Relações de gênero em uma escola Waldorf

  • Carla Cristina Urbina Carrion
  • Helena Altmann Universidade Estadual de Campinas

Resumo

A pesquisa analisou as relações de gênero dentro de uma escola Waldorf, a fim de verificar como o gênero se constitui a partir da influência das diferentes propostas desta pedagogia. Para tanto, foi realizado um estudo de campo pautado em observações de diferentes aulas de uma turma do 7º ano de uma escola Waldorf no interior de São Paulo, realizadas de agosto a dezembro de 2011. O estudo proporcionou análises a respeito das múltiplas possibilidades de práticas educacionais. De diferentes formas, os conteúdos da pedagogia Waldorf favorecem rupturas da visão polarizada dos gêneros, como através das aulas de culinária, de costura, de práticas artísticas, de euritmia, de marcenaria, entre outras, nas quais meninos e meninas desenvolviam as mesmas tarefas. Os dados obtidos no estudo de campo permitem concluir que a pedagogia Waldorf, a partir da valorização da arte, da criatividade, da espiritualidade, do afeto professor/a-aluno/a, da aprendizagem a partir da prática e dos trabalhos coletivos em seu método de ensino possibilita uma maior sensibilização dos/as alunos/as e, assim, um maior entendimento e aceitação entre eles/as, reduzindo, possivelmente o distanciamento e as formas de discriminação entre meninos e meninas.

Biografia do Autor

Carla Cristina Urbina Carrion
Graduanda em bacharelado e licenciatura em educação física na Unicamp.
Helena Altmann, Universidade Estadual de Campinas
possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1995), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998) e doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é professora doutora da Universidade Estadual de Campinas, na Faculdade de Educação Física, e também professora do Programa de Pós-graduação em Educação. Coordenadora do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE) da Unicamp desde maio de 2017. Coordenadora do GTT Gênero do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (2015-2017). Tem experiência na área de Educação e Educação Física, com ênfase em Gênero e Sexualidade. Integra o Grupo de Pesquisa Corpo e Educação, vinculado à Faculdade de Educação Física, e o Grupo de Pesquisa Focus, da Faculdade de Educação.

Referências

ALTMANN, Helena. Rompendo Fronteiras de gênero: Marias e homens na
Educação Física. Dissertação de mestrado em Educação. UFMG, 1998.
ALTMANN, Helena; AYOUB, Eliana e AMARAL, Silvia Cristina Franco. Gênero
na prática docente em educação física: “meninas não gostam de suar, meninos
são habilidosos ao jogar”? Revista Estudos Feministas. 2011, vol.19, n.2, pp.
491-501.
AMATTO, Nara de Luna. O lugar do corpo na Pedagogia Waldorf. Monografia
da Faculdade de Educação. UNICAMP, 2007.
BYINGTON, C. “A riqueza simbólica do futebol”, Psicologia Atual, 5, 25,
1982, PP. 20-32.
CONNELL, Robert. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade. Vol.
21 (2), jul/dez. 1995.
DAOLIO, Jocimar. Cultura: educação física e futebol, 3ªed. Campinas, SP:
Editora da UNICAMP, 2006.
DORNELLES, Priscila G. e FRAGA, Alex B. Aula mista versus aula separada?
Uma questão de gênero recorrente na educação física escolar. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física. V. 1, n. 1, p. 141-156,
ago. 2009.
FEDERAÇÃO DAS ESCOLAS WALDORF. Fontes, históricos e princípios da
pedagogia Waldorf. Dezembro de 1998. Disponível em http:// www.sab.org.
br/fewb. Acesso em 2012.
JACÓ, Juliana Fagundes. Educação Física Escolar e Gênero: As diferenças entre
meninos e meninas nas maneiras de participar das aulas. 2012. Dissertação
de mestrado em Educação Física. Faculdade de Educação Física. UNICAMP,
Campinas, 2012.
LANZ, Rudolf. A pedagogia Waldorf: caminho para um ensino mais humano.
São Paulo: Antroposófica, 1998.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva
pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
______. Revista Estudos Feministas: Feminilidades na pós-modernidade. Junho/
Dez. 2006.
REDAELLI, Ana Paulo Basso. A pedagogia Waldorf e a educação infantil.
Monografia da Faculdade de Educação. UNICAMP, 2003.
STEINER, Rudolf. Andar, falar, pensar: a atividade lúdica, 6ªed. São Paulo:
Antroposófica, 2002.
______. A arte da educação I: O estudo geral do homem, uma base para a
pedagogia, 1ªed, v.1. São Paulo: Antroposófica, 1988.
______. A arte da educação II: Metodologia e didática no ensino Waldorf,
2ªed, v.2. São Paulo: Antroposófica, 2003.
SCOTT, Joan. Gênero uma categoria útil de análise histórica: Educação e
Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, 1990.
UCHOGA, Liane R. Educação física escolar e relações de gênero: risco,
confiança, organização e sociabilidades em diferentes conteúdos. 2012.
Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de educação Física,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.
VIANA, Aline E. As relações de gênero em uma escola de futebol: quando o
jogo é possível. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade
de educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.
VOGEL, A. O momento feliz: reflexões sobre o futebol e o éthos nacional. In
Da Matta et al., Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de
Janeiro: Pinakotheke, 1982.
Publicado
2017-05-13