Atividade educativa, racionalidade e fundamentos do pensamento grego: perspectivas teórico-práticas

Resumo

Este artigo se dedica a investigar a atividade educativa com base em alguns dos fundamentos racionais que lhes dão identidade no contexto da Grécia antiga. A formação humana que se constitui na Grécia desde a era clássica até os tempos helenísticos confere grande valor à cultura geral, funda-se no modo abrangente de conceber a educação para além das habilidades cognitivas. Diferente dos princípios da educação contemporânea, a atividade educativa da paidéia está intrinsecamente ligada ao éthos, o modo de ser e agir do homem grego. Aristóteles é o referencial básico do estudo, o filósofo não expõe motivos claramente educacionais em sua obra, contudo, apresenta de forma implícita os princípios que constituem a atividade educativa e a sua relação com os diferentes saberes, bem como sua ligação peculiar com a dimensão ética. O modo de vida e formação nesse universo tem a finalidade de educar o homem no sentido de eleva-lo, seja na inteligência, na capacidade técnica, ou, sobretudo, na sua disposição ético-política ligada ao bem comum. O diálogo com a racionalidade grega põe em discussão os valores educacionais hodiernos, evidenciando as problemáticas do caráter pragmático e reducionista que muitas vezes acompanham a formação, ao contrário do que se poderia pensar, as questões educativas hauridas no contexto grego não são menos atuais. O pensamento classicista constitui um corpus de conceitos e princípios teórico-práticos fundamentais ao desenvolvimento da cultura ocidental. Trata-se, portanto, de uma racionalidade indispensável para se ampliar a compreensão acerca da educação e suas possibilidades neste início de século.

Publicado
2021-10-18