Alargamento das Funções da Escola: as brumas do neoliberalismo

Resumo

Este artigo tem como objetivo compreender os efeitos do projeto Acreditar é investir e as estratégias efetivadas pelo mesmo na vida dos estudantes jovens. Utilizamos como sustentação os estudos desenvolvidos por Michel Foucault e Alfredo Veiga-Neto e alguns conceitos-ferramenta como governamento, biopoder e biopolítica. Realizamos entrevistas semiestruturadas com os funcionários e ex-funcionários da escola e redes de narrações com os adolescentes que participaram do mesmo. A partir das análises foi possível construir dois eixos para discussão: o primeiro mostra que o referido projeto produz efeitos na escola contemporânea alargando consideravelmente as suas funções; e o segundo evidencia as estratégias operadas pelo projeto no intuito de produzir um sujeito-empresa que desenvolva uma vontade de investir constantemente em si mesmo e em seu capital humano. Assim o projeto funciona como estratégia biopolítica que gerencia possíveis riscos sociais.

Biografia do Autor

Guilherme Botelho Chagas, Prefeitura Municipal do Rio Grande - RS - Brasil

Prefeitura Municipal do Rio Grande, RS. Brasil. 

Mestre em Educação - Universidade Federal do Rio Grande - FURG.

E-mail: guilherme.chagas02@gmail.com

Kamila Lockmann, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Rio Grande - RS. Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

E-mail: kamila.furg@gmail.com

Publicado
2021-03-23