Redes sociais e escola: o que temos a aprender?

  • Eliete Jussara Nogueira Universidade de Sorocaba.
  • Luiz Fernando Gomes Universidade de Sorocaba
  • Maria Lúcia de Amorim Soares Universidade de Sorocaba.

Resumo

Este artigo argumenta, a partir de uma breve retomada destes estudos, que as redes sociais têm ampliado os conceitos de cidade educadora e da aprendizagem não-formal, na sociedade-rede. Com base nas ideias de Franco, Lemke, Warschauer, Recuero e Freire, entre outros, aponta que a escola teria muito a ganhar se procurasse incluir em seu cotidiano algumas práticas pedagógicas e usos da linguagem que auxiliassem os estudantes a tornarem-se parte integrante das suas comunidades de aprendizagem e de sua cultura.

Biografia do Autor

Eliete Jussara Nogueira, Universidade de Sorocaba.
Doutora em Psicologia pela Universidade de Campinas. Professor do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade de Sorocaba.
Luiz Fernando Gomes, Universidade de Sorocaba
Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade de Campinas. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Sorocaba.
Maria Lúcia de Amorim Soares, Universidade de Sorocaba.
Doutora em Geografia pela Universidade de São Paulo. Professor do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade de Sorocaba.

Referências

BARABÁSI, A. L., Linked: The New Science of Networks, Cambridge, MA,
Perseus Publishing, 2002. 280 p.
CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia sociedade e Cultura; V. 1. São Paulo. Paz e Terra, 1999. 698 p.
FRANCO, A. Redes são ambientes de interação, não de participação.
Escola-de Redes, 24/4/2010. Disponível em:
< http://escoladeredes.ning.com/profiles/blogs/redes-sao-ambientes-de>
Acesso em 23/8/2010a.
_____ Buscadores e Polinizadores.Disponível em
<...http://escoladeredes.ning.com/group/buscadorespolinizadores/forum/
topics/buscadores-e-polinizadores> Acesso em 26/8/2010b.
_____ Escola de Redes: novas visões sobre a sociedade, o desenvolvimento, a Internet, a política e mundo globalizado. Curitiba: Escola-de-Redes, 2008. 260 p.
FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970. 184 p.
GOMES, L.F. Hipertextos multimodais: leitura e escrita na era digital. Jundiaí: Paco Editorial, 2010. 174 p.
ILLICH, I. Sociedade sem escolas. Trad. de Lúcia Mathilde Endlich Orth.
Petrópolis, Vozes, 1970.188p. (Educação e tempo presente, 10). Disponível em: < http://livrosbpi.com> Acesso em: 15-12-2009.
JENKINS, H. Confronting the Challenges of Participatory Culture: Media
Education for the 21st Century. Disponível em < http://digitallearning.
macfound.org/atf/cf/%7B7E45C7E0-A3E0-4B89-AC9C-807E1B0AE4E%7D/JENKINS_WHITE_PAPER.PDF> Acesso em 25/3/2007>LEMKE, J. Re-engineering Education in America. Disponível em < http://www-personal.umich.edu/~jaylemke/papers/Re-engineering_Education.htm>Acesso em 24/11/2010.
MOTA, J.C. Da Web 2.0 ao e-Learning 2.0: aprender na rede. Disponível em< http://orfeu.org/weblearning20/>. Acesso em 16/11/2010.
LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço.
São Paulo: Loyola, 1998. 212 p.
RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.191 p.
SIEMENS, G. Uma breve história da aprendizagem em rede.
Disponível em: Umabrevehistoriadaaprendizagememrede1Siemens.pdf>, 2008. Acesso em 17/11/2010.
_____ Uma teoria de aprendizagem para a Idade Digital. Disponível em:
Acesso em 12/12/2004.
VALENTIM, Marta. Como analisar redes sociais. Disponível em
2008. Acesso em 18/11/2010.
WARSCHAUER, M. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006. 319 p.
WATTS, D. Six Degrees: the science of a connected age. New York: W. W.
Norton & Company, 2003. 368 p.