Formação política e técnica: a experiência do instituto de agroecologia latino-americano (iala) amazônico

  • Nicolle Marra Ivanoski Instituto Federal do Paraná

Resumo

Desde sua colonização até os nossos dias, a realidade da América Latina é marcada pela exploração dos povos nativos e expropriação dos recursos naturais e minerais, apesar disso, os trabalhadores rurais do campo têm procurado articular novos caminhos e alternativas que contribuam para o desenvolvimento e independência territorial, econômica, política e ideológica da América Latina. Nesses caminhos, podemos destacar a expressividade da Via Campesina no território Pan Amazônico como sujeito social fundamental para consolidação das formas de resistência em perspectiva internacional. Uma delas refere-se à construção do Instituto de Agroecologia Latinoamericano (IALA) Amazônico. Com o objetivo de potencializar os espaços de formação aos sujeitos inseridos no campo, o IALA Amazônico busca articular universidade, pesquisadores, movimentos sociais e camponeses para efetivar processos de formação política e técnica com base nos princípios da agroecologia.

Biografia do Autor

Nicolle Marra Ivanoski, Instituto Federal do Paraná
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste (2010); Mestre em Sociedade, Cultura e Fronteiras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Foz do Iguaçu; área de concentração: Trabalho, Política e Sociedade; Docente do Instituto Federal do Paraná - Campus Telêmaco Borba. Atuando nas disciplinas pedagógicas do curso de Licenciatura em Física. Membro do Grupo de Pesquisa Estado, Sociedade, Trabalho e Educação. Atuando nos seguintes temas: Educação, Formação docente e Movimentos Sociais.

Referências

ALTIERI, Miguel. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura
sustentável. São Paulo: Expressão Popular, Rio de Janeiro: AS-PTA, 2012.
400 p.
BORRAS, Saturnino M. La Vía Campesina: an evolving transnational social
movement. Amsterdam: Transnational Institute, TNI Briefing Series, n.2004/6.
Out. 2004. p. 1-32.
FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. Trabalho como princípio educativo.
In: SALETE, R.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Orgs)
Dicionário da educação do campo. – Rio de Janeiro, São Paulo: Escola
Politécnica Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.
GIRALDI, Eduardo P. e FERNANDES, Bernardo M. Geografia da conflitualidade
no campo brasileiro. In Lutas camponesas contemporâneas: Condições,
dilemas e conquistas. Vol. II. A diversidade das formas de luta no campo, in
Fernandes, Bernardo M, Medeiros, Leonilde S. e Paulilo, Maria I. (orgs.). São
Paulo: Editora UNESP; 2009. Citação pp. 340-341.
IVANOSKI, Nicolle M. A experiência do IALA Amazônico: uma construção
permanente. In: MARTIN, Fernando.; LEGNANI, Andrea M.; CAMPOS, João Carlos de.; IVANOSKI, Nicolle M,; BATISTA, ÂNDREA F. Práticas Educativas
da Via Campesina, Curitiba, Editora CRV, 2014. p.75-92.
IVANOSKI, Nicolle M. Movimento Social, Escola e Formação: Um olhar a partir
do IALA Amazônico. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós- Graduação
Stricto Sensu em Sociedade, Cultura e Fronteiras. Universidade Estadual do Oeste
do Paraná - UNIOESTE- Campus Foz do Iguaçu – Paraná. 2015.166 p.
KONDER, Leandro. O futuro da Filosofia da práxis – Pensamento de Marx no
século XXI. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.141 p.
LUEDEMANN, Cecília S. Anton Makarenko: vida e obra – a Pedagogia na
revolução. São Paulo: Expressão Popular, 2002. 432 p.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Projeto Pedagógico: Curso de
Especialização em Educação do Campo, Agroecologia e Questão Agrária na
Pan-Amazônia. Marabá, 2010.
Publicado
2017-05-13