A escola pública e processos formativos de professores: espaços e concepções explícitas no projeto político-pedagógico

  • Oséias Santos de Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Curitiba.
  • Clarice Zientarski Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS).
  • Sueli Menezes Pereira Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS).

Resumo

O artigo trata dos processos de formação continuada de professores na escola pública e discute a formação como compromisso da instituição e de seus profissionais nos espaços determinados legalmente. O enfoque da discussão perpassa pelos resultados de análises realizadas ao longo do desenvolvimento do projeto de pesquisa, vinculado ao GEPGE – Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas e Gestão Educacional, da UFSM/RS sob o título “A Construção da Autonomia, da Qualidade e da Democracia na Escola Municipal nos Diferentes Espaços da Gestão Escolar”. Para o desenvolvimento deste trabalho, tomou-se como referência uma escola municipal, localizada na Região Central do Rio Grande do Sul, quando, através de pesquisa qualitativa e dos documentos que dão sustentação às práticas de gestão desenvolvidas no ano de 2009, buscou-se uma aproximação entre o momento vivido pela sociedade e pela educação conforme constatado, onde se percebe uma contradição entre as atuais políticas públicas que incluem a escola e seus professores como parceiros nas tarefas de formação.

Biografia do Autor

Oséias Santos de Oliveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Curitiba.
Doutorando em Educação – Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS), Professor na UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Curitiba.
Clarice Zientarski, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS).
Doutoranda em Educação – Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS).
Sueli Menezes Pereira, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS).
Doutora em Educação, Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Administração Escolar do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM/RS). Coordenadora do GEPGE – Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas e Gestão Educacional.

Referências

ALBUQUERQUE, R.C.de. 1995. Reconstrução e reforma do Estado. In:
VELLOSO, J.P.dos R. & ALBUQUERQUE, R.C.de (coords.). Governabilidade e reformas. Rio de Janeiro, José Olympio, p.129-98.
ALMEIDA, Maria Isabel de. A reconstrução da profissionalidade docente no contexto das reformas educacionais – vozes de professores na escola ciclada. Recife: ENDIPE, 2006.
BARRETO, Raquel Goulart; LEHER, Roberto. Trabalho docente e as reformas neoliberais. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade (org.). Reformas educacionais na América Latina e os Trabalhadores Docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
BIANCHETTI, Roberto Gerardo. Modelo Neoliberal e políticas educacionais.
2ª. São Paulo: Ed. Editora Cortez. Coleção Questões da Nossa Época; v. 56.
BRASIL. Constituição Federal 1998. Disponível em: Acesso em 09 jul. 2011.
_____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN nº 9.394/1996. Disponível em: Acesso
em 10 jul. 2011.
CUNHA, Luiz Antônio Rodrigues da. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.
DIAS-DA-SILVA, Maria Helena G. Frem. Política de formação de professores no Brasil: as ciladas da reestruturação das licenciaturas. In: Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 381-406, jul./dez. 2005. Disponível em Acesso em 09 jul. 2011.
DUARTE, Newton. Vigostki e o Aprender a Aprender - crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria Vigotskiana. Campinas: Autores Associados. 2004.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática
educativa. São Paulo: Paz e terra, 2006.
FRIGOTTO, G. Os delírios da razão; crise do capital e metamorfose conceitual no campo educacional. In: Gentili, Pablo (org.). Pedagogia da exclusão: o neoliberalismo e a crise da escola pública. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995a.
_____. Educação e crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1995b.
GENTILI, Pablo. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.
_____. Qual educação para qual cidadania? Reflexões sobre a formação
do sujeito democrático. In, AZEVEDO, J.C. et al. Utopia e democracia na
Educação Cidadã. Porto Alegre: Universidade/ UFRGS/ Secretaria Municipal de Educação, 2000. p. 143-156.
GENTILI, P. e SILVA, T. T. da (orgs). Neoliberalismo, Qualidade Total e Educação. Petrópolis/RJ: Vozes. 1994.
IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: Formar-se para
a mudança e a incerteza. 6ª Ed. São Paulo: Editora Cortez, 2006. Coleção
Questões da Nossa Época; v. 77.
MARRACH, Sonia A; SILVA JR, Celestino A. da; BUENO, M. Sylvia;
GHIRALDELLI JR, Paulo. Infância, Educação e Neoliberalismo. Cortez Editora:São Paulo,1996.
MARX, Karl. Os Manuscritos econômico-filosóficos. Disponível em: . Acesso em 10/07/2011.
OLIVEIRA, Dalila Andrade. As reformas educacionais e suas repercussões
sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade (org.). Reformas
educacionais na América Latina e os Trabalhadores Docentes. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2003.
PARO, Victor Henrique. Políticas Educacionais: Considerações sobre o discurso genérico e a abstração da realidade. In: Políticas Públicas e Educação Básica. São Paulo: Xamã, 2001.
PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In:
PIMENTA, Selma Garrido, GHEDIN, Evandro. (orgs.) Professor reflexivo no
Brasil: gênese e crítica de um conceito. 3ª ed. – São Paulo: Cortez, 2005.
SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. 31. ed. Campinas: Autores
Associados, (Polêmicas do Nosso Tempo) v. 5, 1997.
SHIROMA, Eneida Oto. O eufemismo da profissionalização. In: MORAES, Maria Célia Marcondes de (org.). Iluminismo às avessas: produção de conhecimento e políticas deformação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Docência: formação, identidade profissional e inovações didáticas. Recife: ENDIPE, 2006.