Letramento digital e formação de professsores: faces e interfaces

  • Denyse Mota da Silva Ataíde Universidade Federal do Tocantins
  • Maria José de Pinho Universidade Federal do Tocantins.

Resumo

Este artigo, parte integrante de uma pesquisa em andamento,1tem como objetivo refletir sobre Letramento Digital e Formação de Professores, identificando suas faces e interfaces a partir do que discutem pesquisadores e teóricos que se ocupam do estudo da temática. Igualmente, e partindo de uma literatura especializada, discutimos a Educação a Distância, identificando-a como um modelo de educação que tem características do “Paradigma Educacional Emergente”. Para tanto, realizamos uma pesquisa bibliográfica, isto é, teórica. Para os estudos de Letramento e Letramento Digital, consultamos Soares (1998; 2002); Kleiman (2007), Leffa (2005), Xavier (2004) e Heath (1983). Acerca da Educação a Distância e Formação de Professores, Pinho (2007; 2011), Cantarelli, Cardoso & Wippel (2007); Kleiman (2006; 2007). Sobre o Paradigma Educacional Emergente Maria Cândido Moraes (2004). O estudo revela que o Letramento Digital é uma realidade e que para se efetivar precisa de professores com uma formação inicial e continuada no âmbito das NTCIs. Que a EaD é um poderoso aliado para que isso ocorra, pois, por seu caráter transcendente de espaço e tempo, atua favoravelmente para que os profissionais da educação que não podem, não querem ou não têm oportunidade de cursar uma licenciatura e/ou especialização na modalidade de estudo presencial. Também constatamos que a EaD se insere no contexto do Paradigma Educacional Emergente, ao se apresentar como uma forma de ensinar e aprender que rompe com as formas tradicionais de educação, onde alunos e professores são agentes de um processo que transcorre sem local ou tempo pré determinados, favorecendo a autonomia do aprendiz. Ademais, a EaD se apresenta como uma alternativa de democratizar o ensino num país de dimensões continentais como o Brasil e pode contribuir para a emergência de sociedade letrada.

Biografia do Autor

Denyse Mota da Silva Ataíde, Universidade Federal do Tocantins
Mestranda do PPGL – Programa de Pós-Graduação em Letras no Curso MELL – Mestrado em Língua e Literatura – da UFT – Universidade Federal do Tocantins – Araguaína – Professora e Coordenadora Pedagógica de Pós-Graduação do CESTEP-TO.
Maria José de Pinho, Universidade Federal do Tocantins.
Professora adjunta da UFT – Universidade Federal do Tocantins, Campus de Palmas.

Referências

ALAVA, S. Ciberespaço e formações abertas: rumo a novas práticas
educacionais? Porto Alegre: Artmed, 2002.
ANDERSON, A. B., TEALE, W.H. and ESTRADA, E ‘Low-income children’s
preschool literacy experiences: some naturalistic observations’ in Newsletter of the Laboratory of Comparative Human Cognition 2, 59-65. 1980.
AOKI, Jane Maria Nóbrega. As Tecnologias De Informação E Comunicação
Na Formação Continuada Dos Professores. EDUCERE - Revista da Educação, p. 43-54, vol. 4, n.1, jan./jun., 2004. Acesso 09-jan-2012.
ARAÚJO, Peterson Martins Alves. Letramento Digital: Um Estudo De Caso Em Uma Escola Municipal De João Pessoa. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação, área de Estudos Culturais e Tecnologias de Informação e Comunicação da Universidade Federal da Paraíba. 2006. Disponível: www.ce.ufpb.br/ppge/BARTON (1994) Literacy: an introduction to the ecology of written language. Blackwell: Oxford.
BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.
BARRETO, Nelma Vilaça Paes, Os desafios da educação: a cibercultura na
educação e a docência online. VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/RJ, v. 12, n. 3, p. 149-164, set./dez. 2010. Disponível: www.essentiaeditora.iff.edu.br/. Acesso 09-jan-2012.
DAMAS, Luiz Antonio. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade: O jeito de educar na complexidade. In: SANTOS, Jocyléia Santana (Org.) Competências Interdisciplinares. São Paulo, Xamã, 2009.
DELORS, Jacques. Educação um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, 1998.
DOLABELLA, Ana Rosa Vidigal. Educação Para As Mídias Nas Práticas
Escolares De Educação Infantil: UMA EXPERIÊNCIA FRANCESA. 2010.
Disponível: http://alb.com.br/. Acesso: 10-jan-2012.
EGREJA, Júlio José Cardoso; MACHADO, Michelle Jordão; SILVA, Vânia de
Aquino. A educação a distância na perspectiva transdisciplinar: a contribuição das disciplinas de Laboratório de Pesquisa no curso de Pedagogia. CINTEDUFRGS Novas Tecnologias na Educação. V. 7 Nº 3, dezembro, 2009. Disponível:
http://seer.ufrgs.br/renote/article/viewFile/13575/8552. Acesso 13-jan-2012.
FAZENDA, Ivani C. Arantes. Interdisciplinaridade: qual o sentido? São Paulo: Paulus, 2003.
FREITAS, Maria Teresa Freitas. LETRAMENTO DIGITAL E FORMAÇÃO DE
PROFESSORES. Educação em Revista | Belo Horizonte | v.26 | n.03 | p.335-352 | dez. 2010. Acesso. 09-jan-2010.
FRIGOTTO, G. Educação, crise do trabalho assalariado e do desenvolvimento: teorias em conflitos. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 25-54.
GATTI, B. A. Formação de Professores e Carreira: problemas e movimentos de renovação. 2a. ed. Campinas, Autores Associados, 2000.
GUIMARÃES JR., Mário José Lopes. A Cibercultura e o Surgimento de Novas Formas de Sociabilidade. Trabalho apresentado no GT “Nuevos mapas culturales: Cyber espacio y tecnologia de lavirtualidad”, na II Reunión de Antropologia delMercosur, Piriápolis, Uruguai, de 11 a 14 de novembro de 1997. Disponível: http://www.cfh.ufsc.br/~guima. Acesso 10-jan-2012.
GUCZAK, Laercio Rodolfo. O LETRAMENTO DIGITAL A PARTIR DE UM
CONTEXTO LOCAL. Anais do IX Encontro do CELSUL Palhoça, SC, out.
2010 Universidade do Sul de Santa Catarina. Disponível: www.celsul.org.br/Encontros/09/. Acesso 10-jan-2012.
HEATH, S.B. Ways With Words. Cambridge: University Press. 1983.
Kuhn, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Ed. Perspectiva. 1983.
KLEIMAN, Angela B. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização
na escola”. In: KLEIMAN, Angela B. (Org.). Os significados do letramento.
Campinas, S.P.: Mercado de Letras, 1995. 294 p. p. 15-61.
______. Processos identitários na formação profissional. O professor como agente de letramento. In: CORRÊA, M. L. G.; BOCH, F. (Org.). Ensino de língua: representação e letramento. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006, p.75-91.
______. Letramento E Suas Implicações Para O Ensino De Língua Materna. Signo. Santa Cruz do Sul, v. 32 n 53, p. 1-25, dez, 2007. Disponível: http://online.unisc.br/. Acesso 12-jan-2012.
LEVY, Pierre. As tecnologias da Inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. São Paulo, editora 34, 1995.
LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 1999.
MAGALHÃES, Solange M. O. Transdisciplinaridade e seus reflexos na
formação de professores. In: GUIMARÃES, Valter Soares (Org.). Formação e Profissionalização Docente. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2009.
MARTELLI, Ivana. EAD: Uma Alternativa de Políticas Educacionais para a
Formação de Professores. Tese de Doutorado. 2003. Disponível: www.athena.biblioteca.unesp.br. Acesso 12-jan-2012.
MARTINS, Herbert Gomes; GALDINO, Mary N. D. Ensino a distância: entre a institucionalidade e a formação de uma nova cultura. Disponível: www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/... Acesso 11-jan-2012.
MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. 10. ed. São Paulo: Papirus, 2004.
______. O paradigma educacional emergente. 2004. 22 p. Disponível: http://www.ub.edu/sentipensar/pdf/candida/paradigma_emergente.pdf. Acesso 10-jan-2012.
MORIN, E. Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. Tradução
Catarina Eleonora F. da Silva; Jeanne Sawaya, 2a. ed. S. Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.
______. Desafios da transdisciplinaridade e da complexidade In: Inovação e interdisciplinaridade na universidade. Porto Alegre, edipurs, 2001.
______. Introdução ao pensamento complexo. 5 ed. Rio de Janeiro: Instituto Piaget, 2002.
NICOLESCU, Basarab. O Manifesto da Transdiciplinaridade. São Paulo: Triom, 2001.
PAES DE BARROS, Cláudia Graziano. Letramento Digital – Considerações
Sobre A Leitura E A Escrita Na Internet. Polifonia Cuiabá Edufmt V. 12 N. 1 p. 133-156 2006 ISSN 0104-687X. Acesso 12-jan-2012.
PEREIRA, Gabriela Imbernom. Letramento Digital e Professores de LE :
formação para o uso das novas tecnologias em sala de aula / Gabriela
Imbernom Pereira. -- São Carlos: UFSCar, 2009. 234 f. Disponível: www.ppgl.ufscar.br/ f. Acesso -5-jan-2012.
PEIXOTO, Maurício A. P. O que “é” aprender “a” aprender? Nossos
fundamentos. 2010. Disponível: http://officinadamente.com.br/blog/?p=2090. Acesso 15-jan-2012
PETERS, O. A Estrutura Didática da Educação a Distância. São Paulo: Olho
d Água, 1973.
PINHO, Maria José de. Políticas de formação de professores: intenção e
realidade. 1 ed. Goiânia: Cânone Editorial, 2007.
PINHO, Maria José de.; ALMEIDA, Severina Alves de. Estágio Supervisionado em Educação à Distância: Um Estudo da Plataforma Moodle. Revista Querubim – revista eletrônica de trabalhos científicos nas áreas de Letras, Ciências Humanas e Ciências Sociais – Ano 07 Nº 15 vol. 2 – 2011 ISSN 1809-3264 Página 38 de 183.
RIBEIRO, Ana Elisa. Letramento digital: um tema em gêneros efêmeros. Revista da ABRALIN, v.8, n.1, p. 15-38, jan./jun. 2009. Acesso. 12-jan-2012.
SOARES, M. B. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte:
Autêntica, 1998.
SOARES, M. Novas Práticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura. Educação e Sociedade: Campinas, vol. 23, n 81, p. 143-160, dez. 2002.
SOARES, M.B. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação. n.25. São Paulo, 2004, p.5-17.
STREET, Brian. What’s “new” in New Literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. 2003. Disponível: http:// www.tc.columbia.edu/cice/Issues/05.../5....Acesso: 11-jan.-2011.
XAVIER, Antonio Carlos dos Santos. Letramento digital e ensino. 2005. Disponível: www.ufpe.br/nehte/artigos/Letramento%20digital%20e%20ensino.pdf