Desafios da educação ambiental nas escolas do campo

  • Maria Arlete Rosa Universidade Tuiuti do Paraná

Resumo

Este artigo busca refletir sobre - quais aspectos caracterizam as possibilidades e limites das ações de educação ambiental desenvolvidas nas escolas localizadas no campo? Trata-se da Deliberação de Educação Ambiental e Educação do Campo para o Sistema de Ensino do Paraná. Indicam-se elementos do atual debate teórico do campo da educação ambiental (LAYRARGUES, 2012); (LOUREIRO, 2012); (LIMA, 2011) e da educação do campo (CALDART, 2004); (SOUZA, 2010) entre outros. As pesquisas consideradas estão vinculadas ao Observatório em Educação (OBEDUC II), com o projeto “A Educação do Campo na Região Metropolitana de Curitiba: diagnóstico, Diretrizes Curriculares e Reestruturação dos Projetos PolíticosPedagógicos”. Fundamenta o Projeto a metodologia de pesquisa-ação, desenvolvida em vinte quatro municípios. Os resultados preliminares indicam limites quanto a: baixa participação dos professores na elaboração do PPP de sua escola; desconhecimento do PPP do seu município; educação ambiental é pouco tratada nestes PPPs; prática educativa pontual, fragmentada e desarticulada quando mencionada pelos professores e gestores; conteúdos pedagógicos das disciplinas dissociados da problemática e dos riscos ambientais existentes na realidade do campo; desconhecimento sobre a existência das políticas de educação ambiental. As possibilidades apontam para a escola enquanto espaço social com liderança favorável para a construção de uma identidade socioambiental no campo.

Biografia do Autor

Maria Arlete Rosa, Universidade Tuiuti do Paraná
Graduada em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (1978) e Pedagogia pela Universidade Tuiuti do Paraná (2014). Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1991), pesquisou as relações sociais educativas e movimentos sociais em Curitiba. Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999), investigou as práticas educativas de sustentabilidade e participação social em Curitiba. Pós Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná(2016), abordou as práticas de educação ambiental e educação básica na Região Metropolitana de Curitiba. Membro Titular do Conselho Estadual de Educação do Paraná(2010 a 2016). Professora Adjunta da Universidade Tuiuti do Paraná do Programa de Pós Graduação em Educação de Mestrado e Doutorado. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Educação do Campo, Movimentos Sociais e Práticas Pedagógicas, junto ao Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Educação - Universidade Tuiuti do Paraná e Programa Observatório da Educação/CAPES. Diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Companhia de Saneamento do Paraná(2003 a 2010). Docente da Prefeitura Municipal de Curitiba(1984 a 2016). Autora de livros e artigos sobre: educação, cidadania e participação social; educação e meio ambiente na cidade e no campo; educação ambiental e políticas públicas; práticas de educação socioambiental; educação ambiental e saneamento; educação e sustentabilidade.

Referências

BRASIL. MEC.2002 Diretrizes Operacionais para a Educação Básica das
Escolas do Campo. Brasília: CNE/ME.
BRASIL. MEC. 2008. Diretrizes Complementares da Educação Básica do
Campo. Brasília.
BRASIL. MEC. 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação
Ambiental. Resolução CNE/CP nº. 02/2012.
CALDART. Roseli Salete. Educação do campo: Notas para uma análise de
percurso. In: Revista Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v.7 n.1,
p.35-64, mar./jun.2009. ISSN (Online) 1981-7746. Disponível em: www.revista.epsjv.fiocruz.br>. Acesso em 20 out. 2013.
GOHN, Maria da Glória. 1997. Teorias dos Movimentos Sociais: paradigmas
clássicos contemporâneos. Edições Loyola, São Paulo.
LAYRARGUES, Philippe Pomier. 2012. Para onde vai a educação ambiental?
O cenário político-ideológico da educação ambiental brasileira e os desafios
de uma agenda política crítica contra-hegemônica. Revista Contemporânea
de Educação, Rio de Janeiro, v.7, n. 14, p.398-421, agosto/dezembro.
LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. 2002. Crise ambiental, educação e cidadania:
os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LAYRARGUES, Philippe
Pomier; Castro, Ronaldo de Souza; LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. (Orgs.)
Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Corte.
LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. 2006. Complexidade e dialética:
contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental.
Educação e Sociedade, v. 27, n. 94, p. 131-134, jan./abr. Disponível em: www.
cedes.unicamp.br. Acesso em: 26 nov.13.
PARANÁ, Governo do Estado. 2013. Lei nº 17505. Disponível em: www.pr.gov.br.
PARANÁ, CEE. 2013. Deliberação nº 04/13, de 12 de novembro de 2013.
Estabelece as Normas estaduais para a Educação Ambiental no Sistema
Estadual de Ensino do Paraná. Disponível em: http://sites.uepg.br/
SADER, Eder. 1988. Quando os Novos Personagens Entram em Cena. Paz e Terra, RJ.
SOUZA, Maria Antonia. 2008. Educação do campo: políticas, práticas
pedagógicas e produção científica. Educação e Socciedade, Campinas, vol. 29,
n. 105, p. 1089-1111, set./dez. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br
Publicado
2017-05-13