América do Sul: a educação como um fator para a redução das desigualdades

  • Lucia Cortes da Costa Universidade Estadual de Ponta Grossa

Resumo

A América do Sul, segundo dados da CEPAL, na década de 2000 apresentou redução nos indicadores de pobreza e elevação nos índices de escolaridade. No entanto, devido ao modelo econômico concentrador de rendas e riqueza o impacto na redução da desigualdade foi pequeno. O modelo agroexportador mantém a dependência dos países da região da demanda do mercado externo e a reduzida inserção dos trabalhadores no mercado formal limitam os impactos positivos do crescimento econômico na redução da desigualdade social. Advoga-se que é necessário ampliar o investimento público em educação, com a universalização do acesso e melhora na qualidade dos serviços, como um fator importante para romper com a reprodução da pobreza na região e possibilitar a diversificação da estrutur

Biografia do Autor

Lucia Cortes da Costa, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1988), graduação em Direito pela Faculdade Educacional de Ponta Grossa (2010), mestrado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1994) e doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2000). Atualmente é professor associado da Universidade Estadual de Ponta Grossa no Programa (mestrado e doutorado) em Ciências Sociais Aplicadas e na graduação em Serviço Social. Pesquisa na área do Serviço Social, com ênfase em Fundamentos do Serviço Social, nos seguintes temas: Estado e políticas sociais, assistência social, trabalho, desigualdade social. Pesquisa sobre Estado, políticas sociais e a agenda social do Mercosul. Bolsista Produtividade em Pesquisa - CNPq. Avaliadora do INEP - MEC, na área do Serviço Social.

Referências

BARBIERO, Alan e CHALOULT, Yves. Desafios, estratégias e alianças das
centrais sindicais no Mercosul. Nº 56 Civitas - Revista de Ciências Sociais Ano 1, nº 1, outubro 2000.
BARTELT, Dawid Danilo (org.) A “Nova Classe Média” no Brasil como Conceito e Projeto Político. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2013.
CEPAL. A HORA DA IGUALDADE. Brechas por fechar, caminhos por abrir
Trigésimo terceiro período de sessões da CEPAL. Brasília, 30 de maio a 1o
de junho de 2010.
CEPAL. Pactos para la igualdad. Hacia un futuro sostenible. Lima, Perú, 2014.
CEPAL. Panorama Social de América Latina. Documento Informativo. 2012.CEPAL. Panorama Social de América Latina. Documento Informativo. 2011.
COSTA, Lucia Cortes da. Os impasses do Estado capitalista. Uma análise
sobre a reforma do Estado no Brasil. Ponta Grossa: Editora UEPG; São Paulo: Editora Cortez, 2006.
FALETTO, Enzo; CARDOSO, Fernando Henrique. Dependência e desenvolvimento na América Latina. Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970.
FLEURY, Sônia. Estado sem cidadãos: seguridade social na América Latina.
Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1994.
MAURIZIO, Roxana. El impacto distributivo del salario mínimo en la Argentina, el Brasil, Chile y el Uruguay, Serie Políticas Sociales, nº 194, CEPAL, 2014.
MESA-LAGO, Carmelo. El Desarrollo de la Seguridad Social en América Latina.
Estudios e informes de la CEPAL, nº 43, Santiago, 1985.
ONU. The Millennium Development Goals Report. 2015.
World Bank. 2015. World Development Indicators 2015. Washington, DC:
World Bank.
Publicado
2017-05-13