Educação Física escolar: (re)vendo os pressupostos e a prática pedagógica dos professores do ensino fundamental

  • Flavia Fiorante Faculdades Integradas Einstein de Limeira
  • Regina Simões
  • Luci Regina Muzzeti Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Cassiano Ferreira Inforsato UNESP/ FCLAR

Resumo

A década de 80, no Brasil, foi um período marcado por transformações na Educação Física Escolar, relacionadas com o surgimento de novas tendências pedagógicas para a área. Analisar se estas tendências refletiram ou não na prática pedagógica de um grupo de professores de Educação Física do 1º ao 5º ano de escolas estaduais de uma cidade do interior do estado de São Paulo, é o objetivo. A metodologia proposta foi de abordagem qualitativa, tendo como recurso metodológico a observação das aulas. O universo inicial era de nove escolas e nove professores, mas ao estabelecer critérios, o número foi reduzido para quatro escolas estaduais e quatro professores. Ao observar as aulas, identificamos que três tendências incidiram de forma significativa na prática pedagógica dos professores pesquisados, predominando indícios de um trabalho desenvolvimentista, sendo que apenas um dos professores ampliou em sua ação prática, atitudes crítico-superadora e construtivista. O estudo nos levou a refletir que não há uma ou outra tendência que é elucidada, mas é possível ações conjuntas visando contribuir para a ação pedagógica do professor.

Biografia do Autor

Flavia Fiorante, Faculdades Integradas Einstein de Limeira
Possui graduação em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (1998) e mestrado em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2003). É Doutora em Educação Escolar pela UNESP-FCLAR. É professora das Faculdades Integradas Einstein de Limeira. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Pedagogia do Movimento, atuando principalmente nos seguintes temas: escola, prática pedagógica, educação física escolar, ludicidade e criança.
Luci Regina Muzzeti, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Possui Mestrado em Fundamentos da Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1992) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (1997). É professora assistente-doutora da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Departamento de Didática, e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, na Linha de Pesquisa "Sexualidade, Cultura e Educação Sexual". É integrante do Núcleo de Estudos da Sexualidade - NUSEX e tem experiência na área de Educação, trabalhando com a abordagem de Pierre Bourdieu, com ênfase em pesquisas sobre habitus, gênero e trajetórias escolares.
Cassiano Ferreira Inforsato, UNESP/ FCLAR
Possui graduação em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2001) e mestrado em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2004). Atualmente é aluno do programa de pós graduação- Doutorado em Educação Escolar- UNESP/ FCLAR. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Pedagogia do Movimento, atuando principalmente nos seguintes temas: corporeidade, escola, formação profissional, esportes coletivos (basquete e futebol) , esportes individuais (lutas e Ginástica Artística) e educação física escolar.

Referências

BRACHT, V. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister,
1992.
BRACHT, V. Esporte na escola e esporte de rendimento. Rev. Movimento, Rio
Grande do Sul: v. 1, n.12, p. 14-23, 2000.
DARIDO, S. C. Educação Física na Escola: Questões e Reflexões. Araras:
Topázio, 1999.
______. Educação Física na escola e a formação do cidadão. Tese (Livre
docência)- Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de São
Paulo. Rio Claro, 2001.
______. Educação Física na escola: questões e reflexões.Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2003.
FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da Educação Física.
2 ed. São Paulo: Summus, 1991.
GONÇALVES, A. S.; AZEVEDO, A. A. A re-significaçao do corpo pela Educação
Física escolar, face ao estereotipo construído na contemporaneidade. Pensar
a prática, v. 10, n. 2, p. 202-219, 2007
KUNZ, E. Educação Física: ensino e mudanças. Ijuí: Unijuí Ed., 1991.
LIMA, J.S.; SOUSA, R.L.M. A prática docente e a questão da afetividade na
relação professor-aluno. Ágora, Salgueiro-PE, v. 3, n. 1, p. 6-16, 2008
LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens
qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MACEDO, L. de. Ensaios construtivistas. 5. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo,
2002.
MIRANDA, S. No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Linhas críticas.
Brasilia, v. 8, n. 14, jan/jul, p. 21-34, 2002
MORALES, P. V. A relação professor-aluno: o que é, como se faz. 3 ed. São
Paulo: Loyola, 2001.
PALMA, A. P. T. V. O desenvolvimento do conhecimento humano na educação
infantil: o discurso do professor de Educação Física. Dissertação (Mestrado em
Educação) –Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 1997. PIAGET, J. A construção do real na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.
______. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem
e representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.
PIRES, R. G. Formação profissional em educação física no Brasil: suas histórias,
seus caminhos. Revista da Faced, Bahia, n° 10, p. 179-193, 2006.
RESENDE, H. G. de. Necessidades da Educação Motora na escola. In MARCO,
A. de (Org.). Pensando a Educação Motora. Campinas: Papirus, 1995.
RUDIO, F. Introdução ao projeto de pesquisa. 32 ed. Petrópolis: Vozes, 2004
SANTOS, R. S.; MATOS, T. C. S. Relação entre tendência e prática pedagógica
dos professores de Educação Física de 30
e 4o ciclos do ensino fundamental.
Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 3, n. 3, p. 45-53, 2004
SOARES, C. L.et al. Metodologia do ensino da Educação física. São Paulo:
Cortez, 1992.
TAFFAREL, C.N.Z. Criatividade nas aulas de Educação Física. Rio de Janeiro:
Ao livro Técnico, 1985.
TANI, G. et al. Educação física escolar: abordagem desenvolvimentista. São
Paulo: EPU, 1988.
TANI, G. Abordagem desenvolvimentista: 20 anos depois. Revista de Educação
Física/UEM, Maringá, v. 19, n. 3, p. 313-331, 2008.
ZUCCHI, A. Ser afetivo é ser humano. Mundo Jovem, Porto Alegre, ano XLIII.
n. 357. p. 6-14, junho. 2006.
Publicado
2017-05-13