Meio Ambiente, Riscos e Aprendizagem Social

  • Pedro Roberto Jacobi USP

Resumo

A reflexão sobre as práticas sociais, em um contexto marcado pela degradação permanente dos ecossistemas e de seus serviços, envolve uma necessária articulação com a produção de sentidos sobre a educação para a sustentabilidade. Isto se configura crescentemente como uma questão que envolve um conjunto de atores do universo educativo, potencializando o engajamento dos diversos sistemas de conhecimento, e a capacitação de profissionais em suas diversas áreas de atuação numa perspectiva interdisciplinar. O aprendizado conjunto é fundamental para que as tarefas comuns e a construção de uma visão coletiva, na qual se observe a complexidade das questões ambientais. Neste texto se enfatiza a abordagem de Aprendizagem Social que permite que os diferentes atores intervenientes compreendam melhor as percepções dos outros sobre os problemas que são essenciais para melhorar as relações dos participantes e proporcionam a base para a uma cooperação consistente e articulada.

Biografia do Autor

Pedro Roberto Jacobi, USP
Possui graduação em Ciências Sociais (1973) e em Economia (1972) pela Universidade de São Paulo. Mestrado em Planejamento Urbano e Regional pela Graduate School of Design - Harvard University (1976), Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1986). Livre Docente em Educação -USP. Professor Titular da Faculdade de Educação e do Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM/IEE/USP) da Universidade de São Paulo. Chefe da Divisão Científica de Gestão, Ciência e Tecnologia Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente/USP. Presidente da Comissão de Pós Graduação e Coordenador do PROCAM/USP 1998-2000 e 2010-2012). Coordenador do Grupo de Acompanhamento e Estudos de Govenança Ambiental - GovAmb/IEE . Coordenador do Laboratório de Pesquisa e Práticas em Educação e Sustentabilidade/IEE- LAPPES/IEE. Membro do Conselho e Pesquisador do Nucleo de Pesquisa INCLINE INterdisciplinary CLimate INvestigation Center da USP. Coordenador do grupo de Estudos de Meio Ambiente e Sociedade do Instituto de Estudos Avançados da USP. Coordenador da equipe brasileira do Projeto Bluegrass - FAPESP/ANR (2014-2017).Pesquisador Produtividade CNPq. Foi Coordenador de Projeto Alfa da Comunidade Européia sobre Governança da Água na América Latina e Europa (2005-2009). Membro da Rede Waterlat. Presidente do Conselho do ICLEI-Brasil. Membro do Conselho Diretor de Greenpeace Brasil desde 2014. Editor da revista Ambiente e Sociedade (ANPPAS). Membro do conselho editorial das revistas EURE (Santiago) (0250-7161), International Journal of Urban Sustainable Development,Organizações e Sociedade, Pesquisa em Educação Ambiental, Environmental Sociology. Foi presidente da ANPPAS (período 2000-2004). Foi membro do Conselho do Comite de Meio Ambiente e Sociedade da International Sociological Association-ISA (2010-2014).

Referências

BANDURA, A. Social Learning. New Jersey: Prentice Hall, 1977.
BECK, U. World at Risk. Cambridge: Polity Press, 2008.
BECK, U. Sociedade de Risco. São Paulo: Editora 34, 2010.
CRUTZEN, P. J. 2002. Geology of mankind: the Anthropocene. Nature 415:23.
GLASSER, H. Minding the gap- the role of social learning in linking our stated desire for a more sustainable world to our everyday actions and policies”. In: WALS, A. (ed.) Social learning: towards a sustainable world. Wageningen Academic Publishers, 2007.
JACOBI, P. R. GIATTI, L. e AMBRIZZI, T. Interdisciplinaridade e mudanças
climáticas: caminhos de reflexão para a sustentabilidade. In: PHILIPPI, A. e FERNANDES, V. (orgs.) Práticas da Interdisciplinaridade no Ensino e Pesquisa. Manole: São Paulo, 2015.
JACOBI, P. R. Políticas sociais e ampliação da cidadania. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.
______. Educação, ampliação da cidadania e participação. Educação e
Pesquisa, São Paulo: USP, v. 26, n. 2, jul./dez. 2000a.
______. Espaços públicos e práticas participativas na gestão do meio ambiente
no Brasil. Sociedade e Estado, Editora UnB, Brasília, v.18, n. 1/2, 2003.
______. A gestão participativa de bacias hidrográficas no Brasil e os desafios
do fortalecimento de espaços públicos colegiados. In: COELHO, V. S. R. P.; NOBRE, M. (Org.) Participação e deliberação. São Paulo: Editora 34, 2004, p. 270-289.
______. Millennium Ecosystem Assessment (MEA). 2005. Ecosystems and
human well-being:synthesis. Island Press, Washington, D.C., USA.
______. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento
crítico, complexo e reflexivo. Educação& Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-50, maio-ago. 2005.
______. (org.) Aprendizagem Social: diálogos e ferramentas participativas: aprender juntos para cuidar da água. São Paulo: GovAmb/ PROCAM/IEE/ USP/Fapesp, 2011.
______. Governança ambiental, participação social e educação para a
sustentabilidade. ______. In: PHILIPPI, A. et al. (Eds.) Gestão da Natureza Pública e Sustentabilidade. São Paulo: Manole, 2012. Cap. 12, p.343-361.
JACOBI, P. R.; TRISTÃO, M. e FRANCO, M. I. A Função social da educação
ambiental nas práticas colaborativas: participação e engajamento. Caderno Cedes, Campinas, v. 29, n. 77, p. 63-79, jan/abr, 2009.
MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
MOSTERT, E; PAHL-WOSTL, C; REES, Y; SEARLE, B; TÁBARA, D and TIPPET, J. Social Learning in European River-Basin Management: Barriers and Fostering Mechanisms from 10 River Basins. Ecology & Society 12: 19, 2007. (online).
PAHL-WOSTL, C. Towards sustainability in the water sector - The importance of human actors and processes of social learning. Aquatic Sciences 64: 394–411, 2002.
ROCKSTRÖM, J.; STEFFEN, W.; NOONE, K.; PERSSON, A.; CHAPIN, F.S.III.; LAMBIN, E. et al. Planetary boundaries: Exploring the safe operating space for humanity. Ecology and Society, v.14, n.2, 2009.
WALS, A. Social learning: towards a sustainable world. Wageningen, Holanda:Wageningen Academic Publishers, 2007.
Publicado
2017-05-13