Dificuldades e desafios de formadores de ética docente

  • Maria Teresa Estrela Universidade de Lisboa
  • Maria Rosa Afonso

Resumo

A legislação portuguesa explicita a dimensão ética da função docente e dá algumas orientações sobre a formação inicial e contínua dos professores neste domínio. No entanto, essa formação tem sido escassamente dispensada, podendo estar entre as possíveis causas dessa realidade a complexidade e a dificuldade de tal formação. Centrando-nos na formação contínua, inquirimos (através de um questionário escrito de resposta aberta, seguido de uma análise categorial de conteúdo) um grupo bastante heterogéneo de sete formadores acerca das suas motivações, dificuldades sentidas e eventual especificidade da formação ética de professores. Neste artigo damos especial ênfase às dificuldades sentidas por este grupo de formadores, as quais nos suscitam algumas pistas de reflexão que eventualmente poderão ajudar os formadores menos experientes na preparação de futuras ações de formação.

Biografia do Autor

Maria Teresa Estrela, Universidade de Lisboa
Maria Teresa Estrela, professora catedrática jubilada, membro da UIDEF (Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação), Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, mtestrela@ie.ul.pt
Maria Rosa Afonso
Maria Rosa Afonso, professora aposentada do 1º ciclo do ensino básico, licenciada em Filosofia e mestre em Ciências da Educação, rosa_afonso_42@hotmail.com

Referências

AMADO, João. Questionários abertos e Composições. In J. Amado (Coord.).
Manual de Investigação Qualitativa em Educação, Coimbra, Imprensa da
Universidade de Coimbra, 2014, p.271-274.
ARISTOTELES. Éthique à Nicomaque, Paris, Vrin, 1997.
CORTINA, Adela. Ética Mínima, Madrid, Ediciones Tecnos, 1986.
CORTINA, Adela. Ética de la razón cordial: educar en la ciudadanía en el siglo
XXI, Oviedo, Ediciones Nóbel, 2007.
COSTA, Jean Carlo de Carvalho; SOARES, Swamy de Paula Lima. Educação
e pobreza: teoria da justiça como equidade e a política do reconhecimento.
Educação, Porto Alegre, v. 38, n.1, p.124-137, jan./abr. 2015.
DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S. (eds). Collecting and Interpreting
Qualitative Material, Londres, Sage Publication, 2003.
FEIO, Mariana. A Formação Ética de Professores no Cruzamento com a
Formação Ético-moral de Alunos. O papel da Investigação-Acção. Tese deDoutoramento apresentada à Universidade de Lisboa. Lisboa: Instituto de
Educação, policopiada, 2015.
FRASER, Nancy. Reconhecimento sem ética? Lua Nova, São Paulo, nº70,
p.101-138, 2007.
HONNETH, Axel. A Luta pelo reconhecimento – para uma gramática moral
dos conflitos sociais, Lisboa, Edições 70, 2011.
HUBERMAN, A. Michael; MILES, Matthew B.. Analyse des données qualitatives:
recueil de nouvelles méthodes. Bruxelas, DE Boeck Wesmael, 1991.
KANT, Emanuel. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Lisboa, Edições
70, 1988.
MACINTYRE, Alasdair. Tras la virtud, Barcelona, Editorial Crítica, 1984
RAWLS, John. Uma teoria da justiça, Lisboa, Editorial Presença, 1993.
RICOEUR, Paul. Soi-même comme un autre, Paris, Editions du Seuil, 1990.
SEIÇA, Aline. Labirintos da justiça na escola: representações e práticas de
alunos e professores. Tese de Doutoramento em Educação, apresentada à
Universidade de Lisboa. Lisboa: fotocopiada, 2014.
SCHUTZ, Alfred. Le chercheur et le quotidien. Phénoménologie des sciences
sociales, Paris, Méridien Klincksieck, 1987.
WALZER, Michael. As Esferas da Justiça. Em defesa do pluralismo e da
igualdade, Lisboa, Editorial Presença, 1999.
TEDESCO, Juan Carlos. O novo pacto educativo. Educação, competitividade
e cidadania na sociedade moderna, Vila Nova de Gaia, FM, 1999.
ZEICHNER, Kenneth M.. Formação de professores para a justiça social em
tempos de incerteza e de desigualdades crescentes. In E. Diniz-Pereira e K. M.
Zeichner (org.). Justiça Social. Desafio para a formação de professores, Belo
Horizonte, Autêntica Editora, 2008, p.11-34.
Publicado
2017-05-13
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo