Iniciação à Docência na Educação Infantil

  • Klinger Teodoro Ciríaco Faculdade de Ciências da UNESP
  • Márcia Aparecida de Camargo Yamanaka Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

O artigo relata resultados de uma pesquisa que teve como objetivo compreender os sentidos e contribuições da formação inicial em Pedagogia para o processo de iniciação à docência no contexto da creche. O referencial teórico contempla questões ligadas à formação docente e os desafios da prática pedagógica nos anos iniciais da carreira. Como eixo metodológico, utilizamos a pesquisa qualitativa de caráter descritivo-analítico em que levantou-se a tendência investigativa sobre a docência na Educação Infantil junto ao Banco de Teses e Dissertações da CAPES e nos GT´s 07 e 08 da ANPED, bem como recorremos a dados de entrevistas semiestruturadas com quatro professoras iniciantes que atuam no município de Naviraí/MS. Os resultados do trabalho de campo identificaram os seguintes elementos: a) a pesquisa sobre professores iniciantes na Educação Infantil ainda é um pouco explorada nos estudos brasileiros; b) a relação entre teoria e prática foi apontada pelas entrevistadas como sendo o principal desafio nas primeiras vivências no espaço escolar; c) o estágio e o sentido da experiência prática com a docência foram apontados como elementos que contribuem para o início da carreira e; d) a necessidade da formação inicial de professores incorporar, no processo formativo, momentos de reflexão tendo a inserção na escola como objeto de aprendizagem para os futuros docentes.

Biografia do Autor

Klinger Teodoro Ciríaco, Faculdade de Ciências da UNESP
Pós-Doutorando em Educação para Ciência, ênfase em Psicologia da Educação Matemática, pela Faculdade de Ciências da UNESP, Câmpus Bauru, sob supervisão do Prof. Dr. Nelson Antonio Pirola. Professor Adjunto e Coordenador do Curso de Pedagogia da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS, Câmpus de Naviraí) concursado na área de "Tópicos Específicos da Educação Pré-Escolar". Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Processos Formativos da UNESP/Ilha Solteira/SP onde coorienta trabalhos na linha de pesquisa "Educação Matemática". Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (FCT-UNESP) com Programa Intercalar em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa - Portugal (Doutorado Sanduíche); Mestre em Educação pela UNESP, área de concentração em Educação Infantil e Matemática; Licenciado em Pedagogia, Habilitação para o Magistério da Educação Infantil, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS, Câmpus Três Lagoas). É Coordenador de Área do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID/CAPES - de Pedagogia da UFMS/CPNV; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Início da Docência e Ensino de Matemática (GEPIDEM/UFMS/CPNV) e do Grupo de Investigação Práticas Colaborativas em Educação Matemática (GIPCEM), ambos cadastrados no CNPq; Membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como Objeto da Formação de Professores (GPEA-FCT/UNESP). Tem experiência com a Docência na Educação Básica onde atuou como professor de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação Especial (AEE). Atua na área de Educação e Educação Matemática com ênfase nos seguintes temas: Educação Infantil, Grupos Colaborativos, Formação de Professores que Ensinam Matemática e Início da Docência.
Márcia Aparecida de Camargo Yamanaka, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Aluna Especial da disciplina de Desenvolvimento, Gênero e Educação do Programa de Mestrado da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS, Campus de Corumbá/ CPAN). Pós-graduanda em Educação Infantil, Séries Iniciais e Educação Especial. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS, Campus de Naviraí/ CPNV). Bolsista de Extensão na área de Educação Especial no eixo de Inclusão Escolar de Alunos com Deficiência: Uma Oficina de Ideias. Tem experiência na área de Educação com ênfase em Educação Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação Docente, Estágio na Educação Infantil, Professoras Iniciantes e Prática Pedagógica.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo(L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa:
Edições 70. 2006.
BRASIL; Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n. 1, de 15
de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de
Graduação em Pedagogia, licenciatura. 2006. Diário Oficial da União, Brasília,
16 mai. 2006.______. Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de
20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação
nacional – 5 ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições
Câmara, 2010.
BROSTOLIN, M. R.; OLIVEIRA,E. A. da C. de. Educação infantil: dificuldades
e desafios do professor iniciante. Interfaces da Educação. Paranaíba, v.4,
n.11, p.41-56, 2013.
CAMPOS, R. R. Necessidades de formação de professoras principiantes da
Educação Infantil /Pré-Escola.Dissertação (Mestrado em Educação).Universidade
Federal do Rio Grande do Norte, 2012.
CARDOSO, S. Professoras iniciantes da Educação Infantil: encantos e
desencantos da docência. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade
Federal de Ouro Preto, 2013.
CÔCO, V.Formação continuada na Educação Infantil. In: 33ª Reunião Anual
da ANPED. Caxambu: MG. 2010. Disponível em: http://33reuniao.anped.org.
br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT07-6078--
Int.docx.pdf, Acesso em: 10.fev.2015.
CRUZ, J. B. A. A prática docente na educação infantil: do conhecimento
técnico à sabedoria prática. Dissertação (Mestrado em Educação) Pontifícia
Universidade Católica do Paraná, 2011.
DINIZ-PEREIRA, J. E. A epistemologia da experiência na formação de
professores: primeiras aproximações. Belo Horizonte, v. 02, n. 02, p. 83-93,
jan./jul. 2010.Disponível em: com.br/artigo/exibir/7/15/1>, Acesso em: 30, fev. 2015.
ESTEBAN, M. P. S. Pesquisa qualitativa em educação:fundamentos e tradições.
Tradução Miguel Cabrera – Porto Alegre AMGH Editora Ltda, 2010.
FONTANA, R.C. Trabalho e subjetividade. Nos rituais da iniciação, a
constituição do ser professora. Cadernos Cedes, ano XX, nº 50, abril 2002.
Disponível em: ,
Acesso em: 13, mar. 2015.
FREITAS, C. M. A. As políticas públicas de formação de professores e o
programa proformação. Dissertação (Mestrado em Educação) Instituição de
Ensino: Universidade Tuiuti do Paraná, 2012.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. – São Paulo: Editora
Atlas S.A. 2002.
GOULARTE, N. Formação continuada: uma trajetória necessária na busca
da reflexividade como qualidade pedagógica. Dissertação (Mestrado em
Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.
GUEDES, E. A. Formação continuada para professores de educação infantil:
concepções de profissionais da rede municipal de ensino de fortaleza.
Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Ceará,
2011.HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A.
Vidas de professores. São Paulo: Porto Editora, 1995.
KRAMER, S. Políticas Públicas Municipais de Educação Infantil: Um Balanço
da Década – In: 34ª Reunião Anual da ANPED. Rio, 2011. Disponível em:
http://34reuniao.anped.org.br/images/trabalhos/GT07/GT07-998%20int.pdf.
Acesso em: 13. jan.2015.
LIMA, E. F. de. (Org.). Sobrevivências no início da docência. Brasília: Líber
Livro Editora, 2006.
______. E. F.de. Análise de Necessidades Formativas de Docentes Ingressantes
numa Universidade Pública – In: 34ª Reunião Anual da ANPED. Goiânia- GO,
2013. Disponível em: http://36reunião.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/
gt08_trabalhospdfs/gt08_2779_texto.pdf. Acesso em: 10.jan.2015.
MARCELO GARCÍA, C.O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido
da experiência. Revista Brasileira Sobre Formação Docente, Belo Horizonte,
v. 2, n. 3. p. 11-49, ago/dez. 2010.Disponível em: autenticaeditora.com.br/artigo/exibir/8/18/1>, Acesso em: 25, abr. 2015.
MARIANO, A. L. S. O início da docência e o espetáculo da vida na escola:
abrem-se as cortinas. In: LIMA, E. F.de (org.). Sobrevivências no início da
docência. Brasília: Líber Livros, 2006.
MARIANO, A. L. S.. A Aprendizagem da docência no início da carreira:
Qual Política? Quais Problemas? Revista Exítus – Volume 02- nº 01, jan/jun,
2012. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/revistaexitus/revistas/volume-ii/
artigos/a-aprendizagem-da-docencia-no-inicio-da-carreira-qual-politica-quaisproblemas/view,
Acesso em: 03, abr. 2015.
MAZURECK, V. R. Políticas de educação profissional e cidadania: certificação
de saberes de saberes o caso Câmpus Araquari do LF catarinense. Dissertação
(Mestrado em Educação) Instituição de Ensino: Universidade do Planalto
Catarinense, 2012.
MENDES, E. A. Prática pedagógica de qualidade na educação infantil em escola
de tempo integral: visão de professores. (Mestrado em Educação) Instituição
de Ensino: Universidade de Brasília, 2012.
MONTEIRO, T. C. “A gente é muita coisa para uma pessoa só”: Desvendando
Identidades de “Professoras” de Creches Cota -In: 30ª Reunião Anual da
ANPED.. Caxambu: MG. 2007. Disponível em: http://30reuniao.anped.org.
br/trabalhos/GT07-3129--Int.pdf, Acesso em: 02. mar.2015.
NONO, A. M.; MIZUKAMI, M. da G. N. Processos de Formação de Professoras
Iniciantes–In: 29ª Reunião Anual da ANPED. Caxambu: MG. 2006. Disponível
em: http://29reuniao.anped.org.br/trabalhos/trabalho/GT08-1868--Int.pdf,
Acesso em: 24.ago. 2014.
REIS, A. C. de L. Representações sociais sobre o ser professor: indícios
da constituição da identidade docente. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Federal de Viçosa, 2011.
SCRAMINGNON, G. B. da S. O lugar da creche na Educação Infantil – In: 34ª
Reunião Anual da ANPED. Natal RN, 2011. Disponível em: http://34reuniao.
anped.org.br/images/trabalhos/GT07/GT07-1166%20int.pdf. Acesso em: 13.
jan.2015.
SILVA, M. da.Complexidade da formação de professores:saberes teóricos e
saberes práticos.São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica,
2009.
SOARES, M. Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento. Brasília:
INEP/MEC, 1987.
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Tradução de Francisco
Pereira. Petrópolis: Vozes, 2002.
VEENMAN, S. Problemas percebidos de professores iniciantes. Review of
educatinal Research, v. 54, n.2. 1984.
Publicado
2017-05-13
Seção
Artigos de Fluxo Contínuo