. 3, p. 7-19,
1995.BOBBIO, NORBERTO; MATTEUCCI, NICOLA; PASQUINO, GIANFRANCO.
Dicionário de política. 11. ed. Tradução de Carmen C. Varriale, Gaetano Lo
Mônaco, João Ferreira, Luís Guerreiro Pinto Cacais e Renzo Dini. Coordenação
da tradução João Ferreira, Revisão geral de Ferreira e Luís Guerreiro Pinto
Cacais. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998. v. 1.
BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho
no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara 1987.
DUARTE, N. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski.
Campinas, SP: Autores Associados, 2001.
______. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e
pós-modernas da teoria vigotskiana. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados,
2004.
GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 8. ed. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1991.
KEHL, M. R. A juventude como sintonia da cultura. In: NOVAES, R.;
VANNUCCHI, P. (Orgs.). Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura
e participação. São Paulo: Fundação Perseu Albano, 2004. p. 89-114.
LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte, 1978.
MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Trad. M. Bakes. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2007.
LURIA, A. R. Desenvolvimento cognitivo: seus fundamentos culturais e sociais.
Trad. F. L. Gurgueira. São Paulo: Ícone, 1990.
MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução, apresentação e notas
de Jesus Ranieri. 3ª. reimpressão. São Paulo: Boitempo Editorial, 2009.
MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São
Paulo: Boitempo, 2002.
MÉSZÁROS, I. A Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo,
2005.
PARO, V. H. O conselho de escola na democratização da gestão escolar. São
Paulo: Xamã, 2001.
SANFELICE, José Luis. Sala de aula: intervenção no real. In: MORAIS, R.
(Org.). A sala de aula: que espaço é esse? 2. ed. Campinas, SP: Papirus,
1986, p. 83-93.
SNYDERS, G. Psicologia e pedagogia: escola, classe e luta de classes. 2. ed.
São Paulo: Moraes Editores, 1981.VIGOTSKI, L. S. Fundamentos de defectologia. Havana: Pueblo y Educación,
1997. Obras completas, Tomo V.
______. O defeito e a compensação. Tradução de Programa Institucional
de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais (PEE – Campus
de Cascavel). In: UNIOESTE. Programa Institucional de Ações Relativas às
Pessoas com Necessidades Especiais (PEE – Campus de Cascavel), (Eds.)
da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Pessoa com deficiência
na sociedade contemporânea: problematizando o debate. Cascavel, PR:
Edunioeste, 2006. p. 33-62.
Publicado
2017-05-19