A influência da cadeira de sociologia I da Universidade de São Paulo na composição do Centro Regional de Pesquisas Educacionais de São Paulo (1956-1961)

  • Samir Ahamad dos Santos Mustapha Pontifícia Universidade Católica-SP

Resumo

O presente estudo analisa aspectos da atuação de quadros intelectuais e técnicos que atuaram no Centro Regional de Pesquisas Educacionais de São Paulo durante a gestão de Fernando de Azevedo (1956-1961). Foi objeto de análise o núcleo pedagógico da Divisão de Estudos e Pesquisas Sociais (DEPS), notadamente as relações e diferenças teóricas, culturais e políticas existentes no interior desse Departamento, em especial os conflitos gerados pelas diferentes concepções sociológicas entre os seus quadros e a direção do CRPE/SP. A pesquisa procurou contextualizar a inserção na instituição a partir dos vínculos e as relações externas nos ambientes sociais e acadêmicos da Universidade de São Paulo. O CRPE/SP refletiu as divergências existentes nas Cátedras de Sociologia I, liderada por Florestan Fernandes e a Cadeira de Sociologia II, que tinha como membro correspondente Fernando de Azevedo. O DEPS foi dirigido, no período de análise, por Renato Jardim Moreira, que pertencia ao núcleo oposto ao de Fernando de Azevedo, o que gerou divergências nas concepções de pesquisa e, consequentemente, disputas políticas da USP foram verificadas no âmbito do Centro em questão.

Biografia do Autor

Samir Ahamad dos Santos Mustapha, Pontifícia Universidade Católica-SP
Atualmente é professor de Ensino Fundamental I na Prefeitura Municipal de Sâo Paulo. Formado em Pedagogia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2010). Tem experiência na área de Educação, com pesquisa com ênfase em História da Educação. Mestrado pelo programa Educação: História, Política, Sociedade na Pontifícia Universidade Católica - SP (2014). Doutorando desde 2015 pelo programa Educação: História, Política, Sociedade na Pontifícia Universidade Católica-SP, na linha de pesquisa: Educação Brasileira: Produção, Circulação e Apropriação Cultural. Participa do Grupo de Pesquisa: História das Instituições e dos Intelectuais da Educação Brasileira e do Projeto de pesquisa coletivo: História das Instituições Educacionais: intelectuais, políticas e práticas.

Referências

BONTEMPI JÚNIOR, Bruno. 2006. Em defesa de “legítimos interesses” o
ensino secundário no discurso educacional de O Estado de S. Paulo (1946-
1957). Revista Brasileira de História da Educação. n° 12 jul./dez.
CARVALHO, João do Prado Ferraz de. 2003. A Campanha de Defesa da
Escola Pública em São Paulo (1960 – 1961). Tese de Doutorado. PUC / SP.
São Paulo.
FERREIRA, Márcia dos Santos. 2001. O Centro Regional de Pesquisas
Educacionais de São Paulo (1956 /1961). Dissertação de Mestrado. Faculdade
de Educação/ Universidade de São Paulo.
FREITAS, Marcos Cezar de. 2001. História, Antropologia e a pesquisa
educacional: itinerários intelectuais. 2 ed. São Paulo: Cortez.
GONÇALVES, Mauro Castilho. 1997. Uma incursão nas relações entre
educação e ciências sociais em São Paulo através da revista Pesquisa e
Planejamento (1955-1966). Dissertação de mestrado. São Paulo: PUC/SP.
GOUVÊA, Fernando César Ferreira. 2008. Tudo de novo no Front: O impresso
como estratégia de legitimação do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais
(1952-1964). Tese de doutorado. Rio de Janeiro: PUC/RJ.
PAOLI, Niuvenius J. 1995. As relações entre Ciências Sociais e Educação nos
anos 50/60 a partir das histórias e produções intelectuais de quatro personagens:
Josildeth Gomes Consorte, Aparecida Joly Gouveia, Juarez Brandão Lopes e
Oracy Nogueira. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação/USP.
PULICI, Carolina. 2008. Entre Sociólogos: versões conflitivas da “condição de
sociólogo” na USP dos anos 1950-1960. São Paulo: Edusp/ Fapesp.
XAVIER, Libânia Nacif. 1999. O Brasil Como Laboratório. Educação e Ciências
Sociais no Projeto dos Centros Brasileiros de Pesquisas Educacionais CBPE/
INEP/ MEC (1950 -1960). Bragança Paulista (SP). Ed. Universidade São
Francisco.
Publicado
2017-05-13
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo